8 de dez de 2008

Nair de Tefé - Em 1913, primeira-dama do Brasil, quebrava protocolos no Palácio do Catete.

Jornal do Brasil: Hermes da Fonseca casa-se com Nair de Tefé


O então Presidente da República Marechal Hermes Rodrigues da Fonseca, 58 anos, casou-se com a caricaturista Nair de Tefé, 27, no Palácio do Rio Negro, em Petrópolis, em uma cerimônia discreta. Um trem oficial transportou os convidados até a cidade serrana. Nair ganhou muitas jóias de presente. Quinze dias depois de celebrada a união, o casal promoveu uma festa no Rio para receber o corpo diplomático. 
Rica e elegante, a filha do Barão de Tefé deixou a carreira de caricaturista iniciada em 1906 sob o pseudônimo de Rian depois do casamento. Nair estudou na França, onde foi morar ainda bebê e só voltou ao Brasil aos 17 anos. A primeira-dama quebrava o formalismo da residência oficial no Palácio do Catete ao reunir os amigos para cantar e tocar violão, um instrumento, na época, associado à boemia. Provocou um escândalo quando organizou o recital de lançamento do Corta Jaca, um maxixe composto por Chiquinha Gonzaga. Os versos da música diziam: Essa dança é buliçosa/ tão dengosa/que todos querem dançar/Não há ricas baronesas, nem marquesas/que não queiram requebrar.

O então senador da República Rui Barbosa, que havia perdido a eleição presidencial para Hermes da Fonseca, ficou furioso e acusou a primeira-dama de quebrar o protocolo e divulgar músicas lascivas e vulgares. Em resposta, Nair fez uma caricatura de Rui Barbosa.

O presidente da República, às voltas com o combate de rebeliões durante toda a sua gestão, não repreendia a mulher. O chefe de estado ficara viúvo em novembro de 1912 de Orsina Francisca, mãe de seus sete filhos. Foi um dos dois únicos militares a chegar na presidência através do voto direto. O outro foi Eurico Gaspar Dutra.

Convivência de uma década
O casamento durou 10 anos. Ao deixar a presidência, em 1914, Hermes candidatou-se ao Senado pelo Rio Grande do Sul. Ganhou a vaga mas não quis tomar posse. Viajou para a Europa, afastando-se da política, e só retornou ao Brasil seis anos depois. Em 1922, Hermes se envolveu na Revolta do Forte de Copacabana e foi preso a mando do presidente Epitácio Pessoa. O marechal morreu poucos meses depois de deixar a prisão. Nair ficou deprimida e só voltou a fazer caricaturas em 1926. Nessa mesma época, adotou três crianças - Carmem, Tânia e Paulo. Escreveu seu livro de memórias aos 88 e morreu aos 95.
***********************************************************************

Nenhum comentário:

Postar um comentário