31 de out de 2010

Quantos anos você ainda vai viver? Quer saber?

E
 ste post é muito interessante. Trata diretamente da expectativa de vida de cada um que queira responder ao questionário. Gostei da forma com que o site "Minha Vida" (clique no logotipo abaixo) tratou do tema. 
A questão da expectativa de vida dos brasileiros tem sido tratada com muita atenção ultimamente. Aliás, não só no Brasil, mas em todo o planeta. A vida tem ficado mais longa e isso gera uma série de paradigmas novos em relação aos conceitos de saúde e das políticas publicas nos países e nas corporações.
Inquestionavelmente estamos caminhando para a existência de uma maioria de pessoas acima de 60 anos em médios e longos prazos. E como será isto? Ninguém sabe as respostas. No momento atual as pessoas com mais idade ainda sofrem muita discriminação por parte da sociedade dominante onde é prevalente o comando politico e corporativo nas mãos dos cidadãos mais jovens (idades abaixo dos 50 anos).
No teste abaixo eu apresento algumas partes  (imagens) do questionário elaborado pelos médicos Luciano Pontes de Azevedo e José Paulo Ladeira. Quem clicar na primeira imagem de apresentação terá acesso às questões. É só ir respondendo e ao final clicar no link indicado para receber o resultado das respostas.
Dai em diante o site apresenta a expectativa de vida que surge das respostas. No exemplo criei um personagem e fui respondendo aleatoriamente às perguntas apenas para chegar aos resultados. É logico que fiz a minha expectativa e vi que preciso melhorar muito os meus hábitos saudáveis para chegar onde quero. 
Pelo resultado do questionário o site vai passando dicas e indicações para o  autor das respostas do tipo "Parar de Fumar" ou "Reduzir o consumo de fast food " e informando as razões. Como não custa nada responder ao questionário acho que vale à pena. Alguma coisa de útil será aproveitada com certeza.




http://msn.minhavida.com.br/avaliacao/Content/imagens/logoMV2009.gif"O objetivo desta avaliação é alertar você sobre alguns fatores do seu dia a dia que podem afetar a sua longevidade. Esta avaliação da expectativa de vida não tem caráter diagnóstico e não substitui nenhum tipo de consulta individual, realizada por especialistas. Todas as informações oferecidas são baseadas em levantamentos científicos e em estatísticas nacionais. No entanto, o impacto efetivo de cada uma das variáveis aqui avaliadas pode variar de pessoa para pessoa. O resultado traz uma estimativa de longevidade para o conjunto da população que apresenta respostas semelhantes." (Texto de apresentação do teste reproduzido da pagina do questionário)






Doenças tropicais atingem 1 bilhão de pessoas (BBC)

Informação importante que não devo deixar passar sem registro. Peguei no site da BBC. As doenças tropicais ainda estão longe do controle por parte das autoridades que cuidam da saúde das populações do mundo. 
Estas doenças, tipo mal de Chagas e dengue ainda afetam o numero absurdo de um bilhão de pessoas em 149 países do mundo, mas de forma “silenciosa”, segundo relatório divulgado nesta sexta-feira pela OMS (Organização Mundial da Saúde). O que dizer sobre isso? E o Brasil está mal nessa foto.
Leiam o artigo e preocupem-se como eu fiquei. Acho simplesmente incrível que tais doenças quase medievais ainda estejam "circulando" entre os seres humanos do planeta. Por favor, leiam a matéria da BBC para se manterem informado.

Doenças tropicais negligenciadas afetam ‘silenciosamente’ 1 bilhão de pessoas, diz OMS

Dengue não foi controlada na América Latina, diz relatório
Doenças tropicais geralmente negligenciadas, como o mal de Chagas, a lepra, a dengue e a leishmaniose, ainda afetam cerca de 1 bilhão de pessoas em 149 países do mundo, mas de forma “silenciosa”, segundo relatório divulgado nesta sexta-feira pela OMS (Organização Mundial da Saúde).
Aedes aegyptiO Brasil é apontado no relatório como tendo incidência da maioria das 17 doenças tropicais listadas, que podem causar problemas como cegueira, úlceras e cicatrizes, dor severa, deformidades e danos em órgãos internos e no desenvolvimento físico e mental do paciente.
O relatório afirma, no entanto, que o controle desses males, mais comuns em áreas rurais e em favelas urbanas, é “viável”.

Recomendações
A OMS pede a continuação da ajuda de empresas farmacêuticas no controle das doenças, recomenda que os sistemas públicos de saúde fiquem atentos a mudanças nos padrões das doenças por conta de fatores climáticos e ambientais e sugere a coordenação entre agentes de saúde pública e agentes veterinários – para controlar a incidência de raiva, por exemplo.
O órgão lista “sucessos” no controle de males, como a erradicação da doença conhecida como “verme da Guiné”, não por conta de vacinas, “mas por educação em saúde e por mudanças comportamentais”.
“Essas doenças debilitantes, às vezes horríveis, são muitas vezes aceitas como parte da vida das pessoas pobres”, diz Margareth Chan, diretora-geral da OMS. “Mas estratégias podem quebrar o ciclo da infecção, da deficiência e da perda de oportunidades que mantém as pessoas na pobreza.”

Brasil e América Latina
O Brasil apresenta incidência de males tropicais como dengue, mal de Chagas, raiva, conjuntivite granulosa, leishmaniose, cisticercose, esquistossomose, tênia, hidática policística e “cegueira dos rios".
O relatório diz que o Brasil vivenciou um aumento nos casos de leishmaniose desde 1999. A doença, antes mais comum nas zonas rurais, “agora também aparece em áreas urbanas”, por conta da migração de pessoas do campo às periferias das cidades.
“No Brasil, os cães são o hospedeiro do parasita” da leishmaniose, que provoca, entre outros problemas, febre, fraqueza e anemia.
No caso da dengue, a OMS afirma que a doença ressurgiu na América Latina porque as medidas de controle não foram mantidas após a campanha para erradicar o Aedes aegypti, seu principal vetor, durante os anos 1960 e 70. “Grandes surtos acontecem atualmente a cada três ou cinco anos”, afirma o relatório.



30 de out de 2010

Carrtons da Semana - Barack Obama é a grande vítima.

http://2.bp.blogspot.com/_Ym7DqxGxuas/R9ad5zvK6dI/AAAAAAAAAQE/Sb7VtTyyq7c/s320/rir.gifA maioria das imagens abaixo foram retiradas do site da super-revista semanal norte-americana "Time Magazine", da "The Economist" e do "About.com".
São trabalhos de variados temas e vários cartunistas que abordam, com graça e a irreverência os fatos do dia-a-dia, os principais acontecimentos dos EUA e do "resto do mundo"
Desta vez não deu tempo de "traduzir" os dizeres dos cartoons, mas preferi solta-los assim do que ficar esperando (até não sei quando) para compartilha-los com os leitores. É o puro exemplo de não deixar que o "ótimo prejudique o bom"...
http://media.economist.com/images/images-magazine/2010/10/30/ld/20101030_ldp001.jpg
http://media.economist.com/images/images-magazine/2010/10/30/WW/20101030_WWD000.jpg
http://media.economist.com/images/images-magazine/2010/10/30/bb/20101030_bbd001.jpg
http://media.economist.com/images/images-magazine/2010/10/23/us/20101023_usd000.jpg
http://30.media.tumblr.com/tumblr_lani8pB9nk1qd65vgo1_400.jpg
http://27.media.tumblr.com/tumblr_laj4zkrYfO1qd65vgo1_400.jpg
http://30.media.tumblr.com/tumblr_l9xsqrzEoS1qd65vgo1_400.jpg
http://25.media.tumblr.com/tumblr_laakds5x0w1qd65vgo1_400.jpg
http://img.timeinc.net//time/cartoons/20101029/cartoons_02.jpg
Political cartoons
http://img.timeinc.net//time/cartoons/20101022/cartoons_01.jpg
http://0.tqn.com/d/politicalhumor/1/7/U/k/3/Palin-Politics.jpg

Liderança Estratégica e Criação de Valor (W.Glenn Rowe)

Trago-lhes um artigo, na verdade um ensaio, do renomado professor W.Glenn Rowe sobre liderança estratégica como elemento de criação de valor.
É um artigo extenso (estilo acadêmico) e por isso não  reproduzi totalmente no blog. Entretanto coloquei ao final do post o link para que quiser conhecê-lo (o que recomendo) e copiá-lo.
Reproduzi dois subtitulos do artigo que expressam os conceitos de liderança estratégica e liderança gerencial.
Cito abaixo duas frases do texto com o intuito de despertar-lhes a curiosidade. e provocá-los a ler o artigo na integra. Quem quer aprender não pode ter preguiça de ler... 
  • [...] "A definição de liderança estratégica pressupõe a habilidade de influenciar subordinados, pares e superiores. Também presume que o líder entenda o processo de estratégia emergente, que alguns autores consideram mais importante do que o processo de planejamento estratégico." [...] 
  • [...] "Líderes gerenciais consideram o trabalho um processo que permite a interação de idéias e pessoas, a fim de definir estratégias e tomar decisões. Durante esse processo, negociam, barganham e usam recompensas, punições ou outras formas de coerção." [...]
.
LIDERANÇA ESTRATÉGICA E CRIAÇÃO DE VALOR
W. Glenn Rowe
Doutor em Administração pela Texas A&M University, Professor e Reitor Associado do Programa de Pós-Graduação e Pesquisa da Faculty of Business Administration da Memorial University of Newfoundland (Canadá). E-mail: growe@mun.ca

 .
.
Coloquei abaixo o trecho inicial do artigo (que é extenso para ser reproduzido em um blog) com um resumo do artigo e logo a seguir dois subtítulos com os conceitos do autor sobre o que sejam a Liderança estratégica e a Liderança Gerencial. Também estão no post algumas frases de destaque no estudo e um quadro com  colunas onde estão diferenciados por suas caracteristicas os tres estilos de liderança abordados pelo autor.
.

RESUMO
A criação de valor tanto nas organizações recém-criadas quanto nas já estabelecidas é uma tarefa complexa e desafiadora. A liderança estratégica cria condições favoráveis para esse processo e para a maximização do retorno sobre o investimento. A liderança gerencial provavelmente conseguirá, no máximo, retornos equivalentes à média dos retornos. As organizações lideradas por visionários que não possuem apoio de uma liderança gerencial sólida podem perder seus recursos até mais rapidamente do que as dirigidas por líderes gerenciais. Este artigo define liderança estratégica e diferencia os conceitos de liderança estratégica, visionária e gerencial. Além disso, analisa os diferentes vínculos entre esses três tipos de liderança e a criação de valor.
Quando as organizações restabelecem o controle estratégico e permitem o desenvolvimento de um grupo de líderes estratégicos, eles serão fonte de maximização do retorno sobre o investimento. O resultado será a criação de valor para os funcionários, clientes, fornecedores e acionistas.
.
DEFINIÇÃO DE LIDERANÇA ESTRATÉGICA
A palavra grega strategos refere-se a um general no comando de um exército. Estratégia relaciona-se às habilidades psicológicas e comportamentais que motivam um general: a arte do general. Até 450 a.C., essa  definição evoluiu, a fim de incluir habilidades gerenciais, como administração, liderança, oratória e autoridade.
.
Por volta de 330 a.C., o termo strategos passou a significar a capacidade de empregar forças para vencer forças inimigas e desenvolver um sistema unificado de governança global (Evered, 1980; Quinn, 1980; Mintzberg e Quinn, 1996). Neste artigo, a liderança estratégica é definida como a habilidade de influenciar outras pessoas a tomar, de forma voluntária e rotineira, decisões que aumentem a viabilidade em longo prazo da organização, ao mesmo tempo em que mantêm a Essa definição é diferente da estabelecida por Ireland e Hitt (1999), já que inclui, explicitamente, o conceito de tomada de decisões voluntárias e concentra-se tanto no presente quanto no futuro. Gerentes e funcionários tomam decisões todos os dias quando interagem entre si e com os grupos de poder, principalmente os clientes, os fornecedores e as comunidades em que atuam. Essas decisões estão de acordo com a direção estratégica da organização? Vão aumentar a viabilidade futura da organização e a estabilidade financeira em curto prazo?
.
Confiar em gerentes e funcionários para tomar decisões que beneficiem a organização significa que a alta gerência não fará tantos esforços no monitoramento e controle e terá mais capacidade para inteirar-se do que a organização necessita, tanto em curto quanto em longo prazo. Por outro lado, mesmo que gerentes e empregados realmente conheçam as direções estratégicas da organização, podem, por negligência, tomar decisões que prejudiquem a organização. Além disso, se conhecerem as direções estratégicas e quiserem, de alguma forma, lesar a organização, podem tomar, voluntariamente, decisões que a prejudiquem. Isso requer maior esforço para monitorar e controlar e menor esforço para o que necessita ser feito com vistas à viabilidade em curto e longo prazos. Influenciar funcionários a tomar, voluntariamente, decisões que ajudem a organização é o aspecto mais importante da liderança estratégica. Segundo Tichy e Cohen (1997, p. 106): “Quando não se pode controlar, dar ordens ou monitorar, a única coisa que nos resta é confiar. Isso significa que os líderes precisam ter certeza de que as pessoas em quem estão confiando têm valores para tomar as decisões e atitudes que eles querem.”
.
A definição de liderança estratégica pressupõe a habilidade de influenciar subordinados, pares e superiores. Também presume que o líder entenda o processo de estratégia emergente, que alguns autores consideram mais importante do que o processo de planejamento estratégico (Mintzberg, 1987a, 1987b). As decisões e as atitudes tomadas voluntariamente por gerentes e funcionários todos os dias acabam por determinar a estratégia emergente. Líderes estratégicos entendem esse processo e valem-se dele para garantir a viabilidade futura de suas organizações. A liderança estratégica pressupõe uma visão comum do que uma organização deve ser, para que a tomada de decisões rotineiras ou o processo de estratégia emergente sejam coerentes com essa visão. Isso implica a existência de um acordo entre os gerentes corporativos e os gerentes de divisões sobre as oportunidades e ameaças, dados os recursos e capacidade da organização (Barney, 1997). A liderança estratégica pressupõe que a liderança visionária e a gerencial podem coexistir e que estão unidas, em sinergia, pela liderança estratégica. Também presume a habilidade dos líderes estratégicos de mudar suas organizações para que haja uma mudança no ambiente em que suas organizações atuam (Hitt et al., 2001).
.
LIDERANÇA GERENCIAL
A maioria dos executivos exerce a liderança gerencial.
Por diversas razões, as organizações treinam seus funcionários implícita e explicitamente para serem líderes gerenciais. Organizações empresariais diversificadas em vários negócios tendem a fazer isso. Governos treinam ainda mais seus funcionários para serem líderes gerenciais do que as empresas, devido à prestação de contas, ao grau de diversificação, à questão da reeleição e, para a maioria dos governos, ao enorme volume da dívida. Esses fatores levam à imposição de um sistema de controle financeiro que estimula o uso da liderança gerencial e desestimula as lideranças estratégica e visionária. Há pessoas capazes de exercer ambas as lideranças – estratégica e visionária – em tais organizações, mas a natureza destas as desestimula. 
.
Líderes gerenciais adotam atitudes impessoais e passivas em relação às metas. Metas surgem da necessidade, e não de desejos e sonhos, baseiam-se na origem das organizações e estão intimamente ligadas à história e à cultura da organização (Zaleznik, 1977). Segundo Jack Welch e Robert Goizueta, já falecido, a insensibilidade em relação ao passado é necessária (Morris, 1995). Líderes gerenciais são sensíveis ao passado.
Líderes gerenciais consideram o trabalho um processo que permite a interação de idéias e pessoas, a fim de definir estratégias e tomar decisões. Durante esse processo, negociam, barganham e usam recompensas, punições ou outras formas de coerção. Eles relacionam-se com pessoas de acordo com seus papéis no processo de tomada de decisão e com a maneira pela qual as coisas são feitas. Líderes gerenciais podem não ter empatia e podem procurar envolver-se com outras pessoas, mas mantêm um baixo comprometimento emocional nesses relacionamentos. Precisam de ordem, e não do caos potencialmente inerente às relações humanas.

Eles vêem-se como reguladores e conservadores do status quo de suas organizações e identificam-se pessoalmente com ele. Fortalecer e perpetuar suas instituições faz bem ao ego desses gerentes. Por exemplo, se as pessoas sentem que fazem parte de uma instituição e que contribuem para o bem-estar desta, podem achar que uma missão em sua vida foi cumprida e sentir-se gratificadas por terem atingido um objetivo. Essa gratificação pode ultrapassar as recompensas materiais e satisfazer desejos de credibilidade pessoal. Quando isso ocorre, os líderes gerenciais podem sentir-se desnorteados e angustiados depois de uma reestruturação na organização em que trabalharam a vida toda (Zaleznik, 1977).


Líderes gerenciais influenciam somente as atitudes e decisões daqueles que com eles trabalham (Hosmer, 1982). Estão envolvidos em situações e contextos característicos de atividades rotineiras (Schendel, 1989), comprometendo-se mais e sentindo-se melhor em áreas funcionais de responsabilidades. Têm mais conhecimento de suas áreas funcionais (Hambrick, 1989). Os líderes gerenciais podem tomar decisões que não estejam sujeitas a restrições baseadas em valores (Hosmer, 1982), o que não significa que não tenham moral e ética. Em se tratando de gerentes, no entanto, podem não incluir valores no seu processo de tomada de decisão devido a pressões como o controle financeiro. Esses líderes apóiam e adotam postura de preço mínimo em curto prazo a fim de aumentar a performance financeira em curto prazo (Hill e Hoskisson, 1987; Hoskisson e Hitt, 1994; Zaleznik, 1990). Eles concentram-se em administrar a troca e a interação de conhecimentos explícitos e também em garantir que os procedimentos operacionais padronizados sejam cumpridos. Valem-se de um processo de pensamento linear. Por fim, líderes gerenciais acreditam em determinismo: fazem o que é determinado pelos ambientes interno e externo da organização (ver Trigg, 1996; Child, 1972; Mintzberg et al., 1998). A liderança gerencial é parecida em alguns pontos com a liderança transacional(Bass, 1985; Yukl, 1994).

É preciso destacar que ser um líder gerencial não é ruim e que as organizações necessitam desse tipo de liderança. É possível, entretanto, que um número excessivo de organizações seja comandado por esses líderes e que eles não criem valor. Líderes gerenciais vão, na melhor das hipóteses, conservar o valor. Podem, porém, provocar redução no valor em longo prazo, se o seu estilo predomina na organização.



Clique no link Liderança estrategica e criação de valor e será redirecionado à página do site da SCIELO onde está localizado, na íntegra,  o arquivo em PDF com o texto completo do estudo aqui apresentado. Para quem se interessa em aprofundar o conhecimento sobre conceitos de alto nível no mundo corporativo recomendo que grave o artigo completo nos seus arquivos pessoais, imprima e  e leia-o muitas vezes.

 

Blogs que me encantam!


..saia justa......† Trilha do Medo ♪....Blogueiros na Web - Ensinando o Sucesso no Blogger e Wordpress!..Emprego Virtual..Blog Ebooks Grátis....http://3.bp.blogspot.com/_vsVXJhAtvc8/ShLcueg5n2I/AAAAAAAACqo/sOQqVTcnVrc/S1600-R/blog.jpg..http://lh6.ggpht.com/_vc1VEWPuSmU/TN8mZZDF9tI/AAAAAAAAIJY/GWQU-iIvToI/banner-1.jpg....Divulgar textos | Publicar artigo....tirinhas do Zé........

Estatística deste blog: Comentários em Postagens Widget by Mundo Blogger

Safernet



FinderFox

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin