14 de ago de 2008

Qual o seu maior temor, no mundo corporativo?

.
Mais uma vez trago-lhes o tema da "habilidade (ou falta dela) para se falar em público. Neste texto o foco é o domínio do medo - sempre aterrador - de se enfrentar (?) uma platéia. Pessoalmente passei por isso algumas vezes em vários graus de intensidade. A pior delas (foram duas oportunidades inesquecíveis de terror total) ocorreu quando fui o orador da minha turma de engenheirandos da Politécnica de Recife, em 1970. Registre-se que, na época, eu já era um experimentado repórter de rádio, acostumado a falar ao microfone; mas nunca tinha me colocado, falando de um assunto subjetivo (formatura), diante de um auditório "de carne e osso" e com todo mundo atento até à minha respiração.
Fiquei tão nervoso que as pernas começaram a tremer sem controle. Como estava em cima de um tablado, a haste do microfone e o pedestal também acompanharam o movimento como se fossem dois barcos navegando sem timoneiros. E o ruído? Sim, porque com a tremedeira, o tablado e o microfone começaram a praticar um diálogo dos mais barulhentos e crescente. Quando eu percebi me apavorei, literalmente, no meio do discurso. Ah! O governador do Estado era o paraninfo e o prefeito de Recife, o homenageado. Lembro disso para dar uma idéia do número e do nível da platéia.
O mais interessante é que a voz saia controlada, a mente estava lúcida, mas as pernas... Ah! Aquelas pernas não eram as minhas... Tremiam por vontade própria e a haste do microfone as acompanhava numa dança algo parecido com a rumba.
Ai valeu a minha experiência como repórter (que também passa seus apertos). Com um sangue frio, que nem eu sabia que tinha, lenta e calmamente, sem parar o discurso, peguei o microfone e o coloquei no chão, fora do tablado que, aliás, já estava prestes a se transformar em um... patíbulo. Em seguida, milagre! O microfone parou de tremer, claro, e na seqüência as pernas perderam sua independência e, aleleuia! Me obedeceram.
Se alguém notou - porque tudo se passou em pouco mais de um minuto (que até hoje parece uma eternidade) - não me falou nada. O discurso foi um sucesso (até hoje o tenho guardado no baú das minhas antiguidades).
Lembrei-me desse episódio, agora, ao fazer a apresentação do artigo abaixo. Serve também para exemplificar, com um fato real, que o medo de se falar em público pode ser dominado. É disto que trata o texto que você vai ler em seguida. Boa sorte e não deixem de enfrentar as situações nas quais tenha que falar para uma platéia. Só o confronto "cara-a-cara com a fera" lhe dará a expertise para avançar e se aperfeiçoar.
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
.

Dominando o Medo de Falar em Público
"O jornal inglês Sunday Times realizou, no ano passado, uma pesquisa junto a três mil americanos para descobrir o que lhes causava maior medo. Em primeiro lugar não estava o medo da morte, de doenças, de problemas financeiros ou de altura - embora todos tenham sido muito bem votados. Para 41% dos entrevistados, a situação que provoca maior pavor é algo até certo ponto comum - e muitas vezes necessário - no dia-a-dia dos profissionais: falar em público.
Quem já sentiu o coração disparar, as mãos suarem, as pernas ficarem bambas e as palavras sumirem ao enfrentar uma platéia sabe bem o que isso significa. É um temor muitas vezes sem uma explicação racional e difícil de ser controlado. Há boas e más notícias a esse respeito. A má é que o medo de falar em público pode comprometer o desempenho e a imagem do profissional - afinal, passar uma mensagem com segurança é um requisito essencial para obter credibilidade. A boa notícia é que algumas técnicas e dicas podem ajudar na hora de encarar o público e mandar o seu recado com eficiência.
O primeiro mandamento é algo que parece óbvio, mas que nem sempre é seguido por quem vai falar para um grupo ou platéia: procure dominar o assunto que vai ser exposto. Estar familiarizado com o tema a ser abordado é fundamental. Nada pior do que demonstrar insegurança e desinformação a respeito do que está sendo falado. Por isso, ao ser convidado para expor suas idéias em público, prepare-se lendo a respeito do assunto, pesquisando as novidades e conversando com pessoas da área, para ouvir diferentes pontos de vista.
Outra dica importante é procurar conhecer detalhes sobre o evento. Quem será sua platéia e qual o nível de conhecimento que ela terá do tema? Pergunte se haverá outros palestrantes e quanto tempo você terá para a sua participação. Com esse briefing, você estará em condições adequadas para iniciar a preparação. Estruture a sua apresentação em tópicos, defina os argumentos mais importantes e organize-os logicamente. Tenha um roteiro do que vai falar em mente ou no papel, mas resista à tentação de ler sua apresentação para o público. É enfadonho e passa uma imagem de despreparo.
Tentar desempenhar o papel de um grande orador é um erro bastante comum e que costuma comprometer o desempenho de quem precisa falar em público. Seja natural, não use palavras difíceis ou que não façam parte do seu cotidiano. A naturalidade vai ser uma grande aliada caso você perceba que cometeu alguma falha ou se acontecer o temível "branco". Se isso acontecer e você estiver à vontade e for natural, é possível que ninguém perceba. Relembre seu último argumento e passe para o tópico seguinte. Procure ter e demonstre tranqüilidade. Nada pior do que um apresentador nervoso.
O tempo da apresentação é um fator importante. Seja breve. Evite fugir do tema da palestra ou perder-se em detalhes que não fazem a menor diferença. Quanto mais objetiva a sua exposição, melhor. Sempre que possível, ilustre o que você está dizendo com um exemplo real. As pessoas prestam muita atenção nas histórias que são contadas nas palestras.
E, o que é muito importante, não encare a platéia como sua inimiga. Às vezes o medo de falar em público nos leva a pensar que estão todos nos encarando criticamente, nos testando, esperando por um erro. Acredite, a platéia está ali a seu favor, para ouvir e aprender com você, torcendo para que dê certo. Encare dessa forma e a coisa ficará mais fácil."
.
PS - Clique aqui para ler o artigo no contexto do site original.
.

2 comentários:

  1. o meu maior temor são os relatórios de despesas pra ser reembolsado! Eu perco nota fiscal, preecho tudo errado.. tenho que refazer mil vezes.. entrego fora do prazo... um PESADELO! :-(

    ResponderExcluir
  2. Olá Nicholas!

    Bom te ver "escalando os alpes" da Oficina de Gerência. Li no seu blog que esteve passeando aqui, em Brasília. Gostei do que escreveu. Foi bastante fiel. Brasília é uma linda cidade, mas seus mistérios não são para todos. Só para quem saber "ver". É como aquela frase famosa de Exupéry: "O essencial é invisível para os olhos; só se vê bem com o coração". Você conseguiu "ver" Brasília. Por isso apaixonou-se como todos nós que vivemos aqui.
    Quando voltar no planalto central avise a este velho blogueiro. Quero ter o prazer de ser seu cicerone por dentro da obra de Oscar Niemeyer, Lúcio Costa e Athos Bulcão.
    Meu abraço e volte sempre.

    ResponderExcluir

Blogs que me encantam!


..saia justa......† Trilha do Medo ♪....Blogueiros na Web - Ensinando o Sucesso no Blogger e Wordpress!..Emprego Virtual..Blog Ebooks Grátis....http://3.bp.blogspot.com/_vsVXJhAtvc8/ShLcueg5n2I/AAAAAAAACqo/sOQqVTcnVrc/S1600-R/blog.jpg..http://lh6.ggpht.com/_vc1VEWPuSmU/TN8mZZDF9tI/AAAAAAAAIJY/GWQU-iIvToI/banner-1.jpg....Divulgar textos | Publicar artigo....tirinhas do Zé........

Estatística deste blog: Comentários em Postagens Widget by Mundo Blogger

Safernet



FinderFox

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin