17 de jul de 2008

Um ano de cidadania ignorada e humilhada...

.
Um ano!
E é tudo tão rápido nessa vida globalizada que nos esquecemos até de nossas maiores e legítimas indignações. Foi essa a sensação que experimentei quando, ao produzir o post com a "história do dia 17 de julho", lembrei que eram passados 365 dias do trágico acidente em Congonhas, com o avião da TAM e nada tinha acontecido em relação às responsabilidades dos causadores daquele infortúnio.
A imagem acima foi copiada da edição de hoje do Correio Braziliense* e na reportagem pincei alguns trechos, para relembrar o descaso das autoridades com os direitos da cidadania, principalmente das famílias daqueles que morreram há um ano e ninguém, ainda, lhes disse porque? Quem foi ? Se e quando serão indenizados? Um ano de vergonha!
.
* Recomendo que visitem a página do Correio Brazilense e do CorreioWeb. Fizeram uma reformulção por lá e os dois sites ficaram excelentes.
.
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
.
.
.
"Nesta quinta (17/07) faz um ano que o Airbus A-320 que fazia o vôo 3054 da TAM varou a pista do Aeroporto de Congonhas (em São Paulo), chocou-se contra um prédio da mesma empresa e pegou fogo, matando 199 pessoas. Mesmo assim, as causas do maior acidente da história da aviação nacional ainda são uma incógnita. O inquérito da Polícia Civil de São Paulo permanece emperrado e não há sequer indiciados. A apuração continua em torno de fatores generalizados e já divulgados, como a pista insegura, defeitos mecânicos e uma possível falha humana. O relatório da Aeronáutica, mantido sob sigilo, também aponta as condições inseguras do aeroporto como um dos fatores que provocaram a tragédia. Enquanto aguardam as conclusões, pelo menos 60% das famílias das vítimas continuam sem indenização — segundo a companhia, foram fechados 78 acordos. A crise aérea, deflagrada antes e agravada após o acidente, parece contornada. Mas problemas estruturais do setor, garantem especialistas, continuam." [...]
[...] “Escutamos e lemos muitas promessas após o acidente da TAM. A verdade é que foram tomadas as medidas simples. Para o usuário, parece que há uma normalização do setor. Mas os gargalos estruturais persistem”, diz Graziella Baggio, presidente do Sindicato dos Aeronautas. [...] São muitas as hipóteses para explicar o que ocorreu no malsucedido pouso do vôo 3054 em Congonhas naquele início de noite: falha do piloto, problemas no sistema de aceleração do avião, falta de aderência da pista e desrespeito a uma norma da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Essa regra suspendia, em dias chuvosos, aterrissagem no aeroporto de aviões com reverso pinado, exatamente como estava o Airbus da TAM. Embora a diretoria da Anac alegue que a norma só entrou em vigor após o desastre, o Ministério Público em São Paulo pode indiciar de sete a 10 pessoas, incluindo Milton Zuanazzi e Denise Abreu, respectivamente ex-presidente e ex-diretora da Anac. Mas terá de aguardar a finalização do inquérito policial, parado por dificuldades em ouvir os integrantes da agência na época do desastre".[...]
.
Clique aqui para ter acesso à íntegra da matéria dos jornalistas Renata Mariz e Ulisses Campbell Correio Braziliense
.
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário