11 de jul de 2008

Entrevista de emprego (Max Gehringer)

"Há anos -- com a colaboração de colegas recrutadores de pessoal -- eu venho colecionando respostas reais dadas por candidatos a emprego. Mas só recentemente descobri que a coleção pode ter a finalidade prática de confortar os aflitos. Quando alguém diz "Não sei, acho que fui mal na entrevista", e aí vê essas preciosidades verbais, percebe que não foi tão mal assim. Alguns exemplos:"

Entrevistador -- E então, você está construindo uma networking?
Candidato -- Veja bem, eu não sou engenheiro, sou administrador.

Entrevistador -- Como você administra a pressão?
Candidato -- Ah, tranqüilo. 11 por 7, no máximo 12 por 8.

Entrevistador -- Manter sempre o foco é muito importante. E me parece que você tem alguns lapsos de concentração.
Candidata -- O senhor poderia repetir a pergunta?

Entrevistador -- Como você se sente trabalhando em equipe?
Candidata -- Bom, desde que não tenha gente dando palpite, me sinto muito bem.

Entrevistador -- Como você se definiria em termos de flexibilidade?
Candidato -- Ah, eu faço academia. Sou capaz de encostar o cotovelo na nuca.

Entrevistador -- Nós somos uma empresa que nunca pára de perseguir objetivos.
Candidato -- Que ótimo. E já conseguiram prender algum?

Entrevistador -- Vejo que você demonstra uma tendência para discordar.
Candidata -- Muito pelo contrário.

Entrevistador -- Em sua opinião, quais seriam os atributos de um bom líder?
Candidato -- Ah, são várias coisas. Mas a principal é ter liderança.

Entrevistador -- Noto que você não mencionou sua idade aqui no currículo.
Candidato -- É que eu uso óculos, e isso me faz parecer mais velho.
Entrevistador -- E qual é a sua idade?
Candidato -- Com óculos ou sem óculos?

Entrevistador -- Quais seriam seus pontos fracos?
Candidato -- Ah, é só o joelho. Até tive de parar de jogar futebol.

Entrevistador -- Há alguma pergunta que você queira me fazer?
Candidato -- Eu parei meu carro aí na rua. Será que eu vou ser multado?

Entrevistador -- Por que, dentre tantos candidatos, nós deveríamos contratá-lo?
Candidata -- Eu pensei que responder a isso fosse seu trabalho.

Entrevistador -- Como você pode contribuir para melhorar nosso ambiente de trabalho?
Candidato -- Bem, eu começaria trocando a recepcionista, que é muito feia.

Entrevistador -- Quando digo "sucesso", qual é a primeira palavra que lhe vem à mente?
Candidato -- Pode ser duas palavras?

Entrevistador -- Pode.
Candidato -- Milho. Nário.

Entrevistador -- Várias pessoas que se sentaram aí nessa mesma cadeira hoje são gerentes.
Candidata -- Puxa, o fabricante da cadeira vai ficar muito feliz em saber disso
.
qqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqqq

2 comentários:

  1. Brilhante este post.

    Serve para que nós possamos perceber que sempre há desempenhos piores que os nossos ...

    Mas a do "Milho. Nário", foi ótima!!!!

    ResponderExcluir
  2. Giovanni,

    Que bom que você visitou a Oficina. Deixou seu comentário bem humorado e ainda fez um registro, gentil e generoso, lá, no seu Buteco de Bits.
    Você acertou na mosca. A idéia do post foi exatamente despertar sobre o despreparo da "população do mundo corporativo" para conquistar seus espaços, seus empregos.
    Os absurdos que estão escritos ai, no texto, expressam, infelizmente, a nossa atualidade.
    Já tive oportunidade de participar - como observador - em entrevistas do gênero e fiquei espantado(!), esse é o termo, com a ignorância e a falta de cultura geral dos candidatos, principalmente jovens entre 20 e 30 anos , para enfrentar as perguntas e as propostas de resolução de problemas colocadas pelo entrevistador. Escrever e falar então...
    Enfim, aqui no galpão da Oficina "vamo fazeno o que podemo" para ajudar essa turma.
    Muito grato, mesmo, pela tua passada aqui.
    Meus cumprimentos.

    ResponderExcluir