15 de mar de 2009

Emilio Odebrecht na Folha de São Paulo: Oportunismos ou Oportunidades?

Emílio Odebrecht vai, a cada coluna domingueira, justificando a aposta que a Folha de São Paulo fez nele. Está cada vez mais elaborado nos seus textos. Criando frases e se soltando. Deixando aquela postura tipo "queixo-duro" de empresário.

Seus artigos recentes, comparados aos do início de sua "carreira" como colunista da Folha, estão com estão mais criativos e abordando temas mais subjetivos sem perder o toque do DNA de quem herdou e conseguiu fazer prosperar uma das maiores grifes do mundo corporativo do Brasil.


Neste artigo ele aborda uma interessante dicotomia. Oportunidades e oportunismos. Leiam uma das frases do texto:

  • "Aproveitar oportunidades é uma coisa; outra, bem diversa, é agir de maneira oportunista. Organizações sérias optam pela primeira e evitam cuidadosamente a segunda."

Nestes tempos de crises e consequentes oportunidades o pensamento de Emílio Odebrecht é mais que compatível com as realidades que nos cercam a todos. Confiram, por favor.



São Paulo, domingo, 15 de março de 2009



http://www.digirolamo.com.br/images/emilio.jpg
EMÍLIO ODEBRECHT

Oportunidade ou oportunismo

NOS DICIONÁRIOS , oportunidade é definida como circunstância favorável para a realização de algo; é um ensejo. Já oportunismo, entre outras coisas, significa comportamento de quem subordina seus princípios a interesses momentâneos.

O Brasil já foi definido como uma terra de oportunidades. Continua sendo. Aqui ainda há muito por fazer. Por exemplo, estradas, portos, escolas, hospitais, saneamento básico e bibliotecas, incentivo à cultura, desenvolvimento tecnológico e educação de qualidade.

Continuamos um solo fértil para iniciativas empresariais, com demandas latentes à espera de quem as satisfaça. A conjuntura é difícil, mas não nos impede de dizer que somos um país economicamente estável, com população crescente e cuja distribuição de renda tem melhorado -fatores que incentivam a atividade produtiva.

Convém lembrarmos, porém, que empresas competentes são aquelas que tiram partido das oportunidades de forma sustentável, pautando suas ações por uma visão de longo prazo.

Iniciativas que visam o ganho fácil e imediato costumam ser efêmeras.

Oportunidades devem ser aproveitadas quando claramente se encaixam no foco de atuação da empresa. Aplicar dinheiro em pechinchas sem conexão com a atividade-fim pode ser uma temeridade, por maior que pareça o retorno prometido.

Operações deste tipo só fazem sentido se resultarem em maior capacidade produtiva, ganhos de sinergia e melhores bens e serviços para os consumidores.

Empresas devem criar riqueza nova, não apenas reciclar a antiga, porque a atividade econômica precisa agregar valor à coletividade para legitimar-se socialmente.

Aproveitar oportunidades é uma coisa; outra, bem diversa, é agir de maneira oportunista. Organizações sérias optam pela primeira e evitam cuidadosamente a segunda.

Bons negócios pedem intuição para serem percebidos e criatividade para serem cultivados. Empresas donas de sólida visão do futuro sabem da importância de tais predicados.

As companhias que usam bem as chances que surgem encaram desafios com bravura e têm ousadia para atuar em escala não apenas local mas mundial. São essas as características das jovens multinacionais brasileiras que hoje operam com êxito em todo o globo.

O bom empresário é aquele que sabe usar a força das circunstâncias e que, além de não deixar escapar as oportunidades com que depara, também as cria. Não contempla o mundo, transforma-o.


EMÍLIO ODEBRECHT escreve aos domingos nesta coluna.




Nenhum comentário:

Postar um comentário