DIA NACIONAL DO BOMBEIRO

DIA NACIONAL DO BOMBEIRO
DIA NACIONAL DO BOMBEIRO - O Dia do Bombeiro Brasileiro é comemorado no dia 2 de julho. Esta data é uma homenagem a todos os heróis brasileiros que arriscam as suas vidas para proteger as pessoas, as cidades e as florestas do risco de incêndios, desastres naturais, desabamentos, etc. Além de apagar incêndios, os bombeiros também desenvolvem vários projetos sociais e educativos, com o objetivo de tentar melhorar a qualidade de vida da comunidade. Os bombeiros também ajudam a socorrer animais em perigo e auxiliar pessoas que enfrentam situações de grande stress, como tentativa de suicídio, afogamento, desaparecimentos e traumas provocados por acidentes. Dia do Bombeiro Brasileiro Origem do Dia do Bombeiro Brasileiro A escolha desta data é uma homenagem a criação do Corpo Provisório de Bombeiros da Corte, inaugurado em 2 de julho de 1856, no Rio de Janeiro, e sob o comando do major João Batista de Morais Antas. Oficialmente, o Dia do Bombeiro Brasileiro foi instituído através do Decreto nº 35.309, de 2 de abril de 1954. A partir desta mesma lei, também foi definido a realização anual da Semana de Prevenção Contra Incêndios. Antigamente, antes do Imperador D. Pedro II assinar o Decreto Imperial nº 1.775 que regulamentava o serviço de bombeiros, o badalar dos sinos era sinal de que homens, mulheres e crianças tinham que formar uma fila no poço mais próximo e assim, passarem baldes de mão em mão até chegarem ao local do incêndio.

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Querem derrubar Evo Morales (quem diz é Clóvis Rossi da Folha de SãoPaulo)



Situação na Bolívia é gravíssima. Leia o comentário de Clóvis Rossi (ele sabe do que está falando) e clique na imagem do jornal boliviano "El Diário" cuja manchete informa que o governo de Evo Morales já perdeu o controle nas regiões conflagradas.
Estou achando o Brasil e a Argentina (na posição de líderes da América do Sul) muito silentes sobre uma crise que afetará as duas nações diretamente e colocará a democracia na América Latina de volta às turbulências dos golpes de estado.
O presidente Hugo Chávez não perderá essa oportunidade de aparecer e a esta altura - com sua já conhecida sutileza diplomática - já deve estar movimentando suas "tropas" para apoiar o aliado. Aliás, não ainda como não tomou essa iniciativa.
Tudo está a indicar que se a crise não for debelada rapidamente pode criar um (falso) clima de "direita contra esquerda" na América Latina com consequências imprevisíveis. Não nos esqueçamos que a economia do planeta enfrenta seu pior momento nas últimas décadas.
Leiam o artigo do jornalista. Vamos passar o dia acompanhando e sugiro que façam o mesmo. Não gosto do estilo do presidente boliviano, mas ele é o homem eleito legitimamente pelo povo da Bolívia e não pode ter sua autoridade contestada dessa forma. Fere a democracia e o estado de direito e sou veementemente contra.

*
"O que está em andamento na Bolívia é uma tentativa de golpe contra o presidente Evo Morales. Segue uma linha ideológica e táticas parecidas às que levaram ao golpe no Chile, em 1973, contra o governo de Salvador Allende, tão constitucional e legítimo quanto o de Evo Morales.
Os bloqueios agora adotados nos Departamentos são a cópia de locautes de caminhoneiros que ajudaram a sitiar o governo Allende.
Outra semelhança: Allende elegeu-se presidente, em 1970, com pouco mais de um terço dos votos (36%). Mas, três anos depois, sua Unidade Popular saltou para 44%, em pleito legislativo, o que destruiu qualquer expectativa da direita de vencê-lo política ou eleitoralmente.
Foi na marra mesmo, o que deu origem a um dos mais brutais regimes políticos de uma América Latina habituada à brutalidade.
Evo Morales também se elegeu com menos votos do que obteve agora no chamado referendo revogatório, o que demonstra um grau de aprovação popular até surpreendente para as dificuldades que o governo enfrentou desde o primeiro dia, em parte por seus erros e em parte pelo cerco dos adversários.
A luta dos Departamentos pela autonomia, eixo da crise, é também legítima e precede Evo Morales.
Mas passou a ser apenas um biombo para encobrir as verdadeiras intenções, cristalinamente reveladas a Flávia Marreiro, desta Folha, por Jorge Chávez, líder "cívico" de Tarija, um dos Departamentos rebelados contra o governo central: "Se precisar, vai ter sangue. É preciso conter o comunismo e derrubar o governo deste índio infeliz".
Cena mais explícita de hidrofobia e racismo, impossível. Nem o governo nem a oposição no Brasil têm direito ao silêncio, escondendo-se um na não-ingerência em assuntos internos e outra em preconceitos similares." (crossi@uol.com.br)
.
*
(clique sobre a imagem)
.
====================================================

Nenhum comentário:

Postar um comentário