2 de mai de 2008

Jesus era... Peripatético (Max Gehringer)

(Imagem das artistas Liz Couldwell & Susan Doyle do Getty Images)
Numa das empresas em que trabalhei, eu fazia parte de um grupo de treinadores voluntários.
Éramos coordenados pelo chefe de treinamento, o professor Lima, e tínhamos até um lema:
'Para poder ensinar, antes é preciso aprender' (copiado, se bem me recordo, de uma literatura do Senai).
Um dia, nos reunimos para discutir a melhor forma de ministrar um curso para cerca de 200 funcionários.
Estava claro que o método convencional -- botar todo mundo numa sala -- não iria funcionar, já que o professor insistia na necessidade da interação, impraticável com um público daquele tamanho.
Como sempre acontece nessas reuniões, a imaginação voou longe do objetivo, até que, lá pelas tantas, uma colega propôs usarmos um trecho do Sermão da Montanha como tema do evento.
E o professor, que até ali estava meio quieto, respondeu de primeira.
Aliás, pensou alto:
- Jesus era peripatético...
Seguiu-se uma constrangida troca de olhares, mas, antes que o hiato pudesse ser quebrado por alguém com coragem para retrucar a afronta, dona Dirce, a secretária, interrompeu a reunião para dizer que o gerente de RH precisava falar urgentemente com o professor.
E lá se foi ele, deixando a sala à vontade para conspirar.
- Não sei vocês, mas eu achei esse comentário de extremo mau gosto - disse a Laura.
- Eu nem diria de mau gosto, Laura. Eu diria ofensivo mesmo - emendou o Jorge, para acrescentar que estava chocado, no que foi amparado por um silêncio geral.
- Talvez o professor não queira misturar religião com treinamento -- ponderou o Sales, que era o mais ponderado de todos.
- Mas eu até vejo uma razão para isso...
- Que é isso, Sales? Que razão?
- Bom, para mim, é óbvio que ele é ateu.
- Não diga!
- Digo. Quer dizer, é um direito dele. Mas daí a desrespeitar a religiosidade alheia...
Cheios de fúria, malhamos o professor durante uns dez minutos e, quando já o estávamos sentenciando à fogueira eterna, ele retornou.
Mas nem percebeu a hostilidade. Já entrou falando:
- Então, como ia dizendo, podíamos montar várias salas separadas e colocar umas 20 pessoas em cada uma. É verdade que cada treinador teria de repetir a mesma apresentação várias vezes, mas... Por que vocês estão me olhando desse jeito?
- Bom, falando em nome do grupo, professor, essa coisa aí de peripatético, veja bem...
- Certo! Foi daí que me veio a idéia. Jesus se locomovia para fazer pregações, como os filósofos também faziam, ao orientar seus discípulos.
Mas Jesus foi o Mestre dos Mestres, portanto a sugestão de usar o Sermão da Montanha foi muito feliz. Teríamos uma bela mensagem moral e o deslocamento físico...
Mas que cara é essa?... Peripatético quer dizer 'o que ensina caminhando'.
E nós ali, encolhidos de vergonha. Bastaria um de nós ter tido a humildade de confessar que desconhecia a palavra que o resto concordaria e tudo se resolveria com uma simples ida ao dicionário.
Isto é, para poder ensinar, antes era preciso aprender.
Finalmente, aprendemos. Duas coisas.
A primeira é o fato de todos estarem de acordo não transforma o falso em verdadeiro.
E a segunda é que a sabedoria tende a provocar discórdia, mas a ignorância é quase sempre unânime.
(Artigo escrito por Max Gehringer publicado na Revista VOCÊ SA.)
.
[.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.][.]

.......... Recebi este artigo do meu amigo e Venerável Mestre da Loja Maçônica Aleijadinho, Reginaldo Gusmão. Ele é um frequentador assíduo do galpão da Oficina de Gerência e tem me ajudado muito com sugestões para o aprimoramente do blog. O artigo em si traz a marca do Max Gehringer, todavia eu o coloquei aqui pelo tema central. Trata das eternas discussões de grupos. É uma das maiores forças negativas do mundo corporativo.
.......... As reuniões, formais ou informais, para resolver problemas, são erros fundamentais que os gerentes menos experientes cometem. Bem dizia a Margareth Tatcher, quando cunhou a frase: "O consenso é a negação da liderança". Meio exagerado e muito autoritária, a frase da ex-Primeira-Ministra da Inglaterra, entretanto guarda alguma verdade.
.......... O meu conselho é: "não queiram resolver problemas com reuniões. Além de não solucionar nada ainda vai, de quebra, conseguir mais "sarna para se coçar". Os "espinhos corporativos" não são arrancados por uma junta médica; é o cirurgião-chefe, sozinho ou no máximo com um ou dois auxiliares quem o extrai. Portanto, senhores candidatos a chefes, executivos, controllers etc, fujam da tentação de "partilhar" os problemas. Esses são só do líder ou gerente. Dividir mesmo? Só os bônus, mas isso já uma outra conversa.
.
++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Blogs que me encantam!


..saia justa......† Trilha do Medo ♪....Blogueiros na Web - Ensinando o Sucesso no Blogger e Wordpress!..Emprego Virtual..Blog Ebooks Grátis....http://3.bp.blogspot.com/_vsVXJhAtvc8/ShLcueg5n2I/AAAAAAAACqo/sOQqVTcnVrc/S1600-R/blog.jpg..http://lh6.ggpht.com/_vc1VEWPuSmU/TN8mZZDF9tI/AAAAAAAAIJY/GWQU-iIvToI/banner-1.jpg....Divulgar textos | Publicar artigo....tirinhas do Zé........

Estatística deste blog: Comentários em Postagens Widget by Mundo Blogger

Safernet



FinderFox

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin