23 de ago de 2011

Juíza Patrícia Acioli, um D.Quixote nesse mundo louco e corrompido.


N
ão consigo me conformar com o assassinato da juíza Patrícia Acioli. Eu e tenho certeza, toda a opinião pública do Brasil estamos em estado de choque e mais que indignados. 


A cada dia que leio ou vejo uma nova reportagem sobre a juíza mais me emociono e me apaixono por sua personagem extraordinária. Ela era tudo aquilo que nós, os seres humanos que defendemos o lado certo da sociedade gostaríamos de ser. 
Corajosa, dedicada, estudiosa, defensora dos injustiçados... Era mais ainda, era mãe e dona de casa. Uma personalidade forte, destemida, fascinante e surpreendente. Uma pessoa realmente especial por tudo que dizem dela as pessoas que a conheceram e as histórias que contam sobre seu modo e filosofia de vida.
Pelo que tenho acompanhado na mídia sua personagem lembra muito o grande Dom Quixote de La Mancha.  Com obstinação pelo trabalho e busca incessante pelo ideal da justiça aplicando a lei com rigor, clareza e precisão devia parecer mesmo um D. Quixote nesse mundo louco e corrompido.  Só que foram os moinho de vento que a mataram.
É lamentável que os heróis e heroínas da cidadania sejam vítimas pode-se dizer, indefesas, de seus predadores. São eles os mesmos criminosos que afrontam as leis e contam, como vantagem, com as “benesses” de um sistema corrompido, lento e complacente que os protege com o manto da impunidade. A juíza Patrícia não queria saber de conversa. Era rápida, rigorosa e proferia suas sentenças de acordo as estritas prescrições da lei. Era uma JUIZA com todas as letras e pagou com sua vida por defender a sociedade.
http://3.bp.blogspot.com/_DAMs68hf4ns/S9U3aSvOGyI/AAAAAAAAAa8/DbiuiteOeSM/s400/colan+Don-Quixote-Windmill.gifSeu assassinato não pode cair no esquecimento, não pode sair da mídia, não pode ser tratado como algo comum no mundo da violência urbana. A opinião pública do Brasil exige que esse crime seja descoberto e punido com a mesma presteza e rigor com que ela agia. É o mínimo que a cúpula do sistema judiciário pode fazer depois de ter-lhe negado a proteção sabendo que ela era uma juíza permanentemente ameaçada. Chega às raias do hilário as explicações que dirigentes do poder judiciário estão produzindo quando inquiridos pela absoluta falta de segurança a que foi submetida a juíza Patrícia. Foi uma morte "anunciada". Absurdo! Devem estar todos arrependidos.
De tudo que li sobre a morte de Patrícia Acioli a crônica abaixo, de autoria de RuyCastro, foi a que mais se aproximou do meu sentimento de indignação e revolta pela perda dessa guerreira Jedi, na luta contra o lado negro da força. Não fora pela inteligência e brilho de Ruy Castro até poderia me surpreender, mas não! Um mestre do texto como ele não poderia escrever nada menos que esta mensagem importante que vocaliza o sentimento da opinião publica em relação ao assassinato da Juíza Patrícia. Deve ser lida por todos os brasileiros que se preocupam com a cidadania, com a liberdade e o combate ao crime.
Espero que a memória da Juíza Patrícia Acioli possa receber a homenagem que sua grandeza merece. Nada menos que a prisão e o julgamento rigoroso dos seus assassinos se impõem seja qual for o custo que o Estado venha a arcar. Tenho certeza que a personagem da juíza inspirará livros, reportagens e documentários que irradiarão sua luta e idealismo para as gerações atuais e futuras. Sua vida daria um filme  e seria bem vindo para marcar sua força e coragem.







http://f.i.uol.com.br/folha/ilustrada/images/09042146.jpg
RUY CASTRO


_____________________________________________________________________________
Proteção compulsória

 Em "O Falcão Maltês", o romance de Dashiell Hammett que, em 1930, consagrou a linha de policiais realistas na literatura, Miles Archer, sócio do detetive particular Sam Spade, é assassinado em meio a uma investigação. Spade tinha relações apenas profissionais com Archer. Na verdade, nem gostava muito dele e ainda dava umas voltinhas com sua mulher. Mas a morte do parceiro o obriga a sair para desvendar o crime. "Quando matam o sócio de um detetive, é ruim para os negócios", diz Spade.
Imagine então o assassinato (ou execução) de um juiz. Não é ruim apenas para os negócios da lei, mas para todo o tecido social. É um recado que os bandidos estão mandando para promotores, jurados, juízes e demais envolvidos na comunidade legal: o de que tomem cuidado nos próximos julgamentos.
Na verdade, é um ato quase simbólico porque, no decorrer de um processo, nem tudo deveria ir para a conta do juiz. É a polícia que investiga, o promotor que acusa e o júri que julga. Mas quem conduz os trabalhos, define as sentenças e aplica a lei é o juiz. Do ponto de vista do réu, ele é a palavra final, o martelo fatal, a lei em si.
E, embora a lei seja teoricamente uma só, os martelos podem ser mais leves ou mais pesados. O da juíza Patrícia Acioli, morta a tiros na semana passada em Niterói, estava nessa última categoria -o que a tornava um alvo preferencial de vinganças. A hipótese de ter sido um crime passional, por ciúme, não altera a possibilidade de que seus desafetos um dia a pegassem.
O que espanta é que uma pessoa nas suas condições circulasse tão exposta. Se qualquer deputado marca barbante vive cercado de aspones para lhe carregar a pasta, abrir a porta do carro e protegê-lo à custa do Estado, por que um juiz, tão mais visado, não teria segurança compulsória -mesmo contra a sua vontade- e permanente?


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Blogs que me encantam!


..saia justa......† Trilha do Medo ♪....Blogueiros na Web - Ensinando o Sucesso no Blogger e Wordpress!..Emprego Virtual..Blog Ebooks Grátis....http://3.bp.blogspot.com/_vsVXJhAtvc8/ShLcueg5n2I/AAAAAAAACqo/sOQqVTcnVrc/S1600-R/blog.jpg..http://lh6.ggpht.com/_vc1VEWPuSmU/TN8mZZDF9tI/AAAAAAAAIJY/GWQU-iIvToI/banner-1.jpg....Divulgar textos | Publicar artigo....tirinhas do Zé........

Estatística deste blog: Comentários em Postagens Widget by Mundo Blogger

Safernet



FinderFox

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin