17 DE ABRIL DE 2024 – 4ª FEIRA


FRASE DO DIA

FRASE DO DIA

FRASE COM AUTOR

FRASE COM AUTOR

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Druidas ainda existem até hoje (BBC)




https://blogger.googleusercontent.com/img/b/R29vZ2xl/AVvXsEj0_iSpJfm0MY12Ewso6bHya6OPLp6nPQsSnddYiHvx6s-9V34GAVzJrT7AC6Yp1wNls2ljHMZ9V94MXlw7wEQP7uD9gQLQJOLZiqu8eW9bdlSdyLQeBjYNIBXJrYjnVL_JIsCZ-ujtzHPw/s640/stonehenge480.jpg


E
mbora muita gente possa considerar anacrônico o culto ao druidismo ele existe e está vivo. Naturalmente não é levado a sério pela opinião pública, todavia a história dos Druidas é uma das mais fascinantes que o mundo conhece. Ela está mais atuante nos países inglês (Inglaterra, Escócia e Irlanda) tendo em vista que os druidas eram sacerdotes do que hoje conhecemos como religiões dos povos celtas que com o advento do cristianismo tornaram a ilha inglesa como seu reduto final. 
É lá que está o misterioso e indecifrável "circulo de Stonehenge" cujo mistério continua a ser estudado (e nunca desvendado) até os dias de hoje. Por isso aproveitei a matéria da BBC-Brasil sobre o protesto de um líder druida na Inglaterra que briga com a justiça inglesa contra o que ele considerou uma profanação a Stonehenge. Vejam o vídeo da BBC e pesquisem mais esse mundo fascinante dos Druidas.

https://blogger.googleusercontent.com/img/b/R29vZ2xl/AVvXsEiIlmNnubTi58FpjAEc1dCrjmmRvyvpjQbS3M0l6y8o193EHky9VRjo6vX6PH7_ANFF4RvZLMSD_KpwT2vbpdxHi-lFtA2AWo6pVMK5Dd1F2dahSgzjhU6cXsUqHhXCtr6p_qHouVInNv0z/s320/prosperidad.gif 
Líder druida perde caso contra exumação em Stonehenge 
O líder druida King Arthur Pendragon perdeu nesta terça-feira seu processo na Justiça britânica contra arqueólogos da Universidade de Sheffield. 

https://blogger.googleusercontent.com/img/b/R29vZ2xl/AVvXsEhmvYOpSWTu4wWBfbmf4tNiyhTgMRx5A1qplJCMYQogj1fbbkG6t8LuORAT7QwB2g2cFgyCL30iTA-p2ZqRPwe2AbgrvuEixX58b4ZsS9xIRIubjHkz9S0InjIdhZBwRvhQ7Pwibzixkipv/s200/BBC.bmp
Clique e visite - BBC-Brasil
Ele queria que os cientistas devolvessem restos mortais de quase 50 corpos, exumados em 2008 e datados de cerca de 5 mil anos. O ex-militar, que trocou legalmente seu nome, defende que os corpos permaneçam onde foram enterrados e diz temer que eles nunca sejam retornados. Os estudiosos vão poder estudar os restos até o ano de 2015.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Convido você, caro leitor, a se manifestar sobre os assuntos postados na Oficina de Gerência. Sua participação me incentiva e provoca. Obrigado.