15/10 - DIA DO PROFESSOR

15/10 -  DIA DO PROFESSOR
O Dia dos Professores é comemorado no Brasil anualmente em 15 de outubro. A data foi criada para homenagear esses profissionais que dedicam suas vidas à transmissão do conhecimento e ao desenvolvimento da educação no nosso país. Trata-se de um feriado escolar e não faz parte do calendário oficial como feriado nacional ou ponto facultativo. Portanto, é prerrogativa das escolas não ofertarem aula neste dia. O dia 15 de outubro foi escolhido para comemorar o dia do professor, pois em 15 de outubro de 1827, Dom Pedro I, Imperador do Brasil, decretou uma Lei Imperial responsável pela criação do Ensino Elementar no Brasil (do qual chamou “Escola de Primeiras Letras”), e através deste decreto todas as cidades deveriam ter suas escolas de primeiro grau. A comemoração começou em São Paulo, onde quatro professores tiveram a ideia de organizar um dia de parada para celebrar esta data, e também traçar novos rumos para o próximo ano. Esta data foi oficializada nacionalmente como feriado escolar através do Decreto Federal nº 52.682, de 14 de outubro de 1963. O Decreto define a razão do feriado: "Para comemorar condignamente o Dia dos Professores, os estabelecimentos de ensino farão promover solenidades, em que se enalteça a função do mestre na sociedade moderna, fazendo participar os alunos e as famílias". A nível internacional, o Dia Mundial dos Professores é celebrado anualmente em 5 de outubro.

quarta-feira, janeiro 18, 2012

Mundo da Internet está agitado...


http://2.bp.blogspot.com/-uk0L15HZ2NI/Tw7LT05IVaI/AAAAAAAAGRY/7mWRZWblwxI/s1600/Internet.jpgLeiam abaixo a matéria transcrita do blog "O Filtro" da revista Época sobre o protesto que a Wikipédia está promovendo hoje contra uma lei que está em votação no congresso dos EUA responsabilizando os sites por material ilegal colocado neles por quaisquer usuários.
Esta legislação tem a desaprovação de todos os grandes sites de relacionamento (obviamente) e o apoio das empresas (cinema, música, editoras) que se sentem atingidas pela infinita "liberdade" da internet em circular, cruzar, deslocar, passar e trafegar de tudo que se queira ou pense.
Certamente que os usuários da rede em maciça maioria também rejeitam a legislação que é uma manobra esperta dos setores "copiados" para limitar e quebrar a grande magia da internet que é o livre trânsito de informações e dados.
É um tema polêmico que ainda vai gerar muita discussão na rede. A Wikipédia deu a partida. Leiam e procurem informar-se. Com certeza todos que se utilizam da internet terão que assumir suas posições.

 Logo após a matéria citada fiz uma atualização transcrevendo outro post d'O Filtro informando sobre a adesão de diversos sites ao protesto da Wikipédia. O "agito" está apenas começando e a internet vai esquentar igual àqueles fornos de derreter minérios nas grandes siderúrgicas. É esperar para ver...


Redação Época    
09:23,  17/01/12,

Em protesto contra lei antipirataria, Wikipédia fica fora do ar 

Clique na imagem e visite a página de protesto da Wikipédia. Conheça mais e posicione-se.
Quem tenta acessar o serviço em inglês da Wikipédia desde as primeiras horas desta quarta-feira (18) encontra a tela acima e não consegue buscar nenhum dos milhões de verbetes postados na enciclopédia colaborativa. Nesta quarta, a Wikipédia está fora do ar, cumprindo a promessa feita no dia anterior, quando anunciou um “apagão” de 24 horas para protestar contra as leis antipirataria Stop Online Piracy Act (SOPA) e Protect IP Act (PIPA), que tramitam no Congresso dos Estados Unidos.
O texto na capa do site diz o seguinte:

Imagine um mundo sem conhecimento livre. Por mais de uma década, gastamos milhões de horas construindo a maior enciclopédia da história da humanidade. Neste momento, o Congresso dos Estados Unidos está debatendo uma legislação que poderia prejudicar fatalmente a internet livre e aberta. Por 24 horas, para chamar a atenção sobre o assunto, estamos realizando um apagão na Wikipédia.

Como explicou ÉPOCA em reportagem publicada na terça-feira, os projetos são polêmicos pois responsabilizam os sites por conteúdo ilegal postado por usuários. Na opinião das empresas, os textos incorrem em censura de conteúdo e, por isso, são inaceitáveis.

A SOPA prevê a suspensão de sites e a prisão dos responsáveis por postar conteúdos ilegais por seis meses a cinco anos. A lei poderia diminuir a pirataria na rede e ajude a desmascarar sites que vendem drogas, segundo seus defensores. (…) Em um comunicado oficial, [o fundador da Wikipédia, Jimmy] Wales e outros administradores dizem que as leis podem ter efeitos “devastadores para a web livre e aberta” e que embora o conteúdo publicado na Wikipédia seja neutro, a existência do site não é, por isso as atividades serão suspensas por um dia.

Grandes empresas da internet, como Google, Facebook e Amazon, haviam ameaçado realizar um apagão em protesto às leis, mas até aqui não aderiram à manifestação da Wikipédia. O Google, entretanto, faz uma ação de solidariedade. Em sua página em inglês, o site de buscas escreveu: “Diga ao Congresso: Por favor não censure a rede”. Quem clica na frase vai para uma página com o título “acabem com a pirataria e não com a liberdade”, na qual o Google explica sua posição a respeito dos projetos de lei. Mesmo sem essas grandes empresas da internet, o protesto deve ter um impacto significativo. Cerca de 10 mil sites prometem ficar fora do ar por algumas horas nesta semana.
Nos Estados Unidos, o debate é acirrado pois enquanto as empresas de internet são contrárias às leis, gigantes de outros setores, como a música e o cinema, apoiam os projetos. A Casa Branca anunciou no fim de semana que não apoia os projetos da forma como eles foram redigidos. (José Antonio Lima)

Clique sobre o banner e visite o blog

Sites aderem ao protesto contra leis antipirataria

O protesto online contra dois projetos de lei antipirataria que tramitam nos Estados Unidos, a Stop Online Piracy Act (SOPA), e a Protect IP Act (PIPA), começou com a suspensão das atividades da Wikipédia em inglês e de sites como o Reddit. Ao longo do dia, dezenas de outros sites e blogs participaram da ação, saindo do ar ou colocando tarjas pretas.
O Google colocou uma tarja preta sobre seu logo. O Flickr, site de compartilhamento de fotos, lançou uma campanha para que os usuários coloquem tarjas sobre suas fotos. Na tarde de quarta, mais de 116 mil fotografias haviam sido “censuradas”. O Facebook também participou do protesto, postando em sua página um comunicado em que expõe os motivos pelos quais a rede social é contra as leis. Também na tarde de quarta, quatro dos dez trending topics (os assuntos mais comentados) do Twitter em inglês eram relacionados ao protesto contra as leis.
O site da revista Wired, especializada em tecnologia, “censurou” todas as suas manchetes. Em um artigo, eles explicam o que a lei, da maneira como ela foi redigida, pode fazer:

O procurador-geral dos Estados Unidos terá poder para ordenar aos provedores de internet o bloqueio de sites estrangeiros suspeitos de publicar qualquer material pirateado; ordenar a ferramentas de busca a retirada de sites de seus índices; banir publicidade em sites suspeitos e bloquear pagamentos para sites acusados. Nessas condições, sites baseados nos EUA, como Wikipédia, Tumblr, WordPress, Blogger, Google e Wired podem ser bloqueados.

Atualmente, a SOPA e a PIPA tramitam, respectivamente, na Câmara dos Representantes e no Senado dos Estados Unidos. Têm o apoio de gravadoras, produtoras cinematográficas, emissoras de televisão e editoras de livros, que afirmam que a lei vai proteger os direitos autorais de seus produtos culturais. A votação ainda não tem data para acontecer, mas a Casa Branca anunciou, em um comunicado oficial, que não vai aprovar as leis da maneira como elas foram redigidas. (André Sollitto)

4 comentários:

  1. O sentido maior da web é o compartilhamento. Sem isso, para que internet? A internet é um produto democrático, com acesso a todos. Isso de pirataria é uma grande demagogia, pois jamais acabará e é graças a pirataria que as grandes empresas se tornam grandes. A Microsoft mesmo não seria tão gigante se não existisse a pirataria, pois os produtos são conhecidos através do partilhamento ilegal dos produtos. E sobre filmes e músicas é ainda pior. Como pode a indústria ter a cara dura de produzir um cd de música por centavos e vender por mil vezes mais. Eu tenho 8 mil músicas FLAC e 500 filmes HD e não aceito pagar nenhum real, a não ser que não encontre na rede, o que é quase impossível.
    Viva a pirataria.

    ResponderExcluir
  2. Amigão, é isso ai! Assino embaixo do teu depoimento. Por isso estou divulgando e dando a maior força aos protestos dos grandes sites como a Wikipédia contra a tal lei nos EUA. Na verdade a gente sabe que tal como aqui, lá também é tudo movido na base dos milhõe$$$ espargidos pelos grandes lobbies das indústrias interessadas em acabar com a "concorrência" - legítima - da pirataria. Por falar nisso fiquei muito interessado nos teus 500 filmes HD. Vamos trocar uns e-mails sobre isso? (háháhá...)

    ResponderExcluir
  3. Opa, demorou.
    Vou divulgar a lista no blog e o que você escolher mando o tracker pra ti.
    Prepare os terabytes.
    Abraço

    ResponderExcluir
  4. A de shows já está pronta:
    http://gatoguga.blogspot.com/2012/01/lista-de-shows_248.html

    ResponderExcluir