2 de fev de 2011

Um velho dilema: tarefas ou horários?



[Artigo republicado]
A imagem abaixo é o fac-simile de uma página da Harvard Business Review, edição de fevereiro de 2008. Resolvi publicá-lo pelo tema e conteúdo super atual. 
O título - do artigo- que fala em "geração Y",  refere-se aos nascidos de 1980 em diante. Ou seja, a turma jovem que está - atualmente - se iniciando no mercado de trabalho.
Ninguém pense que é fácil gerenciar tarefas sem se preocupar com horários. Cobrar horas trabalhadas do seu time é a forma mais confortável de gestão. Longe de poder ser classificada como uma atitude de liderança o sistema "cadeira-bunda-hora" (que me desculpem os puristas...) esconde na verdade uma certa incapacidade de transformar o poder e a autoridade do cargo de chefe em reconhecimento de liderança. Obviamente não vamos levar a expressão ao pé da letra. Existem casos e casos. No geral aquele chefe que exige horários de trabalho rígidos e sem flexibilidade (exceção feita às corporações que têm de trabalhar privilegiando as tarefas sem muita preocupação com as "humanidades", por exemplo, os militares) é um lider inseguro que se refugia na autoridade do cargo. É mais fácil punir e demitir do que transformar, ensinar e orientar para os resultados positivos. É fato!
Esse artigo trata desse tema. Vale a leitura.
.
Tarefa sim, horário não:
.
PS: A "janela Tendência Sustentável" ao final do texto não tem nada a ver com ele. Está na página copiada e não foi possível retirá-lo.
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário