15/10 - DIA DO PROFESSOR

15/10 -  DIA DO PROFESSOR
O Dia dos Professores é comemorado no Brasil anualmente em 15 de outubro. A data foi criada para homenagear esses profissionais que dedicam suas vidas à transmissão do conhecimento e ao desenvolvimento da educação no nosso país. Trata-se de um feriado escolar e não faz parte do calendário oficial como feriado nacional ou ponto facultativo. Portanto, é prerrogativa das escolas não ofertarem aula neste dia. O dia 15 de outubro foi escolhido para comemorar o dia do professor, pois em 15 de outubro de 1827, Dom Pedro I, Imperador do Brasil, decretou uma Lei Imperial responsável pela criação do Ensino Elementar no Brasil (do qual chamou “Escola de Primeiras Letras”), e através deste decreto todas as cidades deveriam ter suas escolas de primeiro grau. A comemoração começou em São Paulo, onde quatro professores tiveram a ideia de organizar um dia de parada para celebrar esta data, e também traçar novos rumos para o próximo ano. Esta data foi oficializada nacionalmente como feriado escolar através do Decreto Federal nº 52.682, de 14 de outubro de 1963. O Decreto define a razão do feriado: "Para comemorar condignamente o Dia dos Professores, os estabelecimentos de ensino farão promover solenidades, em que se enalteça a função do mestre na sociedade moderna, fazendo participar os alunos e as famílias". A nível internacional, o Dia Mundial dos Professores é celebrado anualmente em 5 de outubro.

sábado, outubro 24, 2020

Chefes jovens e seus subordinados mais velhos




Com a chamada "Geração Y" ocupando e assumindo espaços gerenciais no mundo corporativo enquanto a turma mais experiente retorna às mesas comuns nos ambientes de trabalho é cada vez mais frequente encontrar setores importantes das corporações com jovens executivos comandando cabeças grisalhas. 
Também não são raros os "conflitos de gerações". Eu mesmo enfrentei alguns, em ambos os lados da mesa e em diferentes situações quando mais jovem e inexperiente e já mais vivido. Não é fácil! Seja para o chefe jovem quanto para o subordinado mais velho e vice versa.
Tudo dependerá de como as partes encaram as situações. Se o chefe é mais velho o processo tende para a naturalidade. O normal é o chefe ser mais velho que os subordinados e as coisas seguem seus cursos normais. 
O problema é quando se dá o inverso; o chefe é jovem e tem subordinados mais experientes sob seu comando. Se esses subordinados são efetivamente experientes não vão ocorrer situações de crise. Eles saberão entender as dificuldades e vão procurar ajudar o jovem líder. Ao contrário que o jovem chefe não respeitar os "cabeças brancas" sob seu comando, terá sob sua batuta problemas sem conta. Esse equilíbrio terá a responsabilidade de ambas as partes, sendo que, pela posição que ocupa o chefe é quem dará o tom dos relacionamentos.
O texto abaixo, da equipe de editores da HSM, consegue resumir bastante bem o pensamento da consultora e escritora Tammy Erickson que tem uma carreira dedicada a pensar e escrever sobre essas relações de trabalho. No artigo são passadas algumas boas dicas para quem vive a situação de ser comandado por alguém mais jovem e menos experiente.
Pela minha vivência concordo cem por cento com o que está escrito e acrescento que nessas circunstâncias o segredo é esquecer que o chefe é mais jovem. Respeite-o e ajude-o como se não existisse diferença de idade. Não procure tirar vantagem e muito menos dar-se ares de superioridade. Será fatal para sua relação com ele e... seu emprego.
Aproveite e aprenda.

Tammy Erickson 
é autora de vários livros ligados aos temas da aposentadoria e dos empregados de gerações anteriores.  Ela é a autora ou co-autora de cinco artigos da Harvard Business Review. Ela entrou na relação dos 50 melhores pensadores globais de negócios no ano de 2011.
http://room4d.files.wordpress.com/2012/11/micromanage.jpg

Chefes jovens e seus subordinados mais velhos

O que os executivos mais velhos podem fazer para facilitar a transição e trabalhar com chefes mais jovens, e vice-versa? 

Leia alguns comentários a esse respeito: 

Seguem duas dicas para executivos mais velhos que possuem chefes mais novos:

1. Descubra como eles gostam de se comunicar e dê o melhor de si para se adaptar a isso. Tenha em mente que os jovens estão mais acostumados a interagir com mensagens. Mensagens em quantidade não devem ser interpretadas como falta de confiança no trabalho e sim como um estilo diferente de comunicação. Eles utilizam menos a comunicação "cara-a-cara". Novamente, não interprete isso como uma diferença pessoal. É uma questão de diferença de geração. 

2. Manifeste reconhecimento e respeito pelo chefe mais jovem. Falta de respeito é uma atitude muito destrutiva e incômoda. Em ambas direções. Lembremos que o profissional mais antigo deve ter mais experiência em uma indústria específica ou função, e que o chefe mais jovem pode trazer novas perspectivas para melhorar a forma como as coisas são feitas. Esteja aberto e, principalmente, manifeste seu espírito de apoio ao diálogo. Já os jovens executivos, quando colocados em funções que os tornam chefes de subordinados que poderiam ser seus pais também podem se sentir estranhos com a situação. 

Seguem duas dicas para os profissionais que se encontram em situação semelhante: 

1. Pergunte bastante. Evite idéias pré-concebidas. É importante fazer perguntas e saber quais as diferentes visões que o grupo possui. 

2. Sinalize o reconhecimento e respeito pelos elementos positivos em relação à forma como "as coisas sempre foram feitas". Evite passar a idéia de que "nada presta". 

Mesmo que seja necessária a mudança, vale a pena entender porque tais coisas sempre foram feitas dessa ou daquela forma. 

Aborde as mudanças como algo a ser adicionado aos esforços realizados no passado. Independentemente do lado que você esteja, não se preocupe em convencer o outro lado que você possui a competência e experiência necessárias para o papel que desempenha. 

Na medida em que você demonstrar na prática, com tato, isso não somente será reconhecido como desenvolverá um relacionamento interpessoal de cooperação mútua. 

As pesquisas mostram que as relações entre executivos que se encontram nessa situação funcionam bem quando realizadas com respeito mútuo e compartilhamento de aprendizado. Qual tem sido sua experiência em relação a esse tema? 


 
Baseado em artigo de Tammy Erickson
Fonte: Harvard Business Online

Tammy Erickson é autora de vários livros ligados aos temas da aposentadoria e dos empregados de gerações anteriores.  Ela é a autora ou co-autora de cinco artigos da Harvard Business Review. Ela entrou na relação dos 50 melhores pensadores globais de negócios no ano de 2011.

Nenhum comentário:

Postar um comentário