18 de ago. de 2020

Novo Chefe, Nova Vida

Está mudando de local de trabalho? Vai ocupar uma função de confiança de terceiro escalão, por exemplo?

Está indo para outra empresa ou outro departamento na mesma organização? Ou seja, a pergunta é: vai mudar de chefe?

Se a resposta for sim, continue lendo o artigo. Se for não, também permaneça firme na rota porque, quem sabe... nada é permanente nessa vida e seu chefe poderá estar mudando a qualquer momento, não é mesmo?
  
Se você for um “macaco velho”, ou seja, daqueles que já pularam de galho em galho e já estão calejados, sabendo escolher onde podem se agarrar para não cair, não tenho nada a lhes dizer. Podem parar por aqui ou me darem o prazer de continuar lendo e atualizarem suas “técnicas de sobrevivência” na selva corporativa.


http://2.bp.blogspot.com/-IxbPEzh-xDQ/UcXY19H1CAI/AAAAAAAACe8/JKE7cj4JxfQ/s1600/Entrevista+de+emprego+5_thumb%5B2%5D.jpg

Primeira providência no novo trabalho: a montanha vai a Maomé ou Maomé à montanha? Você se apresenta ao novo chefe ou espera ele lhe chamar?

Pode ocorrer, também, outra situação constrangedora para você que está chegando na corporação, como seja, ser chamado pelo chefe do chefe primeiro do que pelo próprio chefe. Hum! Que confusão! Mas acontece. 

Já ocorreu comigo mesmo. Em determinada ocasião cheguei no novo setor e já conhecia o presidente e ele – foi quem fez o convite para o meu novo emprego – me chamou para conversar antes que eu pudesse me apresentar ao meu novo chefe. Mas esse é um lance fora do comum. Saia justa se o novo chefe for do tipo ciumento. Reze para não acontecer.

Resposta de experiência: não espere o chefe lhe chamar. Assim que chegar e se possível até antes de assumir – desde que o emprego esteja confirmado – vá até à secretária (ou chefe de gabinete) e peça para falar com ele. Não perca tempo! No primeiro dia, antes mesmo de arrumar sua mesa, se apresente ao comandante. Se tiver que esperar deixe registrado que o procurou. É importante que ele e os colegas saibam que o chefe é a sua prioridade de atenção. Se alguém lhe fizer bullying não se incomode. Faz parte do jogo. Você cumpriu com o ritual do poder.

Outra situação importante. A primeira reunião de coordenação com a equipe... e o chefe. O time inteiro vai estar de olho em você. O chefe, provavelmente, também. Depende de como você chegou até o time dele. Ele lhe aceitou ou você foi “imposto”, do tipo “indicação política”? Entrou no lugar de alguém querido da equipe? Se sim, prepare-se para enfrentar o matagal, a selva, a “jungle”. Enfim, a primeira reunião é um teste importante. O melhor a fazer é fingir-se de morto. Falar o mínimo possível, ouvir muito e anotar tudo que lhe passar na cabeça.

Qualidade de vida no trabalho: por que a empresa deve se preocupar ...São nas chamadas reuniões de coordenação, também chamadas de reuniões gerais que as feras ficam soltas. Nelas você, se estiver atento, vai conhecer “quem desempenha o papel de estrela e quem faz estrelinha no papel”. Quem são os predadores? Quem são as vítimas? E principalmente ,quem está no topo da cadeia alimentar? Tudo isso aparece numa reunião de coordenação geral. E sendo a sua primeira, você estará à mercê das feras. Salto triplo carpado de trapézio, sem rede. Um único conselho para esse contexto: saia ileso, vivo, sem ferimentos.

Erros comuns dos iniciantes:
  • Querer mostrar serviço, aparecer, mostrar que chegou chegando.
  • Não se preparar para perguntas surpresas sobre os assuntos corriqueiros do trabalho ou imprevistas, do tipo “qual a importância do seu trabalho para o melhor resultado da equipe?”. Acha improvável? Tem chefe que adora colocar um novato na saia justa. Esteja preparado.
  • Nas reuniões ou ambientes informais, sentar-se muito próximo aos primeiros escalões da mesa. Sim senhor, as mesas de reuniões formais ou não têm suas hierarquias invisíveis. Quanto mais perto da cabeceira ou do chefão, mais importância e mais “bafo do poder”. 
  • E o óbvio. Não emita opinião sobre nada nos primeiros dias. Qualquer coisa que disser será objeto de comentários. Não socialize com um grupo só e fuja dos convites para "happy hours" com bebidas alcoólicas.
Para ilustrar o tema, transcrevi abaixo um antigo artigo que achei no “baú de antiguidades” da Oficina de Gerência. Título: “O dono da mesada". Recebi-o por e-mail e não sei a origem. Só ficou o nome da presumida autora - Fernanda Lima - que não consegui localizar no Google. De qualquer maneira fica o crédito. Quem localizar, por favor, avise-me.
(autor: Herbert Drummond)


O dono da mesada  
(de Fernanda Lima)

Uma breve lista de cuidados para quem 

ingressa no mercado de trabalho e vai

enfrentar aquela figura temida: o chefe 


A
 chegada ao mercado de trabalho é feita por uma sucessão de sustos. O maior, dizem os analistas, está ligado ao primeiro contato com ele: o chefe. O jovem aprendeu a romper a barreira do medo que o distanciava do pai e da mãe e passou a enfrentá-los em diversas ocasiões. Em seguida, descobriu uma fórmula para tratar de igual para igual o professor (e também passou a confrontá-lo). Na universidade, chegou até mesmo a participar de abaixo-assinados pedindo o afastamento de alguns deles. Com o chefe, que será uma figura essencial na vida do jovem profissional, a relação se dá em outro patamar. Segundo os especialistas em recursos humanos, a melhor forma de lidar com ele é conhecer algumas regras básicas de conduta. Cinco das principais são:
 
1.    Tratamento – Respeito tem limite. Nunca chame seu chefe imediato de senhor, ainda que a diferença de idade entre os dois seja muito grande. A formalidade denota desconhecimento das regras de convívio no local de trabalho. Guarde o tratamento pomposo apenas (e se for o caso) para o presidente da companhia.  

2.    Perguntas – Quem recebe uma missão do chefe jamais pode deixar a sala dele com dúvida. Em outras palavras, pergunte tudo a respeito da tarefa. Fazer isso significa demonstrar interesse pelo trabalho. Não há pior funcionário do que aquele que finge estar esclarecido, mas depois comete erros que poderiam ser evitados com uma pergunta a mais. "Quando tenho dúvidas, não penso duas vezes e procuro o chefe", diz o engenheiro paulista Leandro Solano Fariello, 23 anos, trainee da Rhodia. "Eles recebem treinamento para orientar os trainees." 


3. Bronca – As pessoas costumam fazer uma leitura equivocada a respeito da bronca. A repreensão pode ser um grande sinal de que o chefe quer melhorar o desempenho do profissional de sua equipe. "Quando o chefe não chama para o diálogo ou não cobra, é porque o profissional está passando despercebido", afirma Rosilene Chebilli, sócia da empresa de recrutamento e orientação para gestão de carreira Solução Recursos Humanos, em Belo Horizonte.

4.    Mau humor – O funcionário não pode querer que o chefe esteja à sua disposição. Ele precisa ter sensibilidade para identificar sua variação de humor. Se ele parece aborrecido ou irritado, só o procure quando não houver alternativa.

5.     Aumento – É difícil encontrar alguém satisfeito com o salário. Quem quer ganhar mais deve tocar no ponto diretamente. Só se recomenda um cuidado: antes de abordar o assunto, analise friamente se a qualidade de seu trabalho autoriza o pedido ou se esse é apenas o desejo de quem se sente no direito de ganhar mais. Se for o segundo caso, poupe-se de ouvir não.
    

Um comentário:

  1. uy không tán thành hành động của Du Hiểu Hạm, nhưng Quan An Tĩnh vẫn có thể đoán được ít nhiều nguyên nhân ho đào tạo tiếng anh
    trung tâm đào tạo tiếng anh
    giày thể thao
    cửa hàng giày thể thao
    luyện thi toeic
    tiếng anh cho người đi làm
    tiếng anh cho người mới bắt đầu a hậu Du trở thành người như hiện nay. Nếu như không phải vì không chiếm được Nghiêm Dịch, cô ta cũng không thành ra nông nổi này. Nếu cô đã giành được toàn thắng trong trận đánh này, thế thì sao cô còn phải tức giận vì đối thủ đã bị đánh bại?
    H

    ResponderExcluir