30 de set. de 2020

Morre o cartunista Quino, criador da célebre personagem Mafalda



 

Clique no logotipo
O cartunista argentino Quino, criador da célebre personagem Mafalda, morreu em 30 de setembro de 2020. O artista gráfico estava com 88 anos. Segundo a imprensa, ele teria sofrido um Acidente Vascular Cerebral (AVC).

Joaquín Salvador Lavado Tejón nasceu na província de Mendoza, em 1932. Filho de imigrantes espanhóis da Andaluzia, ele começou a desenhar ainda na infância. Ele chegou a fazer Faculdade de Belas Artes, mas abandonou o curso em 1949 para se dedicar aos quadrinhos.

No início, ele encontrou dificuldades para encontrar trabalho no ramo das artes gráficas. Depois de prestar o serviço militar obrigatório, estabeleceu-se em Buenos Aires em 1954. No mesmo ano, ele começou a colaborar com diversas revistas de humor. "Mundo Quino", a primeira coletânea com suas tiras, foi publicada em 1963.

Mafalda, sua personagem mais famosa, surgiu inicialmente para ser utilizada em uma campanha publicitária que foi cancelada antes mesmo de ser veiculada. Em 1964, Quino reformulou a ideia e a tira estrelada pela menina começou a ser publicada regularmente na imprensa argentina a partir daquele ano. Mafalda é uma criança contestadora e rebelde que se preocupa com a paz mundial e as grandes questões da humanidade.

Nos quadrinhos, Mafalda frequentemente incomoda os adultos com suas perguntas sobre as injustiças do mundo. Outra marca registrada da menina é seu ódio por sopas. A tira aborda a convivência da menina com seus pais e amigos, como Felipe e Manolito. A obra principal de Quino extrapolou as fronteiras da Argentina, fazendo muito sucesso na América Latina e em alguns países da Europa.

Na década de 1970, Mafalda foi adaptada para os desenhos animados. Em 1973, Quino pôs fim à tira, alegando que suas ideias haviam se esgotado. Nos anos 80, Mafalda estrelou campanhas da Unicef e dos Direitos Humanos. Ao todo, a personagem apareceu em 1.928 tiras, que continuam a ser republicadas em forma de coletânea. 

A partir de 1976, o cartunista se exilou por um tempo em Milão, na Itália onde continuou a trabalhar com humor gráfico. Nos anos seguintes, manteve a tradição de criar histórias com tom político para jornais de vários países. Recentemente, havia voltado a morar em Mendoza, após a morte da esposa, em 2017. 





Nenhum comentário:

Postar um comentário