23 de abr de 2012

Geração Y está se ajustando à realidade do mundo em que vive. (Época)

Imagem extraída da revista Galileu


Ao ler essa matéria na revista Época resolvi trazê-la para o blog. Tudo que se refere à Geração Y tem interessado - desde que surgiu esse novo conceito - a todos os pesquisadores e estudiosos das coisas do mundo corporativo. É Geração Y prá lá, "Geração X" prá cá e já tem até "Geração Z" na parada (veja figura abaixo).

Pois bem, a grande marca da "Geração Y" que é a turma que está predominando como força motriz no mercado de trabalho atualmente (idade entre 30 a 18 anos) era a inquietação com a carreira pessoal sem preocupação com a carreira na empresa, a quebra dos paradigmas tradicionais da gerência e uma elevada autoestima que se confundia com a arrogância dos jovens. Na verdade as organizações estão (ou estavam?) procurando adaptar-se aos hábitos dessa galera. Afinal de contas eles serão o futuro das empresas.
Por isso fiquei surpreso quando li o artigo que a Época publicou em seu último número. A respeitada empresa PricewaterhouseCoopers (PWC)  fez uma pesquisa recente em 75 países, incluindo o Brasil, que deu sinais de alterações significativas no comportamento corporativo da Geração Y. O grupo, antes tão exigente com os benefícios que as empresas lhes ofereciam para não mudar de emprego, mostra-se agora em tempos de vacas magras para seus empregadores mais propensos a aceitar reduções em suas condições de permanência nas organizações.
Sem dúvidas que é uma notícia importante para o mundo corporativo. Afinal de contas a crise é de todos e para todos. Vamos acompanhar esse assunto bem de perto. Por isso recomendo a leitura da reportagem abaixo e ao final cliquem no link laranja para conhecer outra excelente matéria que coletei na revista Galileu sobre o mesmo assunto.
Assistam ao vídeo e leiam com atenção o resumo da pesquisa no quadro "As marcas de Uma Geração Antenada".
Clique no logotipo e visite o homesite

Eles caíram na real 

Acostumados a mimos e salários atraentes, os jovens ajustaram suas expectativas diante da crise financeira global

LUCIANA VICÁRIA (TEXTO), MARCO VERGOTTI, RODRIGO FORTES, GERSON MORA E ALEXANDRE LUCAS (GRÁFICO)

A geração do milênio, formada por quem nasceu a partir da década de 1980, começou a carreira de forma atípica. Eles tiveram boa educação e deram a sorte de entrar no mercado num momento favorável, com empresas dispostas a pagar benefícios raros a iniciantes e salários bem acima da média, incluindo bônus, premiações e horários flexíveis de trabalho. “Era a única forma de reter essa turma tão disputada”, afirma João Lins, da consultoria PricewaterhouseCoopers (PWC).  Não mais. 
Com os desdobramentos da crise financeira global, o mercado cortou os excessos. A oferta de vagas diminuiu, e a nova geração teve de fazer concessões, mostra uma pesquisa inédita da PWC. Ela compara dados de 2011 com os de 2008, antes da crise. O levantamento foi feito em 75 países, entre eles o Brasil. Trabalhadores americanos e europeus foram os que mais perderam benefícios. Boa parte dos jovens (32%) diz que aceita ganhar menos do que supõe merecer e 15% topam trabalhar em empresas distantes de sua residência, algo pouco comum há cerca de três anos.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Blogs que me encantam!


..saia justa......† Trilha do Medo ♪....Blogueiros na Web - Ensinando o Sucesso no Blogger e Wordpress!..Emprego Virtual..Blog Ebooks Grátis....http://3.bp.blogspot.com/_vsVXJhAtvc8/ShLcueg5n2I/AAAAAAAACqo/sOQqVTcnVrc/S1600-R/blog.jpg..http://lh6.ggpht.com/_vc1VEWPuSmU/TN8mZZDF9tI/AAAAAAAAIJY/GWQU-iIvToI/banner-1.jpg....Divulgar textos | Publicar artigo....tirinhas do Zé........

Estatística deste blog: Comentários em Postagens Widget by Mundo Blogger

Safernet



FinderFox

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin