20 de jan de 2012

Mémória, não descuide dela. É uma ferramenta poderosa no mundo corporativo.

http://2.bp.blogspot.com/-xbLH_qDgF88/Tw8rT14ApoI/AAAAAAAAATU/1JUaAW16iZA/s1600/memoria-tagcloud1.jpg 
Quem nunca teve aqueles pequenos lapsos de memória que nos traem de vez em quando e nas piores horas? Esses, se é que existem que atirem a primeira pedra. Por isso mesmo quando bati o olho nessa reportagem da revista Saúde não tive dúvidas em compartilhá-la com os amigos e visitantes do blog.
Nas funções que exercemos ao longo da vida, principalmente em posições de gerência, a memória é uma ferramenta  importante, magnífica e notável. Com certeza é um instrumento que apoia o exercício da autoridade por quem a tem e usa de forma eficiente e eficaz.
Homens e mulheres com o "dom da memória" são mais respeitados, reconhecidos e principalmente requisitados. E quanto mais memória têm mais poder exercem. Dai a importância de saber tudo que for possível sobre ela. Embora não seja um tópico dos mais conhecidos na medicina e na ciência sabe-se o bastante para que todos procurem preservá-la como um tesouro da saúde. 
Alguém sem memória respeitável é um marginal na sociedade. Passa a ser desconsiderado e desvalorizado no mundo corporativo. E por favor, não me venham dizer que estou exagerando ou sendo rigoroso nessas afirmações.
O artigo da revista traz sete dicas valiosas sobre o assunto e principalmente uma série de informações colaterais que todos devemos conhecer.
Dois pequenos trechos para despertar a curiosidade da leitura:
  • [...] "Um dos caminhos mais indiscutíveis para manter as recordações intactas é ler e estudar. "A memória mantém-se graças ao uso. E a leitura é uma forma de exercitá-la. Quem não tem esse hábito apresenta maior probabilidade de desenvolver problemas cognitivos no futuro" [...]
  • [...] "A tristeza que não tem hora nem dia para chegar ao fim acelera o apagão mental. "O indivíduo deprimido começa a dar ênfase às recordações ruins", explica Ivan Izquierdo. Além disso, hormônios como serotonina e noradrelina, envolvidos na química do lembrar, deixam de atuar como deveriam." [...]
Clique no logotipo e visite o site

7 atitudes para não perder a memória
.
Telefones, endereços, datas de aniversário, senhas... Somos obrigados a registrar um número cada vez maior de dados. Confira como algumas ações podem turbinar nossa capacidade de recordar os fatos. (por Manoel Gomes) • (design e ilustração Ana Paula Megda)
A americana Jill Price, 45 anos, não é uma pessoa comum. Assim como um super-herói, ela nasceu com uma habilidade mais do que especial: a de se lembrar de tudo que acontece na sua vida desde que tinha 14 anos. E, quando diz que se recorda de todos os fatos, ela está falando desde o que comeu durante o café da manhã, passando pelas principais manchetes do dia, até chegar às pessoas com quem conversou antes de dormir.

Quem pensa que Jill gosta desse seu poder fora do normal está redondamente enganado: ela nunca teve o direito de se esquecer das brigas e dos erros que cometeu. Depois de algum tempo convivendo com esse problema, resolveu procurar especialistas da Universidade da Califórnia, que, deparando-se com uma doença totalmente inédita, começaram a estudá-la e batizaram- na de síndrome hipertiméstica.

Esse é um lado muito raro da moeda. A outra face, essa sim bem conhecida, são as falhas na memória, ou aqueles momentos em que você simplesmente não se lembra mais de uma informação que procura em seu arquivo cerebral. E, quando a idade avança, esses brancos se tornam mais frequentes. Porém, pesquisas recentes conseguem encontrar maneiras de proteger as recordações e atrasar os famosos lapsos que acontecem vez ou outra — ou até mesmo acabar com eles. Para preveni-los, é preciso começar bem cedo: quanto antes a gente adotar esse manual, maiores são as chances de escapar desse perrengue.

Um estudo da Universidade da Califórnia, a mesma que acompanha a trajetória de Jill, constata que mais da metade dos casos de Alzheimer, doença que apaga as lembranças, poderia ser evitada com atitudes simples. Além disso, deletar um desses sete fatores do dia a dia já seria capaz de diminuir em 25% o risco de desenvolver o mal dos anos grisalhos. Veja a seguir nossas recomendações.

1. Exercitar o cérebro
http://3.bp.blogspot.com/-CeNc8TYTyDw/TvN7LG11ELI/AAAAAAAAAcI/UPnLMCoqW6g/s1600/gin%25C3%25A1stica%2Bcerebral.pngUm dos caminhos mais indiscutíveis para manter as recordações intactas é ler e estudar. "A memória mantém-se graças ao uso. E a leitura é uma forma de exercitá-la. Quem não tem esse hábito apresenta maior probabilidade de desenvolver problemas cognitivos no futuro", garante o neurocientista Ivan Izquierdo, diretor do Centro de Memória da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Indivíduos que passam mais tempo na escola ficam com a mente blindada. Nessa gente, o cérebro guarda mais informações e consegue lidar melhor com uma eventual perda de neurônios, o que é bastante natural com o passar do tempo. De acordo com a pesquisa da Universidade da Califórnia, 19% dos casos de Alzheimer acontecem em razão do combo pouca leitura e aprendizado escasso. "Ler massageia a memória e é um grande exercício intelectual", completa Izquierdo.

2. Malhar
O exercício tem um impacto positivo incontestável no nosso organismo. E, para nossa capacidade de recordar continuar a toda, ele é mais do que um aliado. Principalmente porque tem uma ação direta no nosso grande HD. "Fazer algum esporte aumenta o número de neurônios no hipocampo, região responsável por armazenar a memória", atesta a neurologista Sônia Brucki, do Departamento Científico de Neurologia Cognitiva e do Envelhecimento da Academia Brasileira de Neurologia, em São Paulo. Andar, correr, pedalar ou nadar também contribui para diminuir riscos cardiovasculares e faz com que o praticante adote um estilo de vida mais saudável. Além disso, a atividade física catapulta os níveis de uma substância conhecida como neurotrofina. "Ela é produzida pelo sistema nervoso central e reduz a morte programada de neurônios", explica o neurologista Mauro Muszkat, coordenador do Núcleo de Atendimento de Neuropsicologia Infantil Interdisciplinar da Universidade Federal de São Paulo. Esse protetor natural também estende a longevidade das células nervosas, um ponto positivo para salvar nossos arquivos mais do que pessoais.

3. Domar o diabete
Prevenir a doença do sangue doce pode trazer benefícios que vão além de preservar a memória. É sabido que pessoas com sobrepeso correm mais risco de desenvolver o tipo 2 do mal, que gera resistência à insulina, o hormônio responsável por colocar a glicose para dentro das células. Sem ela, o corpo acaba sem energia para trabalhar e se manter ativo. Daí, com a ausência de combustível para a labuta, os neurônios ficam fracos, fracos, o que pode resultar em lembranças deletadas. Por isso a necessidade de manter a glicemia dentro dos conformes.

4. Parar de fumar
http://www.institutoarmstrong.com.br/blog/wp-content/uploads/2010/09/fumar_nao1.jpgEntre outros distúrbios, o tabaco também pode afetar a forma como guardamos os fatos. Quem fuma fica mais suscetível a desenvolver problemas no sistema circulatório, como a aterosclerose. Nessa doença, as artérias sofrem uma inflamação e, com isso, placas de gordura grudam em suas paredes. Com o andar da carruagem, elas se calcificam, diminuindo o calibre dos vasos. Dessa forma, o cérebro recebe menos sangue e uma menor quantidade de oxigênio e nutrientes. O coitado, então, pena para desempenhar suas funções, como a de lembrar. "O cigarro também é produtor de neurotoxinas e radicais livres que causam danos aos neurônios", acrescenta o gerontólogo Ivan Aprahamian, pesquisador do Laboratório de Neurociências do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo.

5. Perder ou manter o peso
Para aqueles que estão com as medidas ideais, ficar de bem com a balança é a pedida certa. Já para as pessoas que estão exagerando à mesa, maneirar na comida também pode melhorar, em longo prazo, a sua capacidade de não esquecer. Para ajudar nesse processo, alguns pratos são indicados pelos especialistas. "Alimentos ricos em vitaminas e compostos antioxidantes são importantes para preservar a memória", garante Ivan Aprahamian. Entre as mais indicadas estão verduras, frutas e legumes. A carne de peixe, as frutas secas, o azeite de oliva e o vinho tinto também são uma boa opção. Além disso, comidas saudáveis são importantes no controle do colesterol e, claro, para o funcionamento de nosso coração. Indivíduos com quilos a mais desenvolvem resistência à leptina, uma substância que é fabricada no tecido adiposo e que tem como principal função informar ao nosso organismo se precisamos comer mais. Essa substância tem outra incumbência: proteger os neurônios e processar as lembranças no hipocampo. Se esse hormônio não trabalha direito, o esquecimento passa a ser uma palavra constante no linguajar dos sedentários.

6. Controlar a pressão
A hipertensão não só fustiga o peito: ela, mesmo que indiretamente, passa a borracha nas rememorações mais íntimas. O estrago se assemelha ao do cigarro. "As alterações vasculares diminuem o fluxo sanguíneo, o que acarreta menos oxigênio e nutrientes para as células responsáveis pela memorização", explica Sônia Brucki. Por isso, monitorar e sempre manter a pressão arterial no patamar de 12 por 8, recomendação da Sociedade Brasileira de Cardiologia, também auxilia a resguardar a massa cinzenta.

7. Fugir da depressão
http://eduardocarvalho.net/wp-content/uploads/2011/10/depressao-quadrinho.gifA tristeza que não tem hora nem dia para chegar ao fim acelera o apagão mental. "O indivíduo deprimido começa a dar ênfase às recordações ruins", explica Ivan Izquierdo. Além disso, hormônios como serotonina e noradrelina, envolvidos na química do lembrar, deixam de atuar como deveriam. "Pode acontecer uma queda de estimuladores da memória no cérebro e, em algumas pessoas, o encolhimento do hipocampo, local onde ela se concentra", avalia Ivan Aprahamian. Também ocorre uma diminuição da neurogênese, quando surgem células nervosas zero-quilômetro. Por fim, a importância que o depressivo dá ao esquecimento pode piorar ainda mais o panorama. "Muitas vezes, há supervalorização de uma reles falha de memória", diz Sônia Brucki. E, como em um efeito cascata, isso só fomenta mais e mais lapsos.

O Google e nossas lembranças
O acesso à internet mudou a forma como armazenamos informações, segundo um estudo da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos. É que a facilidade de pescar qualquer tipo de dado na rede de bits e bytes faz com que nosso cérebro se torne mais preguiçoso. Em vez de reter o nome de um artista, por exemplo, a massa cinzenta tende a memorizar o endereço do popular site de busca onde é possível fisgar essa e outros milhares de curiosidades.

Não se esqueça!
- As estimativas sugerem que o número de casos de Alzheimer triplicará nos próximos 40 anos — hoje, 33,9 milhões de pessoas no mundo têm o problema, uma das formas mais comuns de perda de memória
- Adultos com sobrepeso tendem a desenvolver, na maturidade, problemas cognitivos com maior frequência

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Blogs que me encantam!


..saia justa......† Trilha do Medo ♪....Blogueiros na Web - Ensinando o Sucesso no Blogger e Wordpress!..Emprego Virtual..Blog Ebooks Grátis....http://3.bp.blogspot.com/_vsVXJhAtvc8/ShLcueg5n2I/AAAAAAAACqo/sOQqVTcnVrc/S1600-R/blog.jpg..http://lh6.ggpht.com/_vc1VEWPuSmU/TN8mZZDF9tI/AAAAAAAAIJY/GWQU-iIvToI/banner-1.jpg....Divulgar textos | Publicar artigo....tirinhas do Zé........

Estatística deste blog: Comentários em Postagens Widget by Mundo Blogger

Safernet



FinderFox

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin