19/10 - DIA INTERNACIONAL DE COMBATE AO CÂNCER DE MAMA

19/10 - DIA INTERNACIONAL DE COMBATE AO CÂNCER DE MAMA

segunda-feira, junho 14, 2021

Mutação, variante e cepa: entenda o significado de cada um dos termos.

 


Você já conhece tudo que precisa sobre a COVID 19? Aposto que não. Hoje, torna-se necessário a todos nós, que conheçamos tudo que for possível sobre esse vírus que devasta a humanidade em todo o planeta. 

Saber tão somente o número de mortos, de vacinados, de média móvel e tantos outros termos que estão diariamente em todas as mídias não é suficiente. A informação é uma das armas mais poderosas que a humanidade dispõe para enfrentar esse inimigo tão poderoso.

Encontrei na revista Galileu um excelente artigo que responde bem a essa necessidade que se impõe. É um texto técnico sim, mas escrito em linguagem plenamente compreensível, para leitores leigos, explicando o que significam mutação, variante e cepa, hoje em dia assuntos de todas as conversas sobre a pandemia.

Espero que o conteúdo atenda sua demanda pela busca de informações gerais sobre o COVID-19.  Se quiser ampliar seu conhecimento, consulte o  Google que já acumula mais de cinco bilhões (5.020.000.000)  de links.

Boa leitura.                         

Clique aqui para visitar a home page

Mutação, variante e cepa: entenda o significado de cada um dos termos

O vocabulário científico se popularizou durante a pandemia — mas algumas palavras ainda causam confusão entre leigos. Saiba como usá-las

LARA HERRERO E EUGENE MADZOKERE*

Mutação, variante e cepa: entenda o significado de cada um dos termos (Foto: NIH/NIAID)

A convivência com uma pandemia global no ano passado fez com que todos nós expandíssemos nosso vocabulário. Agora entendemos termos como EPI [equipamento de proteção individual], distanciamento social e rastreamento de contato.

Mas quando pensamos que talvez tenhamos domínio sobre a maior parte da terminologia, nos deparamos com outro conjunto de novas palavras: mutaçãovariante e cepa.

Então, o que eles significam?

O material genético do Sars-CoV-2, o coronavírus que causa o Covid-19, é denominado ácido ribonucléico (RNA). Para se replicar e, portanto, estabelecer a infecção, o RNA do Sars-CoV-2 deve sequestrar uma célula hospedeira e usar a maquinaria da célula para se duplicar.

Erros geralmente ocorrem durante o processo de duplicação do RNA viral. Isso resulta em vírus semelhantes, mas não em cópias exatas do vírus original. Esses erros no RNA viral são chamados de mutações, e os vírus com essas mutações são chamados de variantes. As variantes podem diferir por uma ou várias mutações.


Nem todas as mutações têm o mesmo efeito. Para entender isso melhor, precisamos entender os fundamentos do nosso código genético (DNA para humanos; RNA para Sars-CoV-2). Esse código é como um projeto sobre o qual todos os organismos são construídos. Quando uma mutação ocorre em um único ponto, ela não muda necessariamente nenhum dos blocos de construção (chamados de aminoácidos). Neste caso, não mudará a forma como o organismo (humano ou vírus) é construído.

Ocasionalmente, porém, essas mutações únicas ocorrem em uma parte do RNA do vírus que causa uma mudança em um bloco de construção específico. Em alguns casos, pode haver muitas mutações que, juntas, alteram o bloco de construção.

Uma variante é chamada de cepa quando mostra propriedades físicas distintas. Simplificando, uma cepa é uma variante que é construída de maneira diferente e, portanto, se comporta de maneira diferente em relação ao vírus original. Essas diferenças de comportamento podem ser sutis ou óbvias.

Por exemplo, essas diferenças podem envolver uma ligação variante a um receptor de célula diferente, ou uma ligação mais forte a um receptor, ou uma replicação mais rápida, ou uma transmissão mais eficiente, e assim por diante.

Essencialmente, todas as cepas são variantes, mas nem todas as variantes são cepas.

Variantes comuns (que também são cepas)
Três das variantes mais comuns do Sars-CoV-2 são as que conhecemos como a variante do Reino Unido (B.1.1.7), a variante da África do Sul (B.1.351) e a variante do Brasil (P.1). Cada uma contém várias mutações diferentes.

Vejamos a variante do Reino Unido como exemplo. Essa variante possui um grande número de mutações na proteína spike, que auxilia o vírus em seu esforço para invadir células humanas.

Acredita-se que o aumento da transmissão da variante do Reino Unido esteja associada a uma mutação chamada N501Y, que permite que o Sars-CoV-2 se ligue mais facilmente ao receptor humano ACE2, o ponto de entrada do Sars-CoV-2 para uma ampla gama de humanos células.

Essa variante agora está disseminada em mais de 70 países e foi recentemente detectada na Austrália.

Embora geralmente a chamemos de "variante do Reino Unido" (o que é), também é uma cepa porque exibe comportamentos diferentes da cepa parental.

Temos muito mais para aprender
Existe uma confusão sobre a melhor forma de usar esses termos. Dado que todas as cepas são variantes (mas nem todas as variantes são cepas), faz sentido que o termo variante seja mais comum. Mas quando a ciência mostra que essas variantes se comportam de maneira diferente, seria mais correto chamá-las de cepas.

Felizmente, a Organização Mundial da Saúde e os departamentos de saúde da Austrália parecem estar usando os termos corretamente no contexto da Sars-CoV-2.

A grande pergunta que todos estão fazendo no momento é como as novas variantes e cepas afetarão a eficácia de nossas vacinas contra a Covid-19.

A comunidade científica está descobrindo mais informações sobre mutações, variantes e cepas emergentes o tempo todo, e os principais desenvolvedores de vacinas estão testando e avaliando a eficácia de suas vacinas sob essa luz.

Algumas vacinas recentemente licenciadas parecem proteger bem contra a variante do Reino Unido, mas dados recentes da Novavax, Johnson & Johnson e Oxford/AstraZeneca indicam uma possível proteção reduzida contra a variante sul-africana.

As autoridades de saúde da África do Sul interromperam recentemente o lançamento da vacina Oxford/AstraZeneca por esse motivo. No entanto, é muito cedo para dizer que impacto, se houver, isso terá em outros planos de vacinas.

Lançamentos de vacinas avaliarão todas as informações à medida que vierem à tona e garantirão a proteção ideal disponível para a população.

  • Para ler na página original da Galileu, clique aqui. 
  • As ilustrações no corpo do texto, exceto a inicial, não fazem parte do artigo; foram inseridas pela produção da Oficina de Gerência.

* Lara Herrero é pesquisadora-líder em Virologia e Doenças Infecciosas na Universidade Griffith, na Austrália. Eugene Madzokere é candidato ao PhD em Virologia na mesma instituição. O texto foi publicado originalmente em inglês no The Conversation.



Nenhum comentário:

Postar um comentário