21 de nov. de 2020

"Yubo" - Já ouviu falar dele? Saiba o que é.

Uma das funções da Oficina de Gerência é buscar novidades na Internet que possam despertar o interesse dos visitantes e leitores. Nessa linha coloquei na barra lateral do blog um widget do "Administradores.com" que traz os links de artigos, matérias e reportagens desse portal que é, sem favor, o melhor de sua área na internet brasileira.

Gostei da matéria que informa sobre uma nova rede social, a "Yubo", que está crescendo rapidamente e traz uma série de novidades para o público adolescente acima dos 13 anos. Vale a pena conhecer e explorar.

Clique aqui para visitar o site

Conheça a startup que pode ser a próxima sensação das redes sociais

Com 40 milhões de cadastrados, a plataforma permite que você aproveite o seu tempo em salas de transmissões ao vivo

Na França, uma nova startup tem despertado o interesse de investidores que estão em busca do próximo grande aplicativo de redes sociais. É o Yubo, app criado com foco principal nas pessoas com menos de 25 anos e que querem fazer novos amigos. Com 40 milhões de cadastrados, a plataforma permite que você aproveite o seu tempo em salas de transmissões ao vivo, conhecendo pessoas e gastando dinheiro com novas funcionalidades.

Em uma rodada recente de financiamento da Série C, a empresa recebeu 47,5 milhões de dólares de cinco novos investidores (Idinvest Partners, Iris Capital, Alven, Sweet Capital e Gaia Capital Partners), e agora pretende expandir sua equipe e abrir um novo escritório em Nova York. Atualmente, a startup conta com 30 funcionários em Paris, Londres e Jacksonville.

Mas qual o diferencial do Yubo?

Indo contra ao que todas as outras redes fazem atualmente, o Yubo não permite que você siga pessoas, nem curta conteúdos. Na verdade, o que ele quer é conectar pessoas que queiram conhecer gente, sair, bater um papo, beber alguma coisa e fazer novas amizades.

Ao abrir o aplicativo, você tem uma lista de salas onde pode entrar e conversar com quem está por ali. Divididas em categorias como política, streaming de games e pessoas locais, ele também não busca que as salas sejam gigantes e comportem milhares de pessoas. Segundo o CEO Sacha Lazimi, cada sala tem de 5 a 10 participantes que, em sua maioria, moram nos EUA, Reino Unido, Canadá, Austrália e França.

E a empresa não trabalha com anúncios: usuários podem pagar por recursos adicionais, com compras dentro do app ou assinaturas. Entre os "extras", está opções como promover sua transmissão ao vivo, ou o seu perfil em seções diferentes. “Achamos que é o futuro da monetização para plataformas sociais. Se você se concentra em anúncios, está competindo com o Facebook, TikTok e Snap ”, disse Lazimi em entrevista ao TechCrunch. A decisão, por enquanto, parece ser acertada: o Yubo espera ter uma receira de 20 milhões de dólares em 2020, o dobro da receita gerada no ano passado.


Nenhum comentário:

Postar um comentário