15/10 - DIA DO PROFESSOR

15/10 -  DIA DO PROFESSOR
O Dia dos Professores é comemorado no Brasil anualmente em 15 de outubro. A data foi criada para homenagear esses profissionais que dedicam suas vidas à transmissão do conhecimento e ao desenvolvimento da educação no nosso país. Trata-se de um feriado escolar e não faz parte do calendário oficial como feriado nacional ou ponto facultativo. Portanto, é prerrogativa das escolas não ofertarem aula neste dia. O dia 15 de outubro foi escolhido para comemorar o dia do professor, pois em 15 de outubro de 1827, Dom Pedro I, Imperador do Brasil, decretou uma Lei Imperial responsável pela criação do Ensino Elementar no Brasil (do qual chamou “Escola de Primeiras Letras”), e através deste decreto todas as cidades deveriam ter suas escolas de primeiro grau. A comemoração começou em São Paulo, onde quatro professores tiveram a ideia de organizar um dia de parada para celebrar esta data, e também traçar novos rumos para o próximo ano. Esta data foi oficializada nacionalmente como feriado escolar através do Decreto Federal nº 52.682, de 14 de outubro de 1963. O Decreto define a razão do feriado: "Para comemorar condignamente o Dia dos Professores, os estabelecimentos de ensino farão promover solenidades, em que se enalteça a função do mestre na sociedade moderna, fazendo participar os alunos e as famílias". A nível internacional, o Dia Mundial dos Professores é celebrado anualmente em 5 de outubro.

sexta-feira, novembro 28, 2008

Érico Veríssimo morreu há 33 anos. Sua marca continua indelével.

Jornal do Brasil: Érico Veríssimo é o autor de O tempo e o Vento

O escritor Érico Veríssimo morreu 20 dias antes de completar 70 anos, deixando inacabado a segunda parte de seu livro de memórias Solo de Clarineta
O autor gaúcho, de Cruz Alta, ficou famoso no Brasil e no exterior ao retratar o cotidiano dos moradores do extremo Sul do país. Dentre os livros que abordam o tema destaca-se a trilogia O tempo e o vento, considerada sua obra-prima. Dividida em O Continente (1949), O Retrato (1951) e O Arquipélago (1962), os três romances contam a história do Rio Grande do Sul, de 1680 até o fim do Estado Novo em 1945, através da saga das famílias Terra e Cambará. 
A princípio, Veríssimo planejou fazer só um volume com cerca de 800 páginas, que seria escrito em três anos. Mas o assunto rendeu e acabou ultrapassando as 2.200 páginas, escritas ao longo de 15 anos. A obra virou novela da TV Excelsior em 1967, minissérie adaptada por Doc Comparato para a TV, com trilha musical de Tom Jobim, em 1985, e filme dirigido por Anselmo Duarte, em 1970. 

O romance Olhai os lírios do campo, lançado em 1938, foi o primeiro sucesso da carreira de Veríssimo. A narrativa foi mostrada no cinema em 1947, como Mirad los lirios del campo, produção argentina dirigida por Ernesto Arancibia, que tinha no elenco Mauricio Jouvet e Jose Olarra.

Livros e personagens populares
Veríssimo foi um dos escritores brasileiros mais populares do século 20. Incidente em Antares, lançado depois de Senhor embaixador O Prisioneiro, ocupou o topo da lista dos livros nacionais mais vendidos durante semanas. O romance traça um apanhado da história do Brasil desde os primeiros tempos da colonização e envereda pelo fantástico, com uma rebelião de cadáveres durante uma greve de coveiros na fictícia cidade de Antares (1971).
Durante a ditadura militar, o autor recusava-se a submeter os originais de seus livros à Censura e retrucava quando tocavam nesse assunto: "Prefiro encerrar a minha carreira".



Nenhum comentário:

Postar um comentário