quinta-feira, 28 de abril de 2022

Mais de 4 milhões de visualizações no blog



Caros visitantes e leitores da Oficina de Gerência

As estatísticas dos blogs da Blogger são transparentes e aparecem diariamente para o blogueiro que nem precisa se preocupar com sua "audiência" pois ela lhe é informada diariamente nos "bastidores". 

Assim, posso comemorar e agradecer aos visitantes e amigos da Oficina de Gerência, pois os números são oficiais do próprio Blogger.

A informação é que ultrapassamos a casa do 4.000.000 de visualizações e estamos próximos de chegar aos 1.600.000 visitantes. 


Fico feliz com esses números porque a Oficina de Gerência não monetiza seu conteúdo e não faz publicidades em outras redes sociais. Compartilho o blog como leitura livre e sem preocupações outras que não sejam repassar a experiência que tenho como executivo desde 1971 e a experiência de vida de quem já ultrapassou os 70 anos. 

É um prazer enorme quando escrevo um post na Oficina e vejo que leitores o visitaram e fizeram comentários. Essa é minha motivação.

Por isso faço este post, para agradecer a todos quantos tenham participado desta jornada, visitando a Oficina de Gerência e visualizando suas páginas. 

E continuem nos visitando. Estamos em busca dos 5 milhões.





quinta-feira, 14 de abril de 2022

As melhores frases de Gandhi para refletir


Post de luxo, para enriquecer o blog; trago-lhes um vídeo do You Tube com frases de Ghandi, selecionadas para reflexão nestes tempos tão obscuros de ameaças à paz mundial:


Quer conhecer mais frases de Ghandi, clique aqui.


domingo, 3 de abril de 2022

Desigualdade de gênero no mercado de trabalho... até quando?




Entra ano, sai ano e o tema volta ao protagonismo da mesma forma que antes. É um continuum que se mantém inalterado faça-se o que fizer. Me refiro à desigualdade de gênero no mercado de trabalho. 

"Se a fotografia assusta, o filme também não é muito animador. Ainda que com avanços na desigualdade de desemprego e renda nos anos de 2012 a 2015, em seguida não há grande melhora até o último dado da série, no último trimestre de 2018. De fato, não há aparente grande tendência de convergência dos indicadores de mercado de trabalho entre homens e mulheres."  (Blog do IBRE/FGV)

Na verdade, chega de estudos, pesquisas, estatísticas, eventos, entrevistas e o que mais se queira, para atestar que as mulheres são discriminadas no mundo corporativo. É real, palpável, verdadeiro e não se vê nada concreto que se faça para - pelo menos - buscar a correção dessa barbaridade que atinge as mulheres que disputam espaço com seus colegas homens em absoluto pé de desigualdade.

Qualquer um que seja parte do mundo corporativo enxerga essa distorção ... que pode-se dizer seja cultural e milenar. Não existe solução mágica. E não vejo solução à vista nem no longo prazo. 

Não se pode culpar governo ou instituições privadas. Diversas medidas são colocadas em ação todos os anos, mas nada de novo aparece. Não há mobilização social e por social quero dizer toda a sociedade civil; os homens, principalmente, que na verdade são os principais responsáveis por esse horror que é a discriminação de gênero.

Resta-nos, a nós que nos preocupamos e queremos mudar essa anomalia, continuar lutando, falando, protestando,

Leiam o artigo abaixo que é bastante informativo.
 

Desigualdade de gênero no mercado de trabalho: mulheres ainda ganham menos que os homens

mulheres ganham menos

Pesquisa recente realizada pela Catho mostra que as mulheres ganham menos que homens em todos os cargos de liderança, cuja diferença média é 34%. Além de salários inferiores, elas ainda se deparam com obstáculos em algumas áreas. Em tecnologia, por exemplo, ocupam apenas 19% dos cargos.

Acompanhe este release do mercado de trabalho separado por gêneros e descubra os principais motivos e veja como até hoje as mulheres não acompanham o piso salarial.

Os dados revelam que mulheres ganham menos

Em 08 de março foi celebrado o Dia Internacional da Mulher. Nesta data, inúmeras discussões e reflexões são trazidas à tona e em maioria ações que levam a inúmeras desvantagens para a mulher em relação ao homem. Uma dessas consequências, é a falta de equidade quando o assunto é profissão e remuneração.

Segundo pesquisa salarial realizada pela Catho, em fevereiro de 2021, mesmo ocupando os mesmos cargos e com as mesmas funções, as mulheres chegam a ganhar até 34% menos que eles. Já em funções como gerente e diretor, elas chegam a ganhar 24% menos que os homens, por exemplo.

Porém, o gênero feminino enfrenta outros obstáculos no mercado de trabalho, além da diferença salarial. A relação entre maternidade e carreira implica normalmente em ter que lidar com desafios após a licença-maternidade e, às vezes, até antes do nascimento.

Atualmente, com boa parte das empresas aderindo ao regime de trabalho home office, a junção de cuidados com o lar/filhos e atividades se tornou problemático. Segundo a Pnad Contínua, do IBGE, 8,5 milhões de mulheres tinham deixado a força de trabalho no terceiro trimestre de 2020 (último dado disponível), na comparação com o mesmo período do ano anterior.


Mas se qualificação é hoje algo que torna um candidato em destaque, por que as mulheres, mesmo com o maior nível de escolaridade, continuam ganhando menos? É esse um dos motivos que transparece um descompasso significativo, pois os dados do levantamento indicam que, apesar da acirrada disputa, as mulheres saem na frente no recorte de nível superior e pós-graduação completo.

30% das mulheres possuem nível superior e pós-graduação, enquanto os homens, apenas  são 24%. Mesmo assim, com uma qualificação um pouco menor, eles podem ganhar até 52% a mais que elas exercendo uma mesma função. A pesquisa elucida o distanciamento do profissional homem e mulher no cenário profissional. Fatores super relevantes como formação, qualificação e experiência profissional não bastam para igualar a balança. Apesar dos perceptíveis avanços, ainda há obstáculos a serem superados.

52% é a maior disparidade nas médias salariais entre homens e mulheres identificada por nível de cargo. São nas ocupações de  profissional especialista e graduado que as remunerações por gênero mais se distanciam, seguidos de profissional especialista técnico com 47% de diferença.

Por dentro da área da Tecnologia

Algumas áreas ainda são hostis à presença de mulheres. É o caso do segmento de tecnologia que, embora mesmo durante a pandemia manteve as contratações em ritmo acelerado, tem dificuldade em inserir as mulheres no setor, principalmente em cargos de liderança.

Segundo a pesquisa, somente 19% da área de tecnologia é composta por mulheres e, em média, elas ganham 11% menos que os homens da área. Em alguns cargos como engenheiros de sistemas operacionais em computação e gerente de desenvolvimento de sistemas, as mulheres chegam a ganhar, respectivamente, 33% e 18% menos que os homens. As mesmas funções são ocupadas por 15% e 19% de mulheres, apenas.

Cargos que as mulheres têm menos representatividade

Para ilustrar a desigualdade de gênero dentro da área, separamos os 10 cargos com a maior discrepância de valores de salários, onde os trabalhadores, por algum motivo, recebem mais. Acompanhe:

Tabela de cargos com salários mais desiguias para as mulheres


sábado, 2 de abril de 2022

DNA de líder... Você acredita nisso?




DNA de líderes existe?

Não gosto muito de escrever artigos sobre líderes e lideranças porquanto é tema, pelo menos 80%, de tudo que se concebe na literatura voltada para o universo dos comportamentos corporativos.

No Google são 31.500.000 links para todos os gostos e mais uma vasta literatura à disposição dos líderes e candidatos respectivos.

Alguns poucos links captados aleatoriamente:

·    Líder e liderança: entenda a diferença (prática) entre os termos

·    Liderança: O que é, tipos e atribuições

·    Treinamento de Lideranças - Acelere líderes e Talentos

E algumas imagens de livros disponíveis no mercado:

Me perguntei então, ”que diabos estou querendo dizer mais do que o que já existe sobre o tema?”. Depois pensei, porque com tanto material existente o mercado continua lançando novos títulos; consultores continuam sendo convidados para palestrar; o YouTube tem outros milhões de vídeos e visualizações sendo visitados diariamente?

Minha resposta é “simples assim”:

·         Líderes e lideranças são temas inesgotáveis e tão complexos quanto o são as pessoas que os incorporam “desde que o mundo é mundo”.

Dito isso e pesquisando na internet e nos meus arquivos implacáveis, descobri um artigo com o viés um tanto diferente com o título “Como se treinar para ser um grande líder”.

Li e gostei.

Na verdade o artigo veio ao encontro de um subtema do assunto que é saber de se as pessoas, nascem com o DNA de líder ou aprendem ao longo das suas carreiras e oportunidades?

Pergunta velha não é mesmo? Mas até hoje não respondida.

Dou a minha visão da coisa. Acho que ninguém nasce líder. As pessoas tornam-se líderes. Como? Modus in Rebus existem fatores facilitadores e outros dificultadores. Exemplos de facilitadores:

· Classe social: as pessoas nascem nas esferas sociais mais elevadas e têm oportunidades de vida mais privilegiadas (educação social superior, família com sustentação financeira e melhores colégios e universidades)

· Determinação Pessoal: pessoas que independente da classe social e outros fatores similares criam seus objetivos e enfrentam as dificuldades – sejam quais forem – com foco, resiliência e fortaleza para vencê-las.

·  Personalidade Diferenciada -Não se importam com a opinião de terceiros. São diferentes no trato, são humildes por natureza, têm o dom da empatia, presença de espírito, sabem fazer amigos e são gratos àqueles que o ajudam.

·  Lealdade acima de tudo – desenvolvem um senso de lealdade objetiva com a equipe e defendem seus comandados custe o que custar.

·  Gostar de gente – é o facilitador mais importante. Os líderes gostam das pessoas de forma límpida, aberta e dedicada. Sabem ouvir, querem resolver os problemas pessoais do seu time e se envolvem 1005 nas alegrias e tristezas.

Poderia ficar aqui explorando os facilitadores e são muitos mais, mas acho que já deu para dar uma ideia que ser líder é algo que começa cedo ainda na infância, sim, mas vai sendo desenvolvido passo a passo, crescendo junto com a pessoa e acompanha-a até o final da vida.

Concluindo, DNA de líder é uma figura de linguagem.  Com a experiência que tenho em liderança (muitos anos) acredito que um líder vai se construindo desde a infância, mas não por causa de DNA.  É um processo permanente de evolução profissional e de personalidade, de oportunidades aproveitadas e de amar essa condição. 

Vamos para o artigo? 

 

Clique aqui para visitar a home page

Como se treinar para ser um grande líder

Não existem muitas pessoas que nascem líderes. A maioria dos líderes assume a responsabilidade de treinar-se para ser eficaz. Seja aprendendo com a sabedoria dos outros ou obtendo conhecimento e perspectivas a partir da experiência pessoal, tornar-se um líder mais eficaz diz respeito ao que você faz, não o que sabe.

Aqui estão cinco coisas que você pode fazer para treinar-se para ser um grande líder:

1. Mantenha as promessas.

Nunca faça promessas que não tem certeza de que pode manter. Nada destrói a sua credibilidade mais rápido do que uma promessa quebrada ou expectativas não cumpridas.

Manter promessas às vezes pode ser um desafio, ou até mesmo ser doloroso. Este compromisso vai desenvolver a disciplina e integridade. Pratique com os seus filhos, assim como com seus colegas.

2. Vista-se para influenciar.

Não se vista para impressionar, se vista para influenciar. Isso significa ter certeza de que sua aparência é consistente com a sua marca pessoal e profissional.
Comece perguntando a si mesmo como um líder com suas aspirações deve aparecer para os outros.

E não limite a aparência apenas a você mesmo. Aplique o conceito à sua empresa. A Butler Amusements, uma empresa de parques de diversões da Califórnia, sempre se orgulhou em ter os caminhões mais limpos do negócio e construiu uma marca em torno do slogan: “O Show mais Limpo do Ocidente.”


3. Trate sua equipe como você espera que eles tratem os clientes.

Pedir a sua equipe para ser cordial com os clientes, e ser um idiota com eles é incongruente e hipócrita. Ser o líder não lhe dá um passe livre para satisfazer seus instintos animais. A maneira como você trata as pessoas é um barômetro para todos em sua equipe.

Robert Greenleaf cunhou o termo “liderança servidora” em 1960. Não se trata de ser servil, mas de encontrar formas de apoiar os seus funcionários para que eles possam se tornar bem sucedidos. Pergunte periodicamente: “O que posso fazer para ajudar?”

4. Mostre seu compromisso com o crescimento pessoal.

Em última análise, existem apenas duas maneiras para crescer o seu negócio: desenvolver-se sozinho e desenvolver a sua equipe. Conforme você e sua equipe melhoram, melhoram também os níveis de serviço, eficiência operacional e tudo mais.

A Suncoast Coffee Service é uma pequena empresa de 20 funcionários com sede em Tampa, Flórida. Os fundadores pagam aos funcionários para ler livros que beneficiam tanto suas vidas pessoais quanto profissionais. Através do programa de leitura da empresa, chamado “Fazendo as pessoas melhor”, os livros são distribuídos para os funcionários, juntamente com um prazo para a leitura. Os funcionários têm aproximadamente um mês para ler o livro e recebem $ 50 após completar. No final do mês, os empregados reúnem-se para discutir o livro.

5. Pergunte ao invés de esperar por feedback.

Alguns líderes reagem ao feedback não solicitado como crítica e perdem uma oportunidade de aprender. No entanto, esperar que seus funcionários se tornem corajosos o suficiente para lhe oferecer feedback é uma proposta arriscada. Não pergunte aos funcionários o que eles gostam ou não gostam sobre você. Você vai ter melhor informação, perguntando: “Em sua opinião, o que eu poderia fazer para se tornar um líder mais eficaz?”

Dê ouvidos ao comportamento aplicável. Se alguém diz que você seria mais eficaz se comunicando de forma mais clara, peça um exemplo quando você não o fez, então você vai entender o que ele quis dizer.

Qual dessas ações você vai tomar primeiro para treinar-se para ser um líder melhor?

Autor: Mark Sanborn
Artigo publicado originalmente no site da revista Entrepreneur