26 de mai. de 2012

Brilhante comentário de Clóvis Rossi (Folha de São Paulo)

Não perco nenhuma oportunidade de combater o esquecimento dos horrores que o nazismo e os partidários de Adolf Hitler promoveram no mundo no período da história em que a humanidade assistiu sua chegada ao poder e a segunda guerra mundial. O holocausto foi o mais abominável dos crimes contra a humanidade que um governo possa haver cometido no período da história contemporânea.
De vez em quando surgem alguns loucos que simplesmente negam a existência desse anátema que o povo alemão infelizmente carregará para o resto de sua história. 

"O povo judeu decidiu impedir que o Holocausto seja esquecido, para que, com sua lembrança, fique assegurada para que o mundo não permitirá jamais que torne a acontecer com os judeus ou com qualquer outro povo ou grupo na Terra. Na foto: soldados israelenses junto à chama simbólica no Memorial do Holocausto (Yad Vashem, Jerusalém).
Durante os seis anos de guerra, foram assassinados pelos nazistas aproximadamente 6.000.000 de judeus – incluindo 1.500.000 crianças – representando um terço do povo judeu naquela época. Esta decisão de aniquilar os judeus, já prevista desde 1924 no livro "Mein Kampf", de Adolf Hitler, foi uma operação feita com fria eficiência, um genocídio cuidadosamente planejado e executado. Foi único na história em escala, amplitude e implementação, e por essa razão recebeu um nome próprio: o Holocausto.
Menos de cinquenta anos depois, grupos de racistas, de neonazistas e de antissemitas tentam negar que o Holocausto tivesse alguma vez existido, ou afirmam que a escala foi muito menor. Existem algumas causas para esse chamado "revisionismo", especialmente políticas e antissemitas. Alguns pretendem limpar o nazismo de seu crime maior; outros acreditam ao negar o Holocausto estão procurando destituir Israel de seu direito de existir. Este é o motivo pelo qual os que negam o Holocausto têm muito mais suporte nos países árabes.
Mas o Holocausto existiu, como atestam os testemunhos documentais e pessoais, e o povo judeu decidiu impedir que seja esquecido, para que, com sua lembrança, fique assegurado que o mundo não permitirá jamais que torne a acontecer com os judeus ou com qualquer outro povo ou grupo na Terra. A negativa da existência do Holocausto é uma abominação e uma ameaça potencial para o mundo inteiro." ( texto reproduzido do site Visão Judáica)

Coloco-me, como faria qualquer ser humano civilizado, ao lado daqueles que não deixam o mundo esquecer-se do nazismo e seus horrores. Por isso resolvi postar um dos textos mais brilhantes que já terei lido sobre o tema. Seu autor é o consagrado jornalista Clóvis Rossi da Folha de São Paulo que atualmente é correspondente internacional na Europa. Ele visitou antigos campos de concentração dos alemães na segunda guerra - principalmente os de Auschwitz-Birkenau  -  e de tão impressionado que ficou mesmo sendo um jornalista de enorme experiência deixou sua impressão no artigo abaixo que foi publicado no último dia 22 de maio. Convido-os a ler o texto e refletir sobre ele.

São Paulo, terça-feira, 22 de maio de 2012Mundo
Mundo
http://www.abi.org.br/images/Entrevista_ClovisRossi5.jpg
Clóvis Rossi
O inferno nunca sai da alma
Impressões sobre uma visita à máquina de matar nazista construída em Auschwitz-Birkenau 
...............................................................................................................................
CRACÓVIA - Uma placa no Museu Judaico de Cracóvia registra um diálogo imaginário entre mãe e filha em que a menina diz: "Mamãe, quando eles nos matarem, vai doer?". A mãe responde: "Não, queridíssima, não vai doer, vai levar só um minuto".

Comentário abaixo do diálogo: "Pode ter levado só um minuto, mas foi o suficiente para nos manter despertos até o fim dos tempos".


Profético. A dor pelo assassinato de 1,1 milhão de judeus, só no complexo Auschwitz-Birkenau, perto de Cracóvia, perdura até hoje na alma dos judeus, como deveria perdurar na alma da humanidade. Não foi um crime só contra os judeus, o que já seria intolerável, mas contra a condição humana.

Não apenas porque em Auschwitz-Birkenau morreram também entre 140 mil e 150 mil poloneses, 23 mil ciganos, 15 mil prisioneiros de guerra soviéticos e 25 mil pessoas de outras etnias. Mas principalmente porque uma máquina meticulosa de matar despojou da condição humana todas essas pessoas e milhões mais em outros pontos da Europa.

Quando a mãe e a menina do diálogo imaginário foram levadas para a câmara de gás de Birkenau, já estavam mortas. Elas, como todos os judeus trazidos de toda a Europa para os 30 km² que abrigavam o complexo de Auschwitz, já haviam perdido suas casas, seus trabalhos, seus objetos pessoais, suas posses, seus seres queridos, rigorosamente tudo o que possuíam.

"Quem perde tudo muitas vezes perde a si mesmo", escreveu Primo Levi, judeu italiano, prisioneiro de Auschwitz, um sobrevivente que é talvez o mais completo narrador dos horrores do campo.

Levi escreveu também que quem esteve em Auschwitz nunca conseguirá sair e quem não esteve nunca conseguirá entrar.

É tanto verdade que se suicidou em 1987, mais de 40 anos depois de deixar o inferno. Dele diria o Prêmio Nobel da Paz (1986) Elie Wiesel, outro sobrevivente de Auschwitz: "Primo Levi morreu em Auschwitz 40 anos depois".

De fato, eu confesso que, como parte de um grupo de jornalistas que o Congresso Judaico Latino-Americano trouxe para uma visita-aula aos locais emblemáticos do Holocausto na Polônia, saio com mil perguntas e quase nenhuma resposta.

Principal pergunta: por que construir uma indústria da morte se ela não servia para derrotar os Exércitos inimigos, se não servia para ocupar territórios? (a Polônia já fora ocupada no início da guerra, em 1939, antes portanto da entrada em operação da máquina de matar).

O que assusta, entre tantos horrores, é que permanece a tentação em muitas partes do mundo, mesmo na Europa, de eliminar o "outro", o supostamente diferente, seja judeu, cigano, hutu ou tutsi (em Ruanda), muçulmano.

Nada, é claro, teve, antes como depois do Holocausto, a dimensão do que se fez em Auschwitz e outros campos e guetos. Mas direitos humanos, direito à vida, não podem ser medidos por quilo.

Por isso, vale a frase do filósofo espanhol Jorge de Santayana y Borrás (mais conhecido como George Santayana), gravada na entrada do "Bloco 4" de Auschwitz: "Quem não relembra a História está condenado a vivê-la de novo".
Se preferir ler o texto no formato original é só clicar sobre a imagem acima

24 de mai. de 2012

Importante não é Urgente. Fuja do Stress.




 Está na Wikipédia:
"Estresse (português brasileiro) ou stresse (português europeu) pode ser definido como:
  • (a) a soma de respostas físicas e mentais causadas por determinados estímulos externos (estressores) e que permitem ao indivíduo (humano ou animal) superar determinadas exigências do meio ambiente e 
  • (b) o desgaste físico e mental causado por esse processo."
Sem discussão. No site Saude e Vida On Line está lá escrito:

O que é o Stress?

"O "STRESS" é o resultado de uma reação que o nosso organismo tem quando estimulado por fatores externos desfavoráveis. A primeira coisa que acontece com o nosso organismo nestas circunstâncias é uma descarga de adrenalina no nosso organismo, e os órgãos que mais sentem são o aparelho circulatório e o respiratório.
No aparelho circulatório a adrenalina promove a aceleração dos batimentos cardíacos (taquicardia) e uma diminuição do tamanho dos vasos sanguíneos periféricos. Assim, o sangue circula mais rapidamente para uma melhor oxigenação, principalmente, dos músculos e do cérebro já que ficou pouco sangue na periferia, o que também diminui sangramentos em caso de ferimentos superficiais.
No aparelho respiratório, a adrenalina promove a dilatação dos brônquios(broncodilatação) e induz o aumento dos movimentos respiratórios(taquipneia) para que haja maior captação de oxigênio, que vai ser mais rapidamente transportado pelo sistema circulatório, também devidamente preparado pela adrenalina.
Quando o perigo passa, o nosso organismo para com a super produção de adrenalina e tudo volta ao normal. No mundo de hoje as situações não são tão simples assim e o perigo e a agressão estão sempre nos rodeando. Por isso a reação do organismo frente ao stress é de taquicardia, palidez, sudorese e respiração ofegante. Pode haver também um descontrole da pressão arterial e provocar um aumento da pressão à níveis bem altos, mas não significa que a pessoa seja hipertensa."

Ou seja, todo mundo sabe o que é stress (prefiro escrever dessa forma) e o que "estar estressado(a)". E por que cargas d'água não conseguimos nos livrar dele? Sabemos o mal que ele nos causa; sabemos como é que o "adquirimos"; sabemos o que fazer para nos livrarmos dele ou pelo menos administrá-lo, mas não fazemos nada disso. Pelo menos a maioria de nós habitantes do planeta Terra não faz. Confesso que me incluo a contragosto nesta "multidão".

Pois bem, deparei-me com um belo artigo do palestrante e especialista em administração de tempo Christian Barbosa. Muito bem escrito e com boas colocações o artigo tem o dom de resumir e indicar saídas para amenizarmos o stress do dia a dia. Eu gostei muito e por isto quero compartilhá-lo com vocês.
Ao final coloquei um vídeo que copiei do site Você Com Mais Tempo  (da revista Você S.A.) que é um dos mais interessantes e completos que hei visto nos últimos tempos. Vale a pena clicar e navegar por ele. Assista ao vídeo e conheça a diferença entre importância e urgência. Parece incrível, mas muita gente não sabe diferenciar as duas coisas. Saia dessa "turma" assistindo o vídeo.




Fuja do Estresse Diário


Todo mundo reclama que não tem tempo para nada, nem para cuidar de si mesmo, mas o corpo é extremamente sábio e quando ele quer, manda uma doença que faz você ficar de cama e ter tempo para você. E nesse momento descobrimos que nem todas aquelas urgências eram tão urgentes assim, que boa parte da correria era apenas a nossa própria ansiedade querendo fazer acontecer.

Uma pesquisa realizada pelo laboratório paulista Fleury, com cerca de 2,7 mil funcionários, revela que o estresse, a obesidade e o sedentarismo são fatores que não só afetam a qualidade de vida das pessoas como interferem diretamente na produtividade delas no trabalho.
O estudo apontou que 11,7% dos entrevistados faltaram ao trabalho pelo menos um dia durante o período de três meses e 6,8% deles estiveram ausentes por quatro ou mais dias no emprego. “Esse índice de afastamento está ligado ao nível de estresse do profissional”, afirma Marcos Bosi Ferraz, coordenador do núcleo de pesquisa aplicada do Fleury. “Aqueles que apresentam estresse mais elevado, sem dúvida, acabam ficando mais tempo fora da empresa. Mesmo quem tem nível de estresse moderado possui o dobro de probabilidade de faltar em relação aos não estressados.” Uma amostragem com 600 pessoas, revelou que os problemas ligados ao trabalho (42,7%) são a principal causa de estresse, seguida dos financeiros (36,3%) e dos familiares (30,3%).
O pior desse cenário é que o trabalho não precisava ser tão estressante assim se adotássemos algumas pequenas dicas de produtividade diária. A principal dela é colocar momentos importantes pessoais durante nossa rotina de trabalho, como por exemplo, um almoço com a família e os filhos em um dia da semana, uma saída alguns minutos mais cedo para ir ao cinema com a esposa, um passeio no parque com o namorado, etc.
Quando colocamos atividades com “sentido” em nosso dia a dia reduzimos a nossa sensação de estresse e começamos a ter mais prazer.
Outra dica é agir para reduzir as urgências criando atividades de prevenção, como por exemplo, analisar diariamente suas atividades para os próximos três dias e criar tarefas que evitem que algo se transforme em uma urgência. Anote a atividade e execute-a enquanto ela ainda é importante, e não está na esfera das urgências.
Evite acumular suas férias, e sempre que possível tire férias ao longo do ano, em períodos de 5 dias (que acabam se transformando em 9 dias com os sábados e domingos). Aproveite esses momentos para relaxar e recarregar as energias, esquecendo um pouco das tensões diárias.
É possível viver com menos estresse e mais qualidade de vida, é uma escolha consciente que você pode fazer ao invés de se tornar um refém das circunstancias e do estresse!
O autor do artigo, Christian Barbosa, é especialista em gestão do tempo e produtividade pessoal. Diretor da Tríade do Tempo, autor do Livro "A Tríade do Tempo" - Editora Campus. 

 

Este post foi publicado no blog em 15/5/2010. Estou republicando-o com atualização tendo vista ser um dos mais acessados na Oficina de Gerência.


23 de mai. de 2012

Golfinhos salvos em Arraial do Cabo. Incrível, raro e comovente.

Não vou fazer nenhum comentário. As imagens falam por elas mesmas. Este vídeo está correndo o mundo desde março com a admiração de todos e já atingiu quatro milhões de acessos. Aconteceu no Brasil, na belíssima praia de Arraial do Cabo no Rio de Janeiro. Se você já o assistiu faça-o novamente porque são imagens que não cansam.
Preste atenção nas primeiras pessoas que tomam a iniciativa do salvamento e nas outras que ficam simplesmente olhando sem iniciativa nenhuma. Procure, além de se emocionar com a nobreza da atitude coletiva, fazer algumas reflexões sobre o comportamento humano.
  •  
Prainha em Arraial do Cabo, Brasil, 5 de Marco 2012, 8:00 horas da manha, aproximadamente 30 Golfinhos nadam em direcao da Praia e sao maravilhosamente salvos por moradores.

22 de mai. de 2012

Oficina de Gerência com recorde de acessos.

http://4.bp.blogspot.com/-AHMTy35Y0Dg/ToMVsBO-qAI/AAAAAAAAC2Q/sUahqeQfhBI/s350/gratidao-nao-ha-felicidade-sem-ela-80422-1.jpg
Considerando que a média de acessos do blog gira em torno de 350 a 400 por dia com picos isolados de 500 a Oficina de Gerência bateu um recorde no dia de ontem quando atingiu uma marca que não alcançava há muito tempo. Foram 665 acessos medidos pelo sitemeter com 957 page views.
Para um blog como a Oficina de Gerência que não faz postagens digamos populares, não tem publicidade em seu conteúdo e não tem maiores preocupações com sua divulgação em sites especializados atingir essa marca me deixa muito feliz e agradecido aos visitantes. Motiva-me mais ainda a manter esse projeto de transmitir um pouco da minha experiência pessoal e profissional após uma já longa trajetória de vida.
Coloquei abaixo em imagem capturada o histograma dos acessos dos últimos sete dias e os dias da semana com as respectivas visitas.
Minha gratidão permanente pelo prestígio dos acessos e das visitas.


21 de mai. de 2012

Fernando Henrique Cardoso, intelectual, é distinguido com alta honraria nos EUA.


O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso foi agraciado com o Prêmio John W. Kluge para o Estudo da Humanidade - que é uma distinção concedida pela Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos a personalidades que se destacam por seus estudos e contribuições ao aperfeiçoamento da humanidade - por seu trabalho acadêmico como sociólogo e  de liderança intelectual na América Latina. 
Menos pelo valor - que não é pouco - de um milhão de dólares e mais pela honraria da indicação que é uma das mais importantes nos círculos intelectuais do planeta.
É um privilégio para o Brasil ter um intelectual como FHC sendo distinguido pelo Prêmio Kluge por sua contribuição intelectual e deve ser motivo de orgulho para nosso país tão carente dessas premiações e reconhecimentos no mundo acadêmico internacional.
Destaque negativo para a grande mídia brasileira que não deu repercussão maior da notícia e não entendo as razões (ou melhor, acho que entendo sim...). Gostei muito do texto que o site Recanto das Letras dedicou ao ex-presidente pela honraria recebida. (leia aqui). Fica o modesto registro da Oficina de Gerencia reproduzindo a matéria que foi publicada no site da revista Exame.

FHC é premiado por Biblioteca do Congresso dos EUA 
O prêmio de US$ 1 milhão lhe será dado por causa de suas contribuições à sociologia 

Germano Luders/EXAME
Fernando Henrique Cardoso no iFHC
O ex-presidente é a oitava personalidade agraciada com o prêmio Kluge
  •  
A Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos anunciou nesta segunda-feira que o ex-presidente brasileiro Fernando Henrique Cardoso receberá em julho o prêmio Kluge, no valor de US$ 1 milhão, por sua contribuição ao estudo da sociologia e por sua liderança como intelectual e especialista em política econômica da América Latina.
Fernando Henrique receberá o prêmio numa cerimônia na Biblioteca do Congresso, em Washington, em 10 de julho. A entidade frisou que as ideias e ações do ex-presidente permitiram que o Brasil se transformasse, após anos de ditadura militar, numa economia emergente.
Fernando Henrique Cardoso é a primeira personalidade que recebeu o reconhecimento devido à atuação em disciplinas como sociologia, ciências políticas e economia, afirmou a Biblioteca do Congresso em comunicado.
A instituição reconheceu que em seus estudos o político "desafiou a sabedoria convencional em relação às questões raciais e as estruturas da economia, assim como sua integração no sistema mundial".
"Talvez a mais clara prova de suas conquistas intelectuais é que seus sucessores continuaram muitas de suas políticas e asseguraram seu legado como um dos maiores líderes do Brasil", disse o comunicado. O ex-presidente é a oitava personalidade agraciada com o prêmio Kluge.







Redes Sociais. Saiba como proteger-se.



Após ler o texto abaixo veja a imagem ao lado que ensina passo a passo como são cometidos os crimes com utilização de e-mails.

A violência sofrida pela atriz Carolina Dieckmann - e fartamente divulgada - por ter se descuidado e de alguma forma possibilitado uma janela aberta em seu computador para entrada do vírus ou malware que roubou fotos íntimas que a atriz havia "guardado" lá acendeu o sinal de alerta total para os usuários mais antenados das redes sociais e dos e-mails.
Muitas foram as matérias nas mídias jornalísticas e os artigos de especialistas tratando do assunto. Não fosse a vítima uma celebridade certamente o fato não teria tanta repercussão.
Resisto à tentação de questionar - sem julgamento - a necessidade de uma pessoa manter em arquivo de computador - tão exposto - fotos pessoais e da natureza daquelas que circularam na internet que continuam e continuarão sendo expostas apesar da decisão judicial que determinou suas retiradas. 
Foram - segundo as  notícias mais de 8 milhões de acessos até agora. Isto significa que nunca mais essas imagens deixarão de ser vistas por quem se interesse. Impossível bloquear essa movimentação como desejou a atriz. Preço alto pela imprudência e falta de cuidados no manuseio do computador que é mais comum do se pensa entre as pessoas comuns.
O fato é que houve um crime e pela fama da vítima chamou - mais uma vez - a atenção para os descuidos que muitos cometem ao manusear seus computadores sem os devidos cuidados com a proteção contra os invasores e criminosos que estão sempre à espreita.
Para contribuir com os leitores do blog e usuários de redes e e-mails reproduzi abaixo uma excelente matéria que foi publicada na Folha de São Paulo neste final de semana. Pelo que se pode ler não é tão complicado criar barreiras contra as invasões de privacidade e os crimes de roubos de senhas, acesso às contas bancárias e tudo o mais que estamos acostumados a ver na TV, ler nos jornais e revistas e ouvir nas emissoras de rádio. É suficiente que os usuários da WEB mantenham seus computadores protegidos e atualizados com programas antivírus e similares, desconfiem e não abram e-mails cujas origens não sejam absolutamente conhecidas e não cliquem em nenhum link sem antes verificar se é verdadeiro ou falso.
O artigo traz várias dicas a esse respeito. Recomendo a leitura.

Clique no logotipo e acesse a Folha.com
Este é o fac simile da matéria na página na Folha de São Paulo
Intimidade na rede
Estudo mostra que fotos de Carolina Dieckmann nua foram acessadas 8 milhões de vezes; saiba como proteger seus dados
BRUNO ROMANI
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Em cinco dias, as fotos vazadas na internet em que a atriz Carolina Dieckmann aparece nua tiveram pelo menos 8 milhões de acessos únicos. A estimativa, um alerta sobre como é preciso saber proteger os arquivos mais íntimos, foi feita pela ONG Safernet, em uma pesquisa divulgada à Folha.

O estudo foi realizado para dimensionar a capacidade de propagação de imagens na rede e fez medições entre a noite do último dia 4 (data em que as imagens vazaram) e a tarde do dia 8.

O número é 35 vezes a tiragem da revista "Playboy" no Brasil, que publica 228 mil exemplares por mês.

O estudo da Safernet constatou ainda que o pacote inicial de 36 fotos virou um conjunto de pelo menos 50 mil imagens, que, ao longo do período de monitoramento, se espalharam na rede por 211 domínios em 113 provedores de internet, localizados em 23 países.

"Os dados são desanimadores. Essas fotos vão se eternizar na rede. Não tem como tirá-las de lá", diz Thiago Tavares Nunes de Oliveira, presidente da ONG Safernet, que monitora casos de crimes cibernéticos no Brasil.

Os números podem ser maiores. A pesquisa foi feita só na web, sem contar fotos compartilhadas por e-mail e serviços P2P, como o BitTorrent. Também ficaram de fora mídias físicas, como CDs e DVDs, pen drives e HDs externos para os quais as imagens podem ter sido copiadas.

Para chegar aos dados, a Safernet procurou pelo nome original dos arquivos em buscadores como o Google e em mecanismos de pesquisa dentro de sites. Além disso, usou programas que varrem a internet à procura de imagens digitalmente similares.

"Casos assim são emblemáticos e têm um caráter pedagógico. Eles servem para alertar sobre os cuidados que temos que ter com informações privadas", diz Oliveira. 

PRECAUÇÕES
http://www.diariosp.com.br/diariosaopaulo/upload/noticia/1337126776arte_famosas_internet_fotosnuas.jpgMas que cuidados são esses? O que fazer para que textos, fotos e vídeos íntimos fiquem bem guardados?

"A única forma de proteger seus arquivos sensíveis é a criptografia", diz Mariano Sumrell, diretor de marketing da AVG Brasil. Programas que fazem isso embaralham o conteúdo de arquivos, que só se tornam compreensíveis por meio de senha.

Outra coisa que pouca gente sabe: apenas arrastar um arquivo para a lixeira não o apaga do disco. Para isso é necessário um software do tipo triturador, que escreve informações sobre o bloco do HD que abrigava o dado.

"Se você quer guardar dados sensíveis no computador, precisa seguir algumas práticas importantes de segurança", diz Fábio Assolini, analista da Kaspersky Lab. 


ARMADURA DIGITAL
Dicas para proteger seus dados sensíveis 
  • EMBARALHE TUDO
A principal maneira de garantir que terceiros não terão acesso aos seus arquivos é criptografá-los, o que significa, assim, embaralhar as informações dentro deles. Só com uma senha é possivel torná-los compreensíveis novamente. Dois programas gratuitos que fazem isso: TrueCrypt (truecrypt.org) e Gpg (gpg4win.org)
  • COMPLIQUE A SENHA...
Uma senha poderosa, vital para proteger os dados, deve ter pelo menos 8 caracteres e misturar números, letras e símbolos. Além disso, tenha uma senha para cada serviço usado. Caso um seja invadido, os outros não serão afetados. Não memorize a senha em navegadores de web, pois ela também pode ser interceptada
  • ...E AS PERGUNTAS
Tenha cuidado com as dicas que você dá ao responder perguntas que visam recuperar a sua senha em serviços como e-mail. Muitas dessas respostas podem ser encontradas em redes sociais, como, por exemplo, a cidade onde nasceu, o nome dos pais ou o time de preferência
  • TRITURE O LIXO
Colocar os arquivos na lixeira e esvaziá-la não elimina os dados do HD. Eles podem ser recuperados, mesmo que a máquina seja formatada. Para solucionar isso, há programas que trituram arquivos excluídos. Opções gratuitas: CCleaner (piriform.com/ccleaner) e HDDErase (bit.ly/hdderaselink)
  • TENTE VIGIAR O TÉCNICO
Se você precisar consertar sua máquina, remova a unidade de armazenamento dela ou peça ao técnico que faça o conserto na sua frente. Se isso não for possível, vale a pena usar a criptografia e o triturador de dados
  • O ANTIVÍRUS É SEU AMIGO
Ainda há muitas pragas virtuais que copiam as informações presentes na máquina. Para combater isso, use um antivírus. Soluções gratuitas: Malwarebytes (malwarebytes.org) e Microsoft Security Essentials (windows.microsoft.com/mse)
  • CUIDADO COM A CONEXÃO WI-FI
Quando você usa Wi-Fi, especialmente em redes públicas (sem senha), todas as informações que transitam por ela podem ser interceptadas. Para tablets e smartphones, melhor usar um pacote de dados de uma operadora telefônica. Para desktops e notebooks, melhor uma conexão a cabo
  • USE UM HD EXTERNO
Se você tem dados sensíveis, evite deixá-los no computador, no tablet ou no smartphone, de fácil acesso on-line. Melhor guardar tudo em um HD externo, off-line

20 de mai. de 2012

Marcelo Gleiser e a lição dos dinossauros.


Faz um tempo que não publico artigos de Marcelo Gleiser aqui no blog. Neste domingo ao ler a Folha de São Paulo deparei-me com o texto abaixo desse eminente brasileiro. Gleiser escreve sobre os temas mais complexos como astronomia, física e filosofia com a facilidade e a fluidez de quem conhece muito do assunto e sabe como transmiti-los aos mortais comuns. O nível dos textos e do pensamento de homens como Marcelo Gleiser é tão alto que disponibilizá-los para os leitores do blog é quase um dever. 
Nesse artigo, um dos mais instigantes que já li do físico e astrônomo brasileiro ele apresenta uma tese interessantíssima e desenvolve raciocínio a partir da extinção dos dinossauros há 65 milhões de anos e conclui que - embora possa haver vida em outros planetas - nós, seres humanos como somos só existimos aqui na Terra.
Portanto, meus caros leitores e visitantes, recomendo a leitura embora não seja assunto do mundo corporativo é, sim, tópico para ser pensado e discutido nas melhores rodas de conversas que você possa frequentar...
.....

Marcelo Gleiser
Clique no logotipo
O que dinossauros nos ensinam

A história das colisões na Terra mostra que, se a história tivesse sido outra, não estaríamos aqui

Às vezes, a morte vem de lugares inesperados. Para um dinossauro que vivia há 65 milhões de anos, o maior perigo eram outros dinossauros, especialmente o "T. rex", que só temia outros como ele.
Porém, mesmo que algumas populações de dinossauros estivessem em declínio já antes da extinção, o que deu cabo deles foi a colisão cataclísmica de um asteroide de 10 km de diâmetro.
O impacto deixou uma cratera de 150 km na península de Yucatán, no México. É difícil imaginar que uma única colisão possa causar tamanho dano. Mas uma rocha que viaja a 30 km por segundo (150 vezes mais veloz do que um jato) deposita uma energia no seu impacto equivalente a 100 mil vezes a energia da detonação simultânea de todas as bombas termonucleares que existiam na Guerra Fria. O refluxo de matéria viajou até a metade da distância entre a Terra e a Lua.
Nuvens de poeira bloquearam o sol durante meses e a temperatura caiu vertiginosamente. Após a poeira se assentar, um efeito estufa acelerado fez com que a temperatura subisse rapidamente; mais de 50% das espécies desapareceram.
Esse não foi o único impacto na Terra ou o que mais destruiu a vida. Felizmente, esse tipo de colisão é raro, ocorrendo em média a cada 30 milhões de anos. Uma das mais recentes ocorreu em 1908 em Tunguska, na Sibéria, destruindo cerca de 30 km2 de floresta com a energia de 185 bombas de Hiroshima. Esse tipo de impacto, com frequência média de cem anos, pode causar sérios danos, mas não extinções globais. (No caso de Tunguska, o fragmento explodiu antes do impacto.)
Será que isso pode acontecer de novo? A Nasa tem um programa dedicado à caça de asteroides e cometas, com eficiência de cerca de 75%.
Asteroides ou cometas considerados ameaças globais podem ser detectados com dois anos de antecedência. Uma missão poderia ser enviada com o intuito de desviar a órbita do asteroide, evitando o impacto, como explico no livro "O Fim da Terra e do Céu".
A história das colisões que ocorreram na Terra nos ensina algo crucial sobre a vida: se a história tivesse sido outra, a vida aqui teria evoluído de forma diferente e não estaríamos aqui. Nossa existência é produto de eventos cósmicos de dimensão apocalíptica, acidentes que causaram mudanças drásticas nas condições terrestres, afetando as espécies e destruindo muitas delas.
Quando o balanço ecológico muda, mudam o equilíbrio dinâmico entre presa e predador e a distribuição de alimentos. A pressão ambiental leva a novas condições que vão beneficiar certas espécies em detrimento de outras.
Como cada planeta tem a sua história e nenhuma é idêntica, mesmo supondo que outras "quase-Terras" existam pela galáxia afora e que a vida exista nesses planetas, ela terá características diferentes. Consequentemente, humanos só existem aqui, resultado dos detalhes da história única de nosso planeta.
A história da vida num planeta reflete a história da vida do planeta. Como histórias planetárias não são duplicáveis num universo finito, somos únicos no Universo. Uma boa lição que os dinossauros nos ensinam, especialmente naqueles dias em que você não se sente lá muito importante. 

MARCELO GLEISER é professor de física teórica no Dartmouth College, em Hanover (EUA), e autor de "Criação Imperfeita". Facebook

Paul Krugman explica - e muito bem - a crise do euro.


Desnecessário apresentar Paul Krugmam, professor, escritor, prêmio Nobel de economia em 2008 e colunista de sucesso do New York Times. É um dos mais lúcidos e acreditados economistas do planeta. Ele escreve aos domingos para a Folha de São Paulo e seus artigos levam a marca da inteligência e da didática de um professor. São sempre excelentes. Não os publico na totalidade, pois a maioria tem cunho muito técnico e seriam enfadonhos para nós, os seres comuns que vivemos em outra realidade.
O artigo que está abaixo fugiu (um pouco) a essa regra. Krugman nos oferece uma brilhante análise da crise econômica que assola a Europa e a Zona do Euro como ainda não havia lido em nenhum outro jornal ou revista. Se o leitor ainda não entendeu direito essa famosa crise que aparece todos os dias e em todos os jornais do mundo inteiro vai compreendê-la lendo esse texto. 


São Paulo, sábado, 19 de maio de 2012Mundo

Clique na imagem e visite o site

 Apocalipse logo

A resposta europeia para a crise econômica foram medidas de austeridade, cortes ferozes de gastos
Subitamente se tornou fácil perceber como o euro -aquela grande e equivocada experiência de construção de uma união monetária desacompanhada de união política- pode se desmantelar.
Não estamos falando de uma perspectiva distante, aliás.
Isso não precisa acontecer. O euro (ou a maior parte dele) ainda pode ser salvo. Mas a tarefa requereria que os líderes europeus, especialmente os da Alemanha e do BCE (Banco Central Europeu), começassem a agir de modo muito diferente do que vêm fazendo nos últimos anos. Precisam deixar de dar lições de moral e enfrentar a realidade; precisam deixar de contemporizar e, pelo menos uma vez, agir antes da crise.
Eu bem que gostaria de me declarar otimista.
A história, até aqui: Quando o euro foi criado, surgiu uma grande onda de otimismo na Europa. A Espanha e outros países passaram a ser vistos como investimentos seguros e começaram a receber grandes influxos de capital; essa entrada de dinheiro alimentou imensas bolhas no setor de habitação e imensos deficit comerciais. E então veio a crise financeira de 2008 e o capital desapareceu, causando severas contrações em diversos países que vinham em expansão até ali.
A resposta europeia foram medidas de austeridade; cortes ferozes de gastos em um esforço para reassegurar os mercados de títulos. Mas, como qualquer economista sensato poderia ter dito (e o fizemos, o fizemos), esses cortes aprofundaram a depressão nas economias europeias em crise, o que tanto solapou a confiança dos investidores quanto resultou em crescente instabilidade política.
E agora finalmente surge o momento da verdade.
A Grécia é o ponto focal, por enquanto. Os eleitores, compreensivelmente irritados com políticas que resultaram em desemprego de 22%, voltaram-se contra os partidos que as propuseram. E porque toda a elite política grega foi, na prática, forçada a endossar uma ortodoxia econômica fadada ao fracasso, a repulsa dos eleitores resultou em um ganho de poder para os extremistas.
Mesmo que as pesquisas estejam erradas e a coalizão governista de algum modo conquiste maioria na próxima votação, a partida está basicamente perdida. A Grécia não quer e não pode manter as políticas que a Alemanha e o BCE exigem.
O que acontece agora? No momento, a Grécia está passando por uma chamada "corridinha aos bancos". O BCE está, na prática, financiando essa corrida aos bancos, ao emprestar os euros de que a Grécia precisa para honrar os saques; se e (provavelmente) quando o Banco Central decidir que não pode mais fazê-lo, a Grécia se verá forçada a abandonar o euro e voltar a emitir uma moeda própria.
A demonstração de que o euro é de fato reversível resultaria, por sua vez, em corridas aos bancos espanhóis e italianos. O BCE teria de uma vez mais decidir se vai oferecer financiamento irrestrito; caso não o faça, o euro pode simplesmente estourar por completo.
Todos nós, portanto, temos grande interesse no sucesso europeu -mas cabe aos europeus conquistar esse sucesso. (Tradução de PAULO MIGLIACCI)


Caso queira ler o artigo na formatação original clique na imagem acima