28 de dez. de 2014

Papa Francisco jogou duro com os Cardeais da Cúria Romana.


http://3.bp.blogspot.com/-LnkIxCFjriQ/UacLwRUQrJI/AAAAAAAACvA/fB5NFBNe0jM/s1600/Papa+Francisco.jpg



O Papa Francisco está provocando verdadeiros tsunamis na Cúria Romana. Além das muitas mudanças que está levando a efeito nas relações do Vaticano com o seu próprio público interno, o Papa está alterando a face da Igreja para o resto do mundo com iniciativas e ações que eram impensáveis sob o comando dos dois papas anteriores. Vide, por exemplo, a reaproximação da Igreja com outras religiões, a intervenção transparente no Banco do Vaticano e recentemente o trabalho diplomático feito na reaproximação dos Estados Unidos e Cuba.
No último dia 22 o Papa deu uma nova e vigorosa sacudidela na Cúria. Ao receber em audiência os cardeais, bispos e altos funcionários da Cúria Romana para os tradicionais votos de Boas Festas o Santo Padre, no seu discurso surpreendeu a todos ao se referir às quinze doenças da Cúria. Ao apontar estas quinze doenças ou tentações o Papa Francisco esclarece que não dizem respeito apenas à Cúria Romana mas são um perigo para qualquer cristão, diocese, comunidade, congregação, paróquia e movimento eclesial.

Com uma lucidez dos mais tarimbados executivos o Papa listou os pontos que poluem não só a Cúria do Vaticano, mas todas as comunidades e organizações corporativas que existam na face da terra. E criou algumas expressões que certamente serão muito utilizados pelos palestrantes e autores de assuntos motivacionais e corporativos. Vejamos alguns da lista que está detalhada no artigo abaixo que transcrevi do site da Rádio Vaticano: "Martalismo" - "Alzheimer espiritual" - "Esquizofrenia existencial" e "Cara fúnebre".
Além dessa novidade o Papa citou entre seus quinze pontos alguns já conhecidos que quem vive o universo corporativo como, por exemplo, "excessiva planificação" - "Má Coordenação" - "Mexericos" - "Círculos fechados" e "Cortejar os chefes". Não é notável?
Francisco foi duríssimo com seus cardeais. Não poupou palavras e deu um verdadeiro esporro nos seus próprios eleitores. Leiam como ele diagnosticou aqueles que têm a doença da "Esquizofrenia Existencial: “vivem uma vida dupla fruto da hipocrisia típica do medíocre e do progressivo vazio espiritual que licenciaturas e títulos acadêmicos não podem preencher”.  E dos Mexericos (nossa tradicional fofoca) o que ele disse? "Nunca é demais falar desta doença. Podem ser homicidas a sangue frio. É a doença dos velhacos que não tendo a coragem de falar diretamente falam pelas costas. Defendamo-nos do terrorismo dos mexericos";

Dá para imaginar ódio que o Papa Francisco despertou nos poderosos cardeais da Cúria Romana! As reações ainda estão por vir. Como tudo que acontece (ou acontecia...) naquela corporação as oposições e resistências serão veladas e silentes. É a fama do Vaticano. Tomara que não aconteça!
Mas vamos ao que nos interessa. Recomendo a todos os "habitantes" dos mundos corporativos que leiam com atenção os quinze pontos elencados. Raramente se verá novamente uma autoridade do porte do Papa e um Chefe de Estado que ele também o é, divulgar para o mundo as mazelas ou “doenças” (como ele mesmo definiu) com tanta abertura. Que sirva de exemplo para todos quantos exercem posição de comando, conhecem as “doenças” de suas corporações e não têm coragem de enfrentá-las.



(22/12/2014) 
O Papa Francisco recebeu em audiência na Sala Clementina os membros da Cúria Romana para os tradicionais votos de Boas Festas. No seu discurso o Santo Padre referiu as quinze doenças da Cúria convidando todos a pedirem perdão a Deus que “nasce na pobreza da gruta de Belém para nos ensinar a potência da humildade”. O Papa pede um verdadeiro exame de consciência na preparação do Natal.

Ao apontar estas quinze doenças ou tentações o Papa Francisco esclarece que não dizem respeito apenas à Cúria Romana mas são um perigo para qualquer cristão, diocese, comunidade, congregação, paróquia e movimento eclesial.

O Papa Francisco observou que “seria belo pensar na Cúria Romana como um pequeno modelo de Igreja, ou seja, como um corpo que tenta seriamente e quotidianamente de ser mais vivo, mais são, mais harmonioso e mais unido em si próprio e com Cristo.”

O Santo Padre afirmou ainda a Igreja não pode viver sem ter uma relação vital, pessoal e autêntico com Cristo. “Vai nos ajudar o catálogo das doenças, na esteira dos padres do deserto” – afirmou o Papa Francisco que passou a apresentar as quinze doenças ou tentações:
  1. Sentir-se imortal ou indispensável – “Uma Curia que não faz auto-crítica, que não se atualiza é um corpo enfermo”. É o “complexo dos eleitos, do narcisismo”;   
  2. Martalismo – provêm de Marta – é a doença do excesso de trabalho – os que trabalham sem usufruírem do melhor. A falta de repouso leva ao stress e à agitação;
  3. A mentalidade dura – ou seja, quando se perde a serenidade interior, a vivacidade e a audácia e nos escondemos atrás de papeis, deixando de ser “homens de Deus”;
  4. A excessiva planificação – “quando o Apóstolo planifica tudo minuciosamente e pensa que assim as coisas progridem torna-se num contabilista”. É a tentação de querer pilotar o Espírito Santo;
  5. Má coordenação – quando se perde a comunhão e o “corpo perde a sua harmoniosa funcionalidade”;
  6. O Alzheimer espiritual – esquecer a história do encontro com Deus. Perda da memória com o Senhor. Criam muros e são escravos de ídolos.
  7. Rivalidade e vã glória – quando o objetivo da vida são as honorificiências. Leva-nos a ser falsos e a viver um falso misticismo.
  8. Esquizofrenia existencial – “vivem uma vida dupla fruto da hipocrisia típica do medíocre e do progressivo vazio espiritual que licenciaturas e títulos acadêmicos não podem preencher”. Burocratismo e distância da realidade. Uma vida paralela.
  9. Mexericos – nunca é demais falar desta doença. Podem ser homicidas a sangue frio. “É a doença dos velhacos que não tendo a coragem de falar diretamente falam pelas costas”. Defendamo-nos do terrorismo dos mexericos;
  10. Cortejar os chefes – Carreirismo e oportunismo. “Vivem o serviço pensando unicamente àquilo que devem obter e não ao que devem dar”. Pode acontecer também aos superiores;
  11. Indiferença perante os outros – quando se esconde o que se sabe. Quando por ciúme sente-se alegria em ver a queda dos outros em vez de o ajudar a levantar”;
  12.  Cara fúnebre – para ser sérios é preciso ser duros e arrogantes. “A severidade teatral e o pessimismo estéril são muitas vezes sintomas de medo e insegurança”. “O apóstolo deve esforçar-se por ser uma pessoa cortês, serena, entusiasta e alegre e que transmite alegria...”. “Como faz bem uma boa dose de são humorismo”;
  13. Acumular bens materiais – “Quando o apóstolo tentar preencher uma vazio existencial no seu coração acumulando bens materiais, não por necessidade, mas só para sentir-se seguro”;
  14. Círculos fechados – viver em grupinhos. Inicia com boas intenções mas faz cair em escândalos;
  15. O lucro mundano e exibicionismo – “quando o apóstolo transforma o seu serviço em poder e o seu poder em mercadoria para obter lucros mundanos ou mais poder.
O Papa Francisco concluiu o seu discurso recordando de ter lido uma vez que “os sacerdotes são como os aviões, fazem notícia só quando caiem...”. “Esta frase” – observou o Papa – “é muito verdadeira porque delineia a importância e a delicadeza do nosso serviço sacerdotal e quanto mal poderia causar um só sacerdote que cai a todo o Corpo da Igreja” 

http://pt.radiovaticana.va/news/2014/12/22/papa_%C3%A0_c%C3%BAria_doen%C3%A7as_e_tenta%C3%A7%C3%B5es_para_exame_de_consci%C3%AAncia/1115679

18 de out. de 2014

É assédio moral? Denuncie!


http://3.bp.blogspot.com/-YvXcwHC7EP8/UxX8OjZjZYI/AAAAAAAAAO0/r-ubFF98HS8/s1600/hdhd.jpg


Escrever contra o assédio moral, motivacional, sexual ou qualquer que seja o tipo que se queira "classificar" me motiva muito. Talvez por ter sido vítima de assédio moral em determinado momento de minha carreira reajo de forma especialmente indignada quando tenho notícia de assédios nos ambientes de trabalho dos quais faça parte.
Tenho vários posts aqui no blog sobre o tema, mas não resisto a trazer mais um. A título de informação reavivo aqui a memória dos leitores sobre os tipos de assédios
  • Assédio moral é mais amplo que os outros e é especificamente relativo ao trabalho, onde o superior hierárquico tortura psicologicamente o empregado ou permite que o façam.
  • Assédio psicológico como um comportamento persistente, ofensivo, abusivo, intimidatório, malicioso ou insultuoso, abuso de poder ou sanções injustas, que fazem com que o agredido se sinta preocupado, ameaçado, humilhado ou vulnerável, minando a sua autoconfiança e provocando-lhe stress. É usado como sinônimo de assédio moral.
  • Assédio sexual é um tipo de coerção de caráter sexual praticada geralmente por uma pessoa em posição hierárquica superior em relação a um subordinado, pois nem sempre o assédio é empregador - empregado, o contrário também pode acontecer, normalmente em local de trabalho ou ambiente acadêmico. O assédio sexual caracteriza-se por alguma ameaça, insinuação de ameaça ou hostilidade contra o subordinado, com fundamento em sexismo. 
Pandemia não é desculpa para assédio moral: denuncie! - SindSaúde Paraná
Só conheço uma forma de reagir ao assédio - seja ele qual for - que é a denúncia; aberta e desabrida, corajosa e mais que nunca, determinada. O assediador é um covarde por natureza. Ele se esconde ou atrás da autoridade ou da intimidação psicológica contra sua vítima. A denúncia sempre o surpreende. Se for um flagrante com testemunha melhor ainda, mas expor o comportamento doentio dessa pessoa é a coisa certa a fazer.
Por onde andei como dirigente de equipes e empresas nunca tolerei o assédio, seja ele de qualquer tipo. Sempre joguei muito duro ao saber de algum caso. Mesmo que não conseguisse provas para abrir um processo me bastava comprovar o comportamento da pessoa, com os colegas e muitas vezes com os próprios assediados que o cara era imediatamente afastado do ambiente e colocado na lista negra. Se pudesse demiti-lo o fazia sem nenhum remorso. Nunca cometi uma injustiça.
Voltei ao tema para trazer ao blog um excelente artigo do jornalista André Cabette Fábio sobre essa praga dos assédios. Foi publicado no último dia 12 na Folha de São Paulo - Caderno dos Classificados. Vale a pena ser lido


Motivação ou assédio? 

Deixar de se envolver em treinamentos constrangedores causa receio, mas empresa não pode exigir participação nesses eventos

de  ANDRÉ CABETTE FÁBIO

Andar sobre brasas, levar borrifadas de água na cara e doses de sal grosso no corpo ou até dançar "Eguinha Pocotó". Todos esses métodos já foram usados por empresas brasileiras para motivar seus funcionários e fazer com que eles vendessem mais. Além de fatalmente acabarem na Justiça, essas práticas têm eficácia questionável.
"Muitas empresas importam modismos dos Estados Unidos sem uma atitude crítica. Essa cultura competitiva é bem típica dos americanos", diz Denize Dutra, que coordena o MBA de recursos humanos da FGV-SP.

Recentemente, a distribuidora de medicamentos Santa Cruz teve recurso negado pelo TST (Tribunal Superior do Trabalho), que a condenou a indenizar Grimaldo Lucas de Souza, 43, em R$ 50 mil por fazê-lo andar descalço sobre brasas em uma ação motivacional em 2006. 

Souza, que era gerente comercial em Belo Horizonte, conta que 150 pessoas participaram da atividade, entre elas uma funcionária com uma prótese de perna. 

O objetivo da ação era mostrar que os funcionários eram capazes de tudo se tivessem motivação para o trabalho. 

http://f.i.uol.com.br/folha/classificados/images/14284229.jpeg "Eu pensava: se eu não for, serei demitido? Vou virar o cara que puxou a equipe para baixo? Vou
virar piada?", afirma. Procurada, a empresa não comentou o caso. 

De acordo com André Camargo, coordenador de pós-graduação em direito do Insper, as empresas não devem obrigar os funcionários a participar de ações que julgam desagradáveis e têm que deixar isso claro para eles. 

"A pessoa é levada a participar de muitas atividades porque há um discurso subliminar de que quem não participa não é proativo e não tem iniciativa", avalia Dutra
.

DÁ RESULTADO?
 

Para Leni Hidalgo, que leciona sobre liderança no Insper, esse tipo de prática molda o comportamento via punição, mas não motiva --ou seja, pode até funcionar por causa da pressão exercida sobre o funcionário. 

Para motivar uma pessoa, é preciso que ela se identifique com a razão de ser da companhia, que pode ser inovação, atuação global ou sustentabilidade, por exemplo. 

Lourdes Scalabrin, diretora estratégica do Grupo Empreza, que trabalha com seleção e treinamento, defende a motivação diária, com reuniões de equipe que façam com que o funcionário se sinta reconhecido e seguro. 

"Não adianta só fazer discursos ou dinâmicas", afirma JB Vilhena, presidente do Instituto MVC, uma consultoria em relações humanas. 

Campanhas e concursos pontuais servem para resultados rápidos sobre equipes de vendas, por exemplo. "Viagens, bônus ou mesmo reconhecimento em rankings ou com uma carta do presidente para os que vendem mais não custam muito, mas motivam", afirma Scalabrin. 

Vilhena, do MVC, diz que o enfoque em competição está ultrapassado. Ele defende treinamentos que promovam a ação em grupo. 

"Há uma proposta em que a equipe organiza um jantar compartilhado. No final, é preciso conversar sobre como o trabalho em grupo dá resultados melhores", diz. 


ASSÉDIO MOTIVACIONAL
 

Se valorizar os melhores pode motivar a equipe, apontar quem tem os piores resultados pode ter o efeito contrário e abre espaço para processos na Justiça, pondera Scalabrin, do Grupo Empreza. 

http://f.i.uol.com.br/folha/classificados/images/14284231.jpeg
A operadora de telemarketing Fernanda Ribeiro, 35, trabalhou de 2008 a 2010 vendendo jazigos por telefone. 

"Na hora em que o gerente ia embora, ele apontava quem não tinha vendido e tocava a música da novela Escrava Isaura'. Era um clima muito forçado", lembra. 

O mesmo chefe borrifava água e fazia os funcionários dançarem quando vendiam pouco. Daniel Gonçalves, advogado de Ribeiro, afirma que ela recebeu R$ 3.900 por danos morais da empresa.
Um caso de que ganhou repercussão nacional é o do grito motivacional do Walmart. Dezenas de funcionários processaram a empresa alegando terem sido coagidos a cantar e dançar.

A rede informa que o grito busca descontrair e que a participação é opcional. 
  •  
Recomendações que os dirigentes de grupos de trabalho das empresas devem buscar cumprir para não exagerar nos seus estilos motivacionais: