1 de jun de 2013

"Ciência da Força de Trabalho", conheça essa novidade no mundo do emprego - Folha de S.Paulo / NYTimes

http://www.inc.com/uploaded_files/image/feature-100-hiring-traps-pop_11397.jpg

Deparei-me com esse curioso artigo que li no caderno do New York Times que a Folha de São Paulo publica nas segundas feiras. Curioso porque o texto aborda um tema que é novidade no mundo corporativo.
Atualmente e desde há muito tempo grandes corporações contratam seus empregados utilizando mecanismos tradicionais que envolvem, basicamente: análise dos currículos, testes psicotécnico, entrevistas, avaliações de perfil e por ai vai. Aqui e acolá surge alguma inovação que logo é substituída por outra novidade e logo adiante descartada. Tudo girando em torno do mesmo eixo. O que li no artigo que trago ao blog me parece algo mais insinuante em termos de metodologia e política de contratações. 
Vamos partir do objetivo tradicional para um processo de seleção de empregados. O alvo é a "procura de pessoas capazes de agir com criatividade, iniciativa e autonomia, que se integrem em um esforço coletivo na busca de excelência no atendimento ao cliente". E vai mais adiante na clássica definição. "É necessário identificar a qualidade e o potencial dos candidatos tendo em vista que o processo de contratação é o resultado do ajustamento entre si das três formas complexas e em constante mutação: o candidato, a empresa e o mercado" (clique aqui). Nem é preciso comentar o quanto de conservadorismo está contido nessa definição.
O texto do jornalista Steve Lohr do New York Times nos informa de um novo campo de estudos nessa área que ele chama de "Ciência da Força de Trabalho". Essa novidade busca trazer para o interior dos procedimentos de contratação novas "análises de dados para a gestão de RH, a qual tradicionalmente se baseia na intuição e nas práticas estabelecidas para guiar contratações, promoções e planos de carreira".
A base do estudo é que o passado de um candidato a emprego não é mais tão http://carreiras.empregos.com.br/imagens/RH/rh_160610/contratacao.jpgsignificativo quanto se supunha. O perfil a ser examinado para uma futura contratação passa a ser composto por outros fatores que estão intimamente ligados às atividades e comportamentos que podem ser coletados, por exemplo, no mundo digital por onde trafegam os candidatos tais como redes sociais, blogs, chats, etc. 
Vou parar meu comentário por aqui para não esvaziar o texto do artigo que é dos mais interessantes. Antes, vou pedir que conheçam dois trechos que coloco abaixo para provocar a curiosidade de quem esteja lendo o post:
  • [...] Um diretor de marketing da IBM observou que, tradicionalmente, se supunha que ser extrovertido seria um traço definidor de um bom vendedor, mas suas pesquisas mostram que as características mais importantes para o sucesso nas vendas são a persistência e a coragem emocional." [...]
  • [...] "Durante anos, candidatos a empregos no Google foram avaliados segundo seu desempenho escolar. Mas esses fatores não previam o sucesso. O Google concluiu que os trabalhadores mais inovadores - e também os "mais felizes" - são os que têm um forte senso de missão a respeito do seu trabalho e que também sentem ter muita autonomia pessoal." [...]
Vamos à leitura.

Patrões garimpam dados para avaliar empregado (Por STEVE LOHR)

É comum que os empregadores evitem contratar candidatos que pulam de emprego em emprego, ou que estão há muito tempo desempregados. O passado é um prenúncio, supõem as empresas. Mas os dados mostram que não é bem assim, e que o histórico de um candidato não indica resultados futuros.
http://www.tribunadoceara.com.br/blogs/kezya-diniz/files/2012/05/cidad%C3%A3o.jpg
Essa é uma das surpreendentes conclusões da chamada "ciência da força de trabalho", um novo campo de estudos que traz as análises de dados para a gestão de RH, a qual tradicionalmente se baseia na intuição e nas práticas estabelecidas para guiar contratações, promoções e planos de carreira.
Cada e-mail, mensagem instantânea e clique no mouse deixa um sinal digital. Esses padrões podem agora ser recolhidos e garimpados a baixo custo, fornecendo informações sobre como as pessoas trabalham e se comunicam e, potencialmente, abrindo portas para mais eficiência e inovação nas empresas.
A tecnologia digital também abre a possibilidade de avaliações de personalidade mais detalhadas e numerosas.
"O coração da ciência é a medição", disse Erik Brynjolfsson, diretor do Centro de Negócios Digitais da Escola de Administração Sloan, parte do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). "Estamos vendo uma revolução na medição, e ela vai revolucionar a economia organizacional e a economia pessoal."
A tecnologia de coleta de dados gera questionamentos acerca da vigilância sobre os trabalhadores. "O maior problema aqui é que todas essas métricas do local de trabalho estão sendo coletadas quando você, como trabalhador, está basicamente atrás de um espelho unidirecional", diz Marc Rotenberg, diretor-executivo do Centro de Informação da Privacidade Eletrônica. "Você não sabe quando os dados estão sendo coletados e como são usados."
As empresas veem a força de trabalho como um patrimônio valioso. Em dezembro passado, a IBM concluiu a aquisição, por US$ 1,3 bilhão, da Kenexa, uma empresa de recrutamento, contratação e treinamento que pesquisa e avalia 40 milhões de candidatos a empregos, trabalhadores e gestores por ano.
http://static.portaleducacao.com.br/arquivos/imagens_artigos/14022013164731Fechando%20acordos%20-%20Entrando%20em%20concord%C3%A2ncia%20-%20Administradores%20-mod.jpg
Tim Geisert, diretor de marketing da unidade da IBM encarregada da Kenexa, observou que, tradicionalmente, se supunha que ser extrovertido seria um traço definidor de um bom vendedor, mas suas pesquisas mostram que as características mais importantes para o sucesso nas vendas são a persistência e a coragem emocional. Cientistas da Knack, uma startup do Vale do Silício, usam jogos de computador e uma constante mensuração para testar a inteligência emocional, habilidades cognitivas, memória e a propensão a assumir riscos.
Durante anos, candidatos a empregos no Google foram avaliados segundo seu desempenho escolar. Mas esses fatores não previam o sucesso, segundo Prasad Setty, vice-presidente de análise de pessoal da empresa. O Google concluiu que os trabalhadores mais inovadores - e também os "mais felizes", conforme sua definição - são os que têm um forte senso de missão a respeito do seu trabalho e que também sentem ter muita autonomia pessoal.
Neil Rae, da Transcom, operadora global de "call centers", ficou impressionado com um projeto do ano passado com a Evolv, uma startup de San Francisco que usa dados científicos para assessorar empresas. Com isso, disse ele, existe a expectativa de cortar custos e melhorar os serviços, com menos rotatividade de empregados. "Isso torna a contratação mais científica e menos subjetiva", disse ele.

As imagens e os destaques de textos não fazem parte do artigo original. Foram inseridos pelo blog para melhor entendimento dos leitores.

2 comentários:

  1. Oi, Herbert!!
    Uma boa olhada nas redes sociais do futuro empregado pode dar pistas de como é a sua personalidade. Se muito extrovertido poderá ser o caos para a empresa, pois o extrovertido tende a ser impulsivo.
    Indico a leitura de "Inteligência positiva" (se é que já não leu) de Shirzad Chamine - em referência aos bancos escolares e aos empregos anteriores, ele mostra como usá-los positivamente, já que em um dado momento da vida profissional esses mesmos dados podem ser sabotadores para um bom emprego no futuro.
    Boa semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara Luma, primeiramente registro a alegria de receber-te aqui, pois és uma das mais presentes e poderosas blogueiras que conheço. Fico honrado, pois sei do prestígio que desfrutas na blogosfera.
      "Segundamente" - como diria o "Coronel Odorico Paraguaçu" - direi que entendeste perfeitamente o "espírito" da nova abordagem que exponho no post. Enquanto os fiéis das redes sociais se divertem abrindo suas almas, as empresas estão seguindo-os em permanente e oculta garimpagem para "descobrir" seus perfis, formas de pensar e comportar, atitudes e por ai vai. Um verdadeiro Big Brother que ao invés de câmeras ostensivas usam os cliques na internet para conhecer nossas relações pessoais, as imagens que revelam nossas preferências, os posts que escrevemos... É assim que usam as redes para invadir as vidas de quem lhes interessa.
      Por fim aceito a tua indicação do livro de Shirzad Chamine. Não li, mas vou ler. Já encomendei. De resto um grande abraço e sucesso sempre. Que a vida continue a te sorrir.

      Excluir

Blogs que me encantam!


..saia justa......† Trilha do Medo ♪....Blogueiros na Web - Ensinando o Sucesso no Blogger e Wordpress!..Emprego Virtual..Blog Ebooks Grátis....http://3.bp.blogspot.com/_vsVXJhAtvc8/ShLcueg5n2I/AAAAAAAACqo/sOQqVTcnVrc/S1600-R/blog.jpg..http://lh6.ggpht.com/_vc1VEWPuSmU/TN8mZZDF9tI/AAAAAAAAIJY/GWQU-iIvToI/banner-1.jpg....Divulgar textos | Publicar artigo....tirinhas do Zé........

Estatística deste blog: Comentários em Postagens Widget by Mundo Blogger

Safernet



FinderFox

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin