15/10 - DIA DO PROFESSOR

15/10 -  DIA DO PROFESSOR
O Dia dos Professores é comemorado no Brasil anualmente em 15 de outubro. A data foi criada para homenagear esses profissionais que dedicam suas vidas à transmissão do conhecimento e ao desenvolvimento da educação no nosso país. Trata-se de um feriado escolar e não faz parte do calendário oficial como feriado nacional ou ponto facultativo. Portanto, é prerrogativa das escolas não ofertarem aula neste dia. O dia 15 de outubro foi escolhido para comemorar o dia do professor, pois em 15 de outubro de 1827, Dom Pedro I, Imperador do Brasil, decretou uma Lei Imperial responsável pela criação do Ensino Elementar no Brasil (do qual chamou “Escola de Primeiras Letras”), e através deste decreto todas as cidades deveriam ter suas escolas de primeiro grau. A comemoração começou em São Paulo, onde quatro professores tiveram a ideia de organizar um dia de parada para celebrar esta data, e também traçar novos rumos para o próximo ano. Esta data foi oficializada nacionalmente como feriado escolar através do Decreto Federal nº 52.682, de 14 de outubro de 1963. O Decreto define a razão do feriado: "Para comemorar condignamente o Dia dos Professores, os estabelecimentos de ensino farão promover solenidades, em que se enalteça a função do mestre na sociedade moderna, fazendo participar os alunos e as famílias". A nível internacional, o Dia Mundial dos Professores é celebrado anualmente em 5 de outubro.

sábado, maio 18, 2013

Conheça os efeitos da crise econômica na Zona do Euro.


A crise econômica no mundo e notadamente na Zona do Euro / União Europeia afeta o planeta inteiro. Por ser um assunto cujo entendimento não alcança o interesse das multidões, as pessoas não se interessam muito por conhecer razões e detalhes desse fenômeno que está derrubando economias antes estáveis. Os efeitos da crise estão causando desempregos em massa, desajustando as vidas de milhões de famílias e irradiando seus efeitos perversos para todos os países. 
Confesso que estou entre aqueles cujo interesse no tema é apenas tópico, mas tenho - como muitos - a percepção do quanto estão sofrendo as populações dos países atingidos. O Brasil não está imune. Embora nossa economia não esteja no mesmo nível daquelas que na Europa estão no "olho do furacão" estamos convivendo com alguns dos reflexos. Dou como exemplo os sinais de inflação que despontam no horizonte obrigando o governo a adotar medidas de impacto para não deixá-la fluir livremente. 
É bem verdade que não temos desemprego nos níveis cruéis da Espanha, por exemplo, onde milhões de pessoas - principalmente os jovens - estão sem trabalho há muito tempo.
O Brasil está buscando atrair parte dessa massa de desempregados para cobrir deficit que existe em áreas como medicina e engenharia, apesar da grita contrária das entidades corporativas por aqui.
Legenda no muro:"Espere meu jovem, você não pode escapar do desemprego fugindo
Tudo está ligado à crise econômica mundial com foco maior na Zona do Euro. Por isso estou colocando aqui no blog uma imagem que capturei na edição de segunda feira passada na Folha de São Paulo, caderno do New York Times. Foi a melhor representação gráfica que já vi da crise na Europa. 
Olhem com atenção para verificar os níveis em que estão os países com relação à recessão, à variação dos seus PIBs e as taxas de desemprego. Observem, por exemplo, que a Grécia está em recessão extrema com PIB negativo de 6,4 % e desemprego de 27,2 %. Na Espanha esse índice é de 26,7 enquanto o PIB está negativo (recessão) em 1,4 %. Em Portugal a recessão aponta o PIB negativo de 3,2 % e o desemprego em  17,5. É desesperador. E não há sinais evidentes de melhoria e um medo avassalador de uma recessão generalizada cujas consequências são imprevisíveis
.

3 comentários:

  1. Vendo esta situação em países ditos avançados, que nos vendem "modernas" teorias de administração, fico pensando o que nos acontecerá quando a aparente bonança econômica passar e tivermos que lançar mão de nossas ferramentas de gestão...

    SDS

    JB

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá JB! De fato, esse é o sentimento que está subjacente às nossas preocupações quando conhecemos a realidade dos países do chamado primeiro mundo. Na verdade a nossa sociedade prefere nem conhecer. Tanto é assim que quando as pessoas se aprofundam um pouco mais nessa realidade ficam meio assustadas e pensam exatamente como você disse: - Se acontecer por aqui como faremos?
      Grato pela visita e pelo comentário. Você está sempre dando um brilho especial na Oficina de gerência.

      Excluir
  2. Olá. Preciso desenvolver um trabalho, onde falo da Crise Economica na Zona do Euro, estou buscando na internet e gostaria de algumas indicações caso seja possivel: sites e reportagens que falam diretamente do assunto. Muito Obriagda

    Tatiana Sampaio

    ResponderExcluir