15/10 - DIA DO PROFESSOR

15/10 -  DIA DO PROFESSOR
O Dia dos Professores é comemorado no Brasil anualmente em 15 de outubro. A data foi criada para homenagear esses profissionais que dedicam suas vidas à transmissão do conhecimento e ao desenvolvimento da educação no nosso país. Trata-se de um feriado escolar e não faz parte do calendário oficial como feriado nacional ou ponto facultativo. Portanto, é prerrogativa das escolas não ofertarem aula neste dia. O dia 15 de outubro foi escolhido para comemorar o dia do professor, pois em 15 de outubro de 1827, Dom Pedro I, Imperador do Brasil, decretou uma Lei Imperial responsável pela criação do Ensino Elementar no Brasil (do qual chamou “Escola de Primeiras Letras”), e através deste decreto todas as cidades deveriam ter suas escolas de primeiro grau. A comemoração começou em São Paulo, onde quatro professores tiveram a ideia de organizar um dia de parada para celebrar esta data, e também traçar novos rumos para o próximo ano. Esta data foi oficializada nacionalmente como feriado escolar através do Decreto Federal nº 52.682, de 14 de outubro de 1963. O Decreto define a razão do feriado: "Para comemorar condignamente o Dia dos Professores, os estabelecimentos de ensino farão promover solenidades, em que se enalteça a função do mestre na sociedade moderna, fazendo participar os alunos e as famílias". A nível internacional, o Dia Mundial dos Professores é celebrado anualmente em 5 de outubro.

quarta-feira, janeiro 15, 2020

Possuir a arte da conversação. (A Arte da Sabedoria Mundana)


Tenho enorme satisfação de reapresentar*, aos leitores do blog, o livro "A Arte da Sabedoria Mundana", escrito por Baltazar Gracián, no século 17, na Espanha.
É considerado um dos maiores clássicos da literatura universal. Trago-o aqui porque tem tudo a ver com a atividade corporativa mais importante das nossas vidas, o conviver com as pessoas.
É um livro, sobretudo, inteligente. Exige atenção especial ao texto e à construção das frases; é também um livro de cabeceira, sábio e atual apesar de ter 300 anos de idade. Indispensável; prende a atenção de forma contínua; é divertido, sarcástico e de certa forma cínico (no sentido de ser satírico e mordaz, sem apelar para a desfaçatez ou o descaro).
.
"Ao longo dos séculos, a humanidade produziu três grandes e eternos livros de sabedoria: O Príncipe, de Maquiavel, A Arte da Guerra, de Sun-Tzu e A Arte da Sabedoria Mundana: Um Oráculo de Bolso. Escrito há trezentos anos por um dos maiores escritores espanhóis - um erudito jesuíta, observador arguto dos poderosos - este clássico extraordinário mescla como nenhum outro a sabedoria espiritual com a arte de viver. Extremamente atual e moderno, mostra o talento de um autor intransigente com a insensatez humana e capaz de sintetizar com precisão as eternas indagações da consciência." (texto da contra capa do livro-Editora Best Seller/Círculo do Livro)

Conheça abaixo o texto inicial da introdução do livro escrito em maio de 1991 por Christopher Maurer - professor de espanhol da Universidade de Illinois-Chicago, especialista em Baltazar Gracián - A editora é a Best Seller e pode ser encontrado em qualquer site de vendas ou livrarias.
.
"A arte da sabedoria mundana: um oráculo de bolso" é um livro de estratégias para conhecer, julgar e agir: para se avançar no mundo e alcançar a distinção e a perfeição.
Trata-se de uma coleção de trezentos aforismos divertidos demais para não partilhar com amigos e colegas, perspicazes demais para não esconder de ini­migos e rivais.
São seus leitores ideais aqueles cuja ocupação envolve o trato com os outros: descobrir-lhes as intenções, gran­jear seu favor e amizade, ou, por outro lado, frustrar-lhes os pla­nos e "derrotar-lhes a vontade"
"O Oráculo de bolso pondera a respeito de uma dualidade cara ao século XVII e também ao nosso: vê a vida como uma guerra que envolve tanto o ser quanto o parecer, tanto a aparência quanto a realidade. Dá conselhos não apenas aos especialistas em marketing pessoal, mas também aos francos: àqueles que insistem em que a substância, não a imagem, é que importa de fato. "Faça, mas também pareça", recomenda Gracián com ênfase (aforismo 130)"
"O Oráculo tem sido falado em muitas línguas, sendo ouvido com admiração e saudado com louvor. Foi imitado por La Rochefoucauld, que dele tomou conhecimento no salão de sua amiga Mme. de Sablé, apreciado por escritores tão diversos quanto Joseph Addison e Friedrich Nietzsche, e carinhosamente traduzido para o alemão por Arthur Schopenhauer." [...] 
  •  
Arrows gif filePara reestrear os novos posts de "A Arte da Sabedoria Mundana" escolhi um dos aforismos mais visitados na primeira postagem que fiz na Oficina (mais de 1.200 acessos). É o de numero 148 que versa sobre a "Arte da Conversação". Leiam o que escreveu Baltazar Gracián no século 17
"Possuir a arte da conversação é a medida de uma pessoa verdadeira. Nenhuma atividade humana exige mais atenção por­que nenhuma é mais comum.
É aqui que ganhamos ou perdemos.
Requer prudência escrever uma carta, que é a conversa pensada e escrita, e ainda mais conversar, pois a discrição é logo posta à prova.
Os entendidos tomam o pulso da alma na língua, e baseado nisso um sábio disse: "Fale, e será conhecido".
Para alguns, a arte da conversação está em não ter nenhuma arte em absoluto, dei­xando-a adequar-se livremente, como a roupa. A ideia talvez seja válida quanto à conversa entre amigos. Em círculos mais eleva­dos, a conversação deve ser mais grave, revelando a excelente substância da pessoa.
A fim de conversar com sucesso, tem de se adaptar ao temperamento e inteligência dos outros. Não ban­que o censor de palavras — pois será tomado como um gramático —, e muito menos o fiscal das opiniões — o que fará com que os outros o evitem, impedindo-o de se comunicar. Na conversa, a discrição é mais importante que a eloquência."

Nenhum comentário:

Postar um comentário