22 de fev de 2014

Seu emprego é chato?

http://blu.stb.s-msn.com/i/CF/DB1EACCE4DEC44FFFA992687595C82_h400_w598_m2_q90_czIbEPtAc.jpg
Quem nunca passou por um "emprego chato" que atire a primeira pedra!
Creio que o clichê serve perfeitamente para abrir esse post que trata de um assunto que ninguém quer ver perto de si. Refiro-me ao desconforto da insatisfação com o seu próprio trabalho, com aquele tédio que não cessa...
Para aqueles mais jovens que estejam iniciando suas trajetórias profissionais pode até parecer um exagero dizer que determinado emprego possa ser enfadonho, maçante e tedioso. Lamento dizer a estes moços e moças que estão redondamente enganados.
Primeiramente devo fixar que os empregos chatos podem ser encarados de duas maneiras bem básicas:
  1. O trabalho é realmente desagradável, enfadonho, monótono ... Seja para qualquer um o tipo de trabalho não vai mudar. Será sempre chato e ninguém dirá que é feliz. Prefiro não listá-los. Quem parar para pensar um pouquinho vai reconhecê-los.
  2. O trabalho é chato porque o trabalhador não tem a vocação, competência, ou habilidade para desempenhá-lo a contento ou com sucesso. Aqui se inserem aqueles que "por engano" foram escolhidos pelos ocupantes.
Vou me fixar neste segundo tipo. O verdadeiro emprego chato é aquele para o qual não temos a menor vontade de executá-lo e ficamos - seja por razões financeiras ou pessoais - insistindo em permanecer nele. É torturante permanecer nessa situação. As consequências são perigosas para o comportamento, a saúde e a auto-estima.
Alguns sintomas desse estresse: tensão muscular, como por exemplo aperto de mandíbula, dor na nuca; esquecimento de coisas corriqueiras, como esquecer o número de um telefone que usa com frequência; irritabilidade excessiva; vontade de sumir de tudo; sensação de incompetência, de que não vai conseguir lidar com o que está ocorrendo; ansiedade e distúrbio do sono, ou dormir demais ou de menos; cansaço ao levantar (para ler mais sobre esses sintomas clique aqui.

Escolhi o artigo abaixo, retirado do site Economia/Carreiras cujo link de acesso está ao final do post. O título já é auto-explicativo. O mais curioso que aprendi no texto é que a palavra "trabalho" vem do latim tripalium, uma máquina de tortura usada no Império Romano. Que tal? É vivendo e aprendendo! 
10 dicas para sobreviver ao seu emprego chato
Especialistas contam como tornar o trabalho que você não gosta em algo um pouco mais agradável. 

Quem nunca acordou em uma segunda-feira querendo desaparecer ao invés de trabalhar? E depois passou o resto da semana contando quantas horas faltavam para o final do expediente na sexta-feira? Esta situação é comum a muitas pessoas e até normal, se for ocasional. No entanto, para quem trabalha com algo que não gosta e com atividades repetitivas, este sentimento desmotivacional passa a ser parte da rotina e começa a prejudicar não somente a vida profissional, mas também a pessoal.
Poucos sabem, mas a palavra trabalho vem do latim tripalium, uma máquina de tortura usada no Império Romano. E é assim que muitas pessoas encaram o seu emprego. Porém, por mais que você ache o seu trabalho chato, algumas atitudes podem tornar a sua situação um pouco mais agradável até que consiga uma nova oportunidade.
Para ajuda-lo a passar por esta fase sem muitos danos, o iG ouviu especialistas e criou uma lista com 10 dicas. Veja abaixo os passos para sobreviver a um emprego chato:

1- Enxergue seu sofrimento como temporário

Aceitar a sua infelicidade no emprego atual como irreversível é um engano. Desta maneira, você está se fechando para mudanças importantes em sua carreira e, provavelmente, carregará as mesmas frustrações para um próximo emprego ou para um próximo cargo que lhe for oferecido.
Por mais que a sua situação atual impeça que você abandone o seu trabalho chato, seja por contas a pagar, falta de condições para se qualificar ou pressão familiar, é preciso criar uma perspectiva de mudança e começar a enxergar sua situação como temporária. “Isso já lhe dá uma força, porque você começa a se empenhar não só para aquela coisa desprazerosa que é o seu dia a dia. Ele começa a ficar mais suportável, porque você já está olhando para frente, para o futuro”, comenta a psicóloga Luci Balthazar, da ProMover, empresa especializada em psicologia do trabalho.

2 – Seja criativo e fuja do tédio
Luci Balthazar
O tédio é um grande inimigo no trabalho. Atividades repetitivas e rotineiras acabam desmotivando e fazendo com que você perca o interesse no que faz, pois lhe passam a sensação de que você está sendo mal aproveitado. Sabendo que você é capaz de fazer coisas mais complexas, o ideal é que você pense em novas maneiras de executar as mesmas atividades de forma mais eficaz. “Isso ajuda não só a criar uma situação mais agradável e a enriquecer aos poucos a própria atividade, como também pode ser uma oportunidade de [o profissional] ser visado para uma posição maior, porque ele vai demonstrar no dia a dia que pode aprimorar seu trabalho”, conta a psicóloga.

3 - Busque aprender com seus líderes e colegas
Se você já domina a sua atividade atual a ponto de não conseguir encontrar nada de desafiador no que faz, talvez seja o momento de aprender novas funções. Observe seus colegas de outras áreas ou mesmo os seus líderes e escolha quais atividades deles mais lhe interessam. A partir daí, peça para que eles lhe ensinem aquela função e reserve um tempo do seu dia para praticá-la. Além de lhe trazer uma maior motivação, também pode abrir oportunidades para mudar de área dentro da companhia.

4 – Aprenda a lidar com seu chefe difícil
Um mau relacionamento com o seu líder dificulta o convívio e a criação de um bom ambiente de trabalho. Quando o seu chefe tem uma atitude abusiva, e até agressiva, a sua autoestima pode ser afetada. “Quanto mais submisso você for, mais o outro cresce. E se você bater de frente, você está na ponta mais fraca da corda e vai levar a pior”, observa Luci.
O recomendável nestes casos é aprender a lidar com o seu líder de maneira mais assertiva. Comece a dar sua opinião e impor a sua visão sobre algumas situações corriqueiras, mas com educação. “Não precisa gritar e nem fazer nada agressivo, mas você se torna mais forte quando começa a se impor e passa a ser respeitado. Seja por esse chefe ou por colegas”, avalia a psicóloga.


5 – Ocupe seu tempo livre com atividades produtivas
Por mais desanimador que tenha sido o seu dia no escritório, chegar em casa e assistir 5 horas seguidas de televisão não é a melhor solução. Tente se qualificar fazendo cursos e outras atividades que possam melhorar o seu currículo profissional. Desta maneira, você está criando uma boa perspectiva de mudança na carreira. 
Além disso, o consultor Sérgio Gomes, da Havik, empresa de recrutamento e desenvolvimento de profissionais, recomenda que a pessoa descubra uma atividade que goste de fazer, saiba fazer bem, possa ser praticada fora do horário de trabalho e ainda possa render um dinheiro extra. Por exemplo, um contador que goste de cozinhar pode começar o seu próprio negócio e vender refeições para fora, fazendo isso depois do seu expediente.

6 – Pratique esportes ou descubra um novo hobby
O lazer é essencial para manter a nossa mente desligada dos problemas. Aproveite o seu final de semana ou seu tempo livre para praticar esportes ou outras atividades relaxantes. Desta maneira, além de se distrair, você terá outras coisas para focar que não sejam as infelicidades do trabalho. 

7 - Aprenda mais sobre o negócio da empresa
Liana Westin
Ao trabalhar em grandes companhias, é normal não conseguir enxergar a sua influência no produto ou serviço final, principalmente se ocupa um cargo mais operacional. Neste caso, procure saber mais sobre como a sua atividade atinge os resultados da empresa e também quais são os planos da companhia no mercado. "Isso abre o horizonte. A pessoa pode se sentir orgulhosa do local onde trabalha. Ela vai se sentir engajada quando se sentir importante naquela empresa", observa Liana Westin, coach da Questão de Coaching.

8 – Fuja dos colegas negativos
A sua situação atual já não é a mais animadora, então o que você menos precisa é conviver com pessoas que vão lhe lembrar disto a todo o momento. Colegas que reclamam o tempo todo podem contaminar o ambiente com negatividade. Quando esses assuntos surgirem, tente mudar o foco da conversa ou não dê abertura para que o assunto continue. 

9 – Faça novas amizades
Se você pelo menos se der bem com os seus colegas de trabalho, o ambiente será mais agradável e, provavelmente, será menos sofrido acordar em uma segunda-feira para trabalhar com algo que não gosta, pois você reencontrará seus amigos e poderá compartilhar bons momentos com eles. Caso a sua atividade não permita que você tenha muito contato com outros funcionários durante o expediente, combine um happy hour semanal ou participe de reuniões sociais com seus colegas. No entanto, evite falar de trabalho durante estes encontros e busque conversar sobre amenidades.

10 – Peça demissão
Se mesmo com todas estas dicas você ainda encarar o seu emprego como uma tortura, comece a planejar a sua saída. O ideal, principalmente se quiser mudar de área de atuação, é que você tenha uma boa folga financeira antes de pedir demissão. É recomendável que você poupe o suficiente para ficar pelo menos seis meses sem nenhum tipo de rendimento até encontrar uma nova oportunidade que lhe agrade mais.
No entanto, lembre-se de não levar as frustrações do seu antigo emprego para a nova empresa e esteja aberto às mudanças. "Faz mais quem quer do que quem pode. A motivação é intrínseca. Se a pessoa não estiver aberta para fazer esse movimento, ela não vai sair do lugar", conclui Liana
http://economia.ig.com.br/carreiras/2014-02-22/10-dicas-para-sobreviver-ao-seu-emprego-chato.html

16 de fev de 2014

Generosidade Corporativa. Pratique-a todos os dias.

http://1.bp.blogspot.com/_q8idaF9K_KY/TEQ7pDCas5I/AAAAAAAABKc/AU5zxHpF8II/s400/um%2Bpor%2Btodos.jpgNão conheço melhor símbolo da generosidade corporativa do que a imagem dos "Três  Mosqueteiros" baseada no clássico de Alexandre Dumas, pai. "Um por todos, todos por um" como sabem é um lema eterno da amizade e do apoio de um time a qualquer um do grupo que esteja em dificuldades.
É disso que trata o excelente artigo que encontrei no site "Vida Útil - Carreira" da revista Época (links estão abaixo). "Seja generoso e ajude a si próprio" é o título que os autores da matéria escolheram e não poderia ter sido com maior propriedade.
Creio que posso falar a respeito pela minha própria experiência como executivo em várias fases da minha carreira até chegar à diretoria de algumas empresas da Administração Pública. 
Sempre e até por formação de caráter liderei equipes com o propósito pessoal de passar experiências, formar novos valores e auxiliar na progressão de quem estivesse interessado.
Não são poucos, dos meus ex-colegas e colaboradores, que reconheceram a minha participação direta na ascensão profissional que experimentaram. Acredito nisso. Acredito que é missão de quem chega a uma posição de comando ser um propulsor de carreiras, um formador de caráter para seus subordinados seja pelo exemplo, ou seja, como mentor.
É fato que essa não é a regra comum. São poucos os gerentes que se preocupem ou ocupem seus momentos de trabalho para orientar em forma de instrução seus subordinados em meio ao turbilhão de coisas que se movimentam em um ambiente corporativo. Há que gostar de fazê-lo, ter o espírito generoso e a humildade necessária para, ensinar, explicar e habilitar sem parecer pedante ou arrogante. Como devem perceber não é um encargo que se execute com facilidade ou com pouca importância.
Nunca me arrependi desse comportamento principalmente porque foram muitos os mestres, conselheiros e guias que me ajudaram na trajetória positiva que consegui percorrer na vida profissional. Apesar de ser um texto longo (afinal é de uma revista) recomendo a todos que por aqui passam que leiam o artigo, mas principalmente reflitam se estão praticando essa generosidade com os colegas, auxiliares e colaboradores. Em qualquer posição que ocupem dentro de uma corporação sempre haverá oportunidade de passar experiências, vivências e ensinamentos.
  •  

Não deixe de explorar os links que estão indicados no transcurso da leitura. Se desejar ler a matéria no site de origem pode buscar banner que está ao final do post.
http://en.clipart-fr.com/data/gif/bullets-1/animated_gif_bullets_270.gif
http://e.glbimg.com/og/ed/edg2/static_files/epoca/img/logos_gif/logo_Epoca_materia.gif
Clique no logotipo
http://s2.glbimg.com/uqsGbuUcJrjFKVSd5QanoZFOK6b79NWgoCwr6OIEIBhIoz-HdGixxa_8qOZvMp3w/e.glbimg.com/og/ed/f/original/2013/08/27/vu_novo_header_620x70.jpg
Clique no logotipo

Seja generoso e ajude a si próprio

Ao compartilhar conhecimento com inteligência, você ganha influência, produz talento, cria imagem de craque e ganha torcida  

(Autores: MARCOS CORONATO, COM ALINE IMERCIO E THAIS LAZZERI)
 
298
http://s2.glbimg.com/bpMtKh_d6TmX34sSGIOoC6UCXZU=/282x453/e.glbimg.com/og/ed/f/original/2014/01/24/capa_pequenahome817.jpgO radialista paulistano Allan dos Santos talvez não imaginasse, mas sua paciência estava garantindo a continuidade de uma corrente do bem. Em 2005, Santos, já um profissional experiente, empenhava-se em orientar e formar o então estagiário Ricardo Padovani, também radialista. Padovani considera-se, hoje, um profissional mais completo por causa da atenção que recebeu quando estava começando (ele e Santos trabalham atualmente em lugares diferentes). Anos depois, foi sua vez de assumir o papel de mentor. Seguiu o exemplo que havia recebido e doou atenção e conhecimento a uma estagiária, a cineasta e radialista Victoria Sayuri Freire. O empenho de Padovani contribuiu para que ela amadurecesse e fosse contratada. Hoje, Victoria, aos 21 anos, é roteirista e produtora na área de educação à distância do Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Ela e Padovani trabalham hoje em lugares diferentes. Mas a jovem lembra a forma generosa como foi tratada. “O Padovani me incentivou a assumir tarefas mais difíceis para mim naquele momento e valorizava meu trabalho diante dos outros”, diz.
É provável que Victoria também se comporte dessa forma no futuro, quando assumir o papel de mentora de outros jovens profissionais. Ninguém duvida que seja ótimo trabalhar com gente assim, e toda organização afirma querer, em seus quadros, profissionais que ajam pelo bem da equipe. Mas cada um tem direito a uma ampla margem de dúvida: vale a pena gastar tempo ajudando os outros, num ambiente tão frequentemente agressivo, competitivo e excludente como o mercado de trabalho? Tem sentido compartilhar com os outros recursos tão escassos e valiosos na vida profissional, como ideias, conhecimento, atenção, contatos, crédito e oportunidades? Não seria mais esperto tentar obter mais desses recursos e guardá-los para si?
http://en.clipart-fr.com/data/gif/bullets-1/animated_gif_bullets_270.gif

Seja generoso e ajude a si próprio (Foto: Marcos Lopes/ÉPOCA)Uma resposta surpreendente a essas dúvidas vem sendo oferecida pelo americano Adam Grant, Ph.D. em psicologia e professor na escola de negócios da Universidade da Pensilvânia. Ele afirma que a atitude generosa na vida profissional é a que oferece resultados mais extremos – por isso, se colocada em prática da maneira certa, é a mais indicada para quem quer o máximo de satisfação profissional (entenda-se aqui satisfação como conseguir o que se deseja, não necessariamente o salário mais alto). “Entre vendedores, engenheiros, médicos, os mais inclinados a ajudar os outros são também os que têm maior chance de falhar dramaticamente ou atingir enorme sucesso. Então, a questão a responder é: o que fazem os generosos que chegam ao topo?”, diz Grant. “O mais eficiente é ser altruísta, mas de maneira que não sacrifique nossos próprios objetivos e ambições.” O pesquisador se apoia em dezenas de estudos feitos desde os anos 1960 com grupos profissionais diversos, como arquitetos, executivos, professores e vendedores. Todos tratam das relações entre egoísmo e altruísmo, sucesso e fracasso. Foram feitos de forma independente uns dos outros, mas Grant extraiu deles uma visão coerente e singular.
O psicólogo imagina um espectro com diferentes comportamentos em relação a dar e receber recursos valiosos no trabalho, como ideias e contatos. Num extremo do espectro imaginado por Grant está o doador generoso desses recursos – o profissional que compartilha sem esperar nenhum pagamento ou vantagem imediata com isso. No outro extremo, situa-se o fominha devorador de recursos, o profissional agressivo que tenta doar o mínimo possível e extrair dos outros o máximo de vantagens. Entre os dois extremos, espalha-se a maioria das pessoas.


O senso comum diria que a ponta do espectro ocupada pelos fominhas agrupa também os mais bem-sucedidos, os gênios solitários e os fora de série. Afinal, o sujeito agressivo e ambicioso, quando mostra também competência, viraria um tipo de pistoleiro de sua área, capaz de infundir admiração entre os chefes e terror no coração dos oponentes. O senso comum diria também que o povo na metade mais generosa da régua, embora seja o mais agradável de conviver, não consegue resultados impressionantes. Essa turma do meio-termo seria bem representada por aquele colega simpaticão, benquisto por todos, que não é demitido mas tampouco brilha pelo desempenho. Grant discorda dessas crenças e oferece pesquisas para confrontá-las.
Ricardo Padovani (Foto: Rogério Cassimiro/ÉPOCA)
 http://en.clipart-fr.com/data/gif/bullets-1/animated_gif_bullets_270.gif
O psicólogo afirma que o comportamento predominante no mercado de trabalho não é fominha nem generoso, e sim o intermediário – o profissional que tenta ser justo, mas desconfia de quem não conhece e se preocupa principalmente em não fazer papel de otário. Essa forma de agir segue a regra do toma lá dá cá, ou seja, oferece um favor e quer receber outro em troca. Trata-se de um padrão de comportamento de baixo risco, que também oferece baixo retorno. O profissional desse tipo dificilmente brilhará ou fracassará pela forma como interage com outros. Grant reconhece que a ponta da régua ocupada por fominhas inclui, sim, gente que se dá bem, mas não abriga a maior parte dos extraordinários. Isso porque o comportamento agressivo não seria a estratégia profissional mais ousada. O mais surpreendente, na proposta de Grant, é sua visão radical da generosidade. Ele acredita que os doadores contumazes de recursos seguem a mais arriscada de todas as estratégias. Eles seriam os verdadeiros caubóis, desbravadores de um território obscuro. Por seguirem um comportamento de alto risco, obtêm resultados extremos de fracasso e sucesso. Grant detalha a tese no livro Give and take (ainda sem título em português, a ser publicado no Brasil em março, pela Editora Sextante).
A generosidade  (Foto: Ilustração: Ricardo Cammarota)
A obra impressiona quem estuda o tema. “Acho essa abordagem original. Gosto porque não trata de um generoso perfeito nem bonzinho, e sim de um generoso que tem de saber dizer ‘não’  e precisa ser muito produtivo”, diz a orientadora de executivos e especialista em treinamento profissional Flávia Lippi. Grant passa ao largo de qualquer bom-mocismo e psicanálise. O autor dedica pouco espaço à tentativa de compreensão da origem desses comportamentos e prefere estudar as consequências deles. “Os doadores bem-sucedidos são tão ambiciosos quanto os fominhas e os toma lá dá cá. Eles apenas têm um jeito diferente de perseguir seus objetivos”, afirma. Trata-se de uma visão de mundo atraente. Todos queremos que os generosos triunfem. Mas será realidade?

A literatura de administração de empresas concordará alegremente. Do ponto de vista da maioria das organizações, é ótimo que os funcionários sejam ambiciosos e, ao mesmo tempo, generosos uns com os outros. Allan Cohen, professor na Babson College, e David Bradford, professor na Universidade Stanford, são autoridades na compreensão sobre como funciona a influência. Perceberam que os indivíduos mais influentes, mesmo sem autoridade formal, são os que têm objetivos claros, conhecem os recursos de que dispõem e sabem oferecer esses recursos aos outros quando necessário – apenas outra forma de descrever o generoso bem-sucedido de Grant. As mais recentes mudanças no comportamento das organizações valorizam a colaboração. Fala-se hoje em economia da reputação (que atribui alto valor à imagem de indivíduos, organizações e países), em “coopetição” (que mistura cooperação e competição, dado o alto grau de interconexão de profissionais e mercados) e em inovação aberta (que alerta as organizações e seus profissionais para a necessidade de contar com as mentes brilhantes que estão fora dos limites da empresa). Todas essas teses combinam-se, facilmente, com o elogio da generosidade. Algo se perde, porém, entre a teoria e a prática diária nas empresas.

Ao se apresentar ao mercado, os profissionais hesitam em descrever-se como generosos e bons de trabalhar em equipe. A maioria ainda crê que é melhor negócio passar a imagem de pistoleiro solitário. Entre as palavras e expressões mais usadas pelos profissionais brasileiros para se descrever em 2013 na rede social LinkedIn, dedicada a contatos de trabalho, encontram-se “responsável”, “estratégico”, “criativo”, “inovador”, “competitivo” e a esquisita “organizacional” – nenhuma que tenha claramente a ver com a habilidade de doar-se ao grupo. Nos Estados Unidos  com alto desemprego, nota-se um empenho do profissional em mostrar-se apto para tipos variados de vagas – o americano se descreve como “adaptável”, “em aprendizado contínuo” e “flexível”. Um segundo grupo de palavras e expressões preferidas no ano passado inclui “ambicioso”, “competitivo” e “altamente competitivo”. Nada que sugira valorização da generosidade. “A visão de Grant tem sentido, atende a um anseio e é uma tendência”, afirma Mara Turolla, executiva com 30 anos de experiência em recursos humanos e diretora na consultoria Career Center. “Mas não sabemos se já é uma realidade. E, em períodos de crise, as empresas procuram os profissionais mais agressivos, que buscam resultado no curto prazo.”
 http://en.clipart-fr.com/data/gif/bullets-1/animated_gif_bullets_270.gif
CRISTINA LEIRO (Foto: Filipe Redondo/ÉPOCA)

Nem é preciso recorrer a esse ceticismo saudável para entender o fracasso de grande parte dos generosos. Quem se doa de forma caótica perde o rumo e a concentração, ao atender a pedidos de favores aleatórios (“Você pode me ajudar a revisar estes números, por favor?”). Ao dividir sua atenção e seus esforços, o doador passa a ser visto como gentil, um auxiliador trivial sempre à disposição, e não como um especialista a consultar em momentos decisivos. Pior: o desprendimento tende a atrair fominhas. Eles sentem de longe o cheiro da vantagem fácil e aproximam-se para arrancar favores. No fim do massacre, o generoso esgotado afunda, sem ter conseguido fazer o que gostaria. Esse não é, porém, um destino inescapável para o generoso. Grant descreve vários caminhos pelos quais um doador organizado pode chegar aos níveis mais altos de sucesso e satisfação profissional. “O primeiro passo do generoso bem-sucedido é perceber que não conseguirá ajudar a todos, com todos os pedidos, o tempo todo”, diz. “Ele reflete sobre quem, como e quando ajudar.”

Ao escolher bem como doar e para quem, o generoso organizado consolida a imagem de profundo conhecedor de um tema ou craque na superação de um tipo de desafio. Com o tempo, essa imagem transpõe os limites do trabalho atual – o generoso é beneficiário direto da atual fluidez da informação (enquanto o fominha é prejudicado por ela). Quanto mais regular for a doação, mais o generoso se obrigará a ser produtivo, concentrado e conhecedor do que fala – “generosidade é uma forma de agir que se treina e se aprimora com a prática”, diz a coach Flávia Lippi.

O doador eficiente forma a seu redor uma rede firme de contatos e aliados – gente disposta a retribuir favores, a passar favores adiante e que torce por seu sucesso. Quem é generoso com os outros ajuda a si próprio. Enquanto outros chefes preocupam-se em identificar jovens promissores para depois atraí-los, o generoso vê em cada novato uma promessa  e investe nele. Isso aumenta enormemente as possibilidades de que esse novato se torne muito competente. No fim das contas, é mais produtivo semear talento a seu redor do que tentar importá-lo. “É um receio meio ingênuo o profissional achar que será ultrapassado se ensinar o novato. Quem compartilha atrai gente talentosa”, diz Denys Monteiro, diretor presidente da consultoria de recursos humanos Fesa. Além disso tudo, o generoso exercita regularmente músculos úteis ao cotidiano de trabalho – ele pensa no longo prazo e coloca-se facilmente no lugar do outro, seja um cliente poderoso, seja o estagiário.
 http://en.clipart-fr.com/data/gif/bullets-1/animated_gif_bullets_270.gif
Três formas de interagir (Foto: ÉPOCA)
 http://en.clipart-fr.com/data/gif/bullets-1/animated_gif_bullets_270.gif
KLEUBER MATTA  (Foto: Celso Junior/ÉPOCA)
 http://en.clipart-fr.com/data/gif/bullets-1/animated_gif_bullets_270.gif
Como a generosidade funciona (Foto: Ilustração: Ricardo Cammarota)

http://epoca.globo.com/vida/vida-util/carreira/noticia/2014/02/bseja-generosob-e-ajude-si-proprio.html


Blogs que me encantam!


..saia justa......† Trilha do Medo ♪....Blogueiros na Web - Ensinando o Sucesso no Blogger e Wordpress!..Emprego Virtual..Blog Ebooks Grátis....http://3.bp.blogspot.com/_vsVXJhAtvc8/ShLcueg5n2I/AAAAAAAACqo/sOQqVTcnVrc/S1600-R/blog.jpg..http://lh6.ggpht.com/_vc1VEWPuSmU/TN8mZZDF9tI/AAAAAAAAIJY/GWQU-iIvToI/banner-1.jpg....Divulgar textos | Publicar artigo....tirinhas do Zé........

Estatística deste blog: Comentários em Postagens Widget by Mundo Blogger

Safernet



FinderFox

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin