Segundo dados da Unicef, entre 2016 e 2020, 35 mil crianças e adolescentes de 0 a 19 anos foram mortos de forma violenta no Brasil – uma média de 7 mil por ano. Além disso, de 2017 a 2020, 180 mil sofreram violência sexual – aproximadamente 45 mil por ano.

 

15 DE ABRIL DE 2024 – 2ª FEIRA


FRASE DO DIA

FRASE DO DIA

FRASE COM AUTOR

FRASE COM AUTOR

quarta-feira, 18 de outubro de 2023

O que a memória ama, fica eterno - Adélia Prado por Nelson de Freitas

Nelson de Freitas

Conheci, esta semana, o canal YouTube do ator Nelson de Freitas e só com um breve passeio, imediatamente me inscrevi; e, claro, vou procurar conhecer todos os seus vídeos. 

Na constelação de atores brasileiros de todos os níveis, o Nelson de Freitas - que não é daquele time de "estrelas globais" -  se destaca por suas interpretações diferenciadas, sua cultura e inteligência. São poucos, poucos mesmos, os atores que me inspiram a dizer que lhes sou admirador; o Nelson é um desses poucos. 

Não sabia que ele tinha um canal YouTube. "Descobri-o" há poucos dias e ao visitá-lo me surpreendi com o conteúdo maravilhoso, moderno, de primeira classe, diferente, inteligente e de atuações extraordinárias pela arte de Nelson de Freitas.  Uma joia! Recomendo a todos que o visitem e preparem-se, porque vão se inscrever na hora e colocá-lo entre seus favoritos. Depois que o visitei pela primeira vez, fui lá (quase) todos os dias para ver e ouvir os textos magistralmente interpretados.

A propósito, faço um comunicado aos leitores que pretendo passar a publicar no blog, regularmente, os vídeos do canal "Nelson de Freitas Oficial".

Para ilustrar o post coloquei abaixo um vídeo maravilhoso, onde ele declama o lindo poema de Adélia Prado, intitulado "O que a memória ama, fica eterno". Para fechar o post, transcrevi o poema, para quem se interessarem copiá-lo.

Hum! Paro por aqui sob risco de me estender demais - acho até já o fiz - para falar sobre Nelson de Freitas. Assistam o vídeo, visitem o canal (https://www.youtube.com/@NelsonFreitasOficial) e depois me escrevam dizendo se tenho ou não razão.





O que a memória ama, fica eterno

Adélia Prado

Quando eu era pequena, não entendia o choro solto da minha mãe ao assistir a um filme, ouvir uma música ou ler um livro. O que eu não sabia é que minha mãe não chorava pelas coisas visíveis. Ela chorava pela eternidade que vivia dentro dela e que eu, na minha meninice, era incapaz de compreender. O tempo passou e hoje me emociono diante das mesmas coisas, tocada por pequenos milagres do cotidiano.

É que a memória é contrária ao tempo. Enquanto o tempo leva a vida embora como vento, a memória traz de volta o que realmente importa, eternizando momentos. Crianças têm o tempo a seu favor e a memória ainda é muito recente. Para elas, um filme é só um filme; uma melodia, só uma melodia. Ignoram o quanto a infância é impregnada de eternidade.

Diante do tempo envelhecemos, nossos filhos crescem, muita gente parte. Porém, para a memória ainda somos jovens, atletas, amantes insaciáveis. Nossos filhos são crianças, nossos amigos estão perto, nossos pais ainda vivem.

Quanto mais vivemos, mais eternidades criamos dentro da gente. Quando nos damos conta, nossos baús secretos – porque a memória é dada a segredos – estão recheados daquilo que amamos, do que deixou saudade, do que doeu além da conta, do que permaneceu além do tempo.

A capacidade de se emocionar vem daí: quando nossos compartimentos são escancarados de alguma maneira. Um dia você liga o rádio do carro e toca uma música qualquer, ninguém nota, mas aquela música já fez parte de você – foi o fundo musical de um amor, ou a trilha sonora de uma fossa – e mesmo que tenham se passado anos, sua memória afetiva não obedece a calendários, não caminha com as estações; alguma parte de você volta no tempo e lembra aquela pessoa, aquele momento, àquela época...

Amigos verdadeiros têm a capacidade de se eternizar dentro da gente. É comum ver amigos da juventude se reencontrando depois de anos – já adultos ou até idosos – e voltando a se comportar como adolescentes bobos e imaturos. Encontros de turma são especiais por isso, resgatam as pessoas que fomos, garotos cheios de alegria, engraçadinhos, capazes de atitudes infantis e debilóides, como éramos há 20 ou 30 anos. Descobrimos que o tempo não passa para a memória. Ela eterniza amigos, brincadeiras, apelidos... mesmo que por fora restem cabelos brancos, artroses e rugas.

A memória não permite que sejamos adultos perto de nossos pais. Nem eles percebem que crescemos. Seremos sempre "as crianças", não importa se já temos 30, 40 ou 50 anos. Prá eles a lembrança da casa cheia, das brigas entre irmãos, das estórias contadas ao cair da noite... ainda são muito recentes, pois a memória amou, e aquilo se eternizou.

Por isso é tão difícil despedir-se de um amor ou alguém especial que por algum motivo deixou de fazer parte de nossas vidas. Dizem que o tempo cura tudo, mas não é simples assim. Ele acalma os sentidos, apara as arestas, coloca um band-aid na dor. Mas aquilo que amamos tem vocação para emergir das profundezas, romper os cadeados e assombrar de vez em quando. Somos a soma de nossos afetos, e aquilo que amamos pode ser facilmente reativado por novos gatilhos: somos traídos pelo enredo de um filme, uma música antiga, um lugar especial.

Do mesmo modo, somos memórias vivas na vida de nossos filhos, cônjuges, ex-amores, amigos, irmãos. E mesmo que o tempo nos leve, daqui seremos eternamente lembrados por aqueles que um dia nos amaram.

Um comentário:

  1. Realmente muito lindo,a gente até se emociona de tamanha beleza do poema e a interpretação do Nelson Freitas é maravilhosa,amei o seu blog.Angela Drummond.

    ResponderExcluir

Convido você, caro leitor, a se manifestar sobre os assuntos postados na Oficina de Gerência. Sua participação me incentiva e provoca. Obrigado.