18 DE MAIO DE 2024 - SÁBADO - DIA NACIONAL DE COMBATE AO ABUSO E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADPLESCENTES



 

FRASE DO DIA

FRASE DO DIA

FRASE COM AUTOR

FRASE COM AUTOR

terça-feira, 27 de junho de 2023

Procrastinação é um hábito adquirido ou genético e tem correção.

 


''O que é o ato de procrastinar?

Procrastinar é a ação de postergar ou atrasar algo, como uma tarefa, compromisso ou atividade. Isso é feito principalmente se dedicando a outras tarefas – muitas vezes, de menor importância e mais prazerosa.'' (Google)

Algum de vocês já observou que todos nós, de uma forma ou de outra somos "praticantes" da procrastinação? Em algum ou vários momentos de nossas existências já adiamos coisas que deveriam ser feitas de imediato? 

Pesquiso na internet e "descubro" que a procrastinação ou protelação não é um mal da era contemporânea e muito menos de épocas mais próximas; é um procedimento que acompanha a humanidade desde os primeiros tempos (clique aqui e confira).

A melhor explicação que li está na seguinte frase: 
  • "De forma geral, o cérebro humano “se rende” à procrastinação porque tem preferência pela recompensa imediata. Por isso, tende a lutar com tarefas que prometem vantagens futuras em troca de esforços no presente. Isso porque é mais fácil para nossos cérebros processarem coisas concretas em vez de abstratas, e o incômodo imediato é muito tangível em comparação com aqueles irreconhecíveis e incertos benefícios futuros”, explica a especialista Caroline Webb em artigo da Harvard Business Review.
Não vou me estender na apresentação do artigo (abaixo) que trago à Oficina de Gerência, transcrito da revista Forbes para os leitores e visitantes do blog.  Tanto o artigo acima indicado da Harvard Business Review (que pode ser traduzido em link no próprio texto e que também recomendo  fortemente a leitura àqueles interessados no tema), quanto os demais intens que foram objetos das minhas leituras, contêm um ponto comum. 

Este prisma observado pode ser resumido no texto que a Dra. Caroline Webb aborda em seu artigo (link citado acima) para a Harvard Review:
  • O problema é que nossos cérebros são programados para procrastinarEm geral, todos nós tendemos a lutar com tarefas que prometem futuras vantagens em troca de esforços que tomamos agora. Isso porque é mais fácil para nossos cérebros processar o que seja concreto em vez de coisas abstratas; e o incômodo imediato é muito tangível em comparação com aqueles benefícios futuros incognoscíveis e incertos. Portanto, o esforço de curto prazo domina facilmente o lado positivo de longo prazo em nossas mentes — um exemplo de algo que os cientistas comportamentais chamam viés presente.
Eu não conhecia essa abordagem e achei interessantíssima. O que quero ressaltar é que a procrastinação, embora o seu caráter de "coisa de humanos" e até, para alguns, um defeito de comportamento ou mau hábito, na verdade é um procedimento que tem a tutela de nossos cérebros, com componentes genéticos, hereditários e até involuntários. 

Acho importante que todos tenhamos essas noções para desencadear uma busca pelas correções. Sim! Há formas de minimizar a procrastinação em cada um de nós. O primeiro passo é reconhecê-la como algo que não é plenamente pessoal. Não é preguiça, desinteresse ou algo do gênero. Há formas de atenuar, diminuir e até anular; e em casos mais simples, um autotratamento.

É isso que os artigos apresentados, o da Forbes (abaixo) e o da Harvard Business Review (pelo link), trazem aos interessados. Dado que a protelação pode atrapalhar muito a vida das pessoas, em geral e daqueles que dependem de tarefas e tempo para executá-las ou decidirem, acho que vale a pena conhecê-los e se necessário pesquisar mais  ainda na internet (clique aqui)

Boas leituras.


Clique aqui e conheça a website


"Procrastinação" tem recorde de buscas no Google: veja como lidar com a sua


Procrastinação pode ser combatida, na maioria das vezes, com algumas estratégias de mudança de hábito

No Brasil, as buscas sobre o assunto aumentaram 90% em relação aos últimos cinco anos. Se você tem procrastinado demais, indicamos alguns passos para reduzir o problema

O mundo está pesquisando como nunca pela palavra “procrastinação”, de acordo com dados do Google Trends de 1º de janeiro a 17 de maio. Os brasileiros não fogem da tendência: as pesquisas sobre o tema subiram 90% nos últimos cinco anos.

Junto dela, outros assuntos relacionados que também cresceram nas pesquisas na ferramenta de busca incluem “foco“, “TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade)” e “preguiça”. Não que o transtorno tenha a ver com a procrastinação ou a preguiça pura e simples, mas talvez os usuários imaginem que a dificuldade de focar ou concluir tarefas podem indicar uma condição mental e não apenas um hábito ruim.

Veja, a seguir, as principais perguntas feitas ao Google sobre o tema:

O que é procrastinação?

Como parar de procrastinar?

O que é uma pessoa procrastinadora?

O que fazer para não procrastinar?

Procrastinar pode ser doença?

Apesar do hábito de adiar responsabilidades e tarefas a serem feitas poder ser adquirido por qualquer pessoa, ele pode indicar a existência de problemas de saúde mental – casos nos quais o indicado é buscar um médico. Com exceção a isso, há formas de combater a tendência de procrastinar. Confira:

 

7 passos para combater a procrastinação e produzir mais:


 1] Mude a sua perspectiva: Em vez de pensar negativamente sobre a temida tarefa do trabalho que deve ser feita, pense nos benefícios a longo prazo da conclusão dela. Quando um projeto parece uma luta difícil, concentre-se nos aspectos positivos de terminá-lo antes do fim de semana para poder aproveitar os dias de folga. Na verdade, considerar os benefícios a longo prazo o aproxima mais ainda da linha de chegada.

2] Evite rotular a si mesmo: Chamar a si mesmo de procrastinador lhe dá permissão implícita para agir como uma pessoa digna desse rótulo e você repete o hábito de adiar tarefas. Aprender a pensar na sua procrastinação como uma parte de você, e não como você, referindo-se a ela na terceira pessoa como “ela”, separando você dela. Ao observar essa parte com um olhar imparcial, você diminui a crítica a si mesmo. Assim, a procrastinação não domina mais suas decisões, e você terá uma maior capacidade de superar os obstáculos.


 3) Diminua suas “obrigações mentais”: Se você é como a maioria das pessoas, tem uma voz implacável em sua cabeça, atormentando você com palavras opressivas, como “devo”, “deveria”, “preciso” e “tenho que” – como “Eu devo ganhar”, “Eu tenho que fechar esse negócio”, “Eu tenho que conseguir essa promoção”, “Esse projeto deve ser perfeito”. Ceder à linguagem opressiva alimenta o medo e a procrastinação. Substituir essa pressão por uma linguagem que reflete escolha, como “eu posso”, “eu tenho a oportunidade de”, “eu quero” ou “eu planejo”, liberta você das correntes do medo e da procrastinação, permitindo que você siga em frente com a tarefa.


4] Controle seu perfeccionismo: Ser muito perfeccionista faz com que você estabeleça metas irreais, se esforce demais e evite a meta impossível que você mesmo estabeleceu. Expectativas inalcançáveis fazem você enxergar falhas até mesmo em suas conquistas. Você é menos propenso a procrastinar quando vê as metas como realizáveis e alcançáveis. Permitir-se realizar uma tarefa de forma imperfeita engana o cérebro emocional e reduz qualquer resistência para completar a tarefa. Quando você se permite cometer um erro, o produto final geralmente fica melhor do que você imaginava


5] Estabeleça prioridades: Escolher um item da sua lista de tarefas que você possa realizar rapidamente e completá-lo pode dar um impulso inicial e aliviar o fardo da procrastinação. Você pode enfrentar seus compromissos de frente e cedo, em vez de esperar até o último minuto. Se você tem várias coisas em sua lista, pode distinguir entre o essencial e o não essencial e trabalhar nas tarefas que precisam ser concluídas imediatamente, uma de cada vez.


6] Dê pequenos passos: Dividir o projeto de trabalho em blocos de tempo curtos, de cinco minutos, evita que você se sinta sobrecarregado pela quantidade de coisa a ser feita. Estudos mostram que dar pequenos passos ajuda você a perceber que a tarefa não é tão difícil como você pensava, permitindo que você supere a procrastinação e avance para completar a tarefa. Embora dar o primeiro passo possa ser o mais difícil, uma vez que você começa, fica mais fácil de desenvolver o resto.


7] Dê recompensas a si mesmo depois de terminar a tarefa: Seu cérebro está programado para buscar prazer e evitar dor e, por isso, adora uma recompensa. Depois de concluir uma pequena parte de uma tarefa – não antes de concluí-la – dê a si mesmo uma recompensa. Em vez de assistir ao seu programa de televisão favorito antes de terminar uma parte da tarefa, planeje assistir depois de terminar uma parte dela. Essa abordagem aumenta sua motivação para que você possa aproveitar uma de suas atividades favoritas depois.


Para conhecer o artigo no próprio site da Forbes clique aqui.

Photobucket - Video and Image Hosting

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Convido você, caro leitor, a se manifestar sobre os assuntos postados na Oficina de Gerência. Sua participação me incentiva e provoca. Obrigado.