Setembro Amarelo

Setembro Amarelo

terça-feira, julho 27, 2021

Rayssa Leal, a "Fadinha do Skate", brilha em vídeo da Nike. Magnífica homenagem...


 

As Olimpíadas trouxeram para o Brasil, logo nas suas primeiras disputas, um novo motivo para o nosso povo sorrir. Falo da Rayssa Leal, a "Fadinha do Skate". 

Assisti todas as apresentações da Rayssa. Em todas elas, era flagrante a "irresponsabilidade" pré-adolescente da menina de 13 anos, fenômeno só por estar ali disputando uma olimpíada.

Enquanto todos ao seu redor mostravam em suas fisionomias a gravidade do  momento olímpico, a Fadinha não estava nem aí. Brincava, dançava, cantarolava e sorria o tempo inteiro.


Essa postura, em uma atleta olímpica, foi conquistando  a mídia internacional. Outros países, o Japão, por exemplo, também tinham atletas pré-adolescentes, que não capturaram as lentes e a atenção dos jornalistas como a Fadinha.

Tudo culminou com a disputa na final do skate feminino pela Rayssa, após a queda das favoritas Pamela Rosa e Letícia Bufoni. Nessa disputa ela continuou no mesmo diapasão. Nem parecia estar numa final olímpica! 


Veio a medalha de prata e levou o Brasil olímpico ao delírio. Seja porque foi magnifica nas provas, seja porque jogou por terra aquela imagem de preocupação fúnebre que sempre cerca os atletas antes das provas, seja porque a sua explosão de criança tomou as telas. O que vimos foi uma menininha de 13 anos correndo, pulando, sorrindo sem saber ao certo para onde ir e o que fazer. Foi lindo de ver e sentir aquela alegria em estado puro.

Mais que tudo, a torcida viu na Raissa a conquista de uma menina, que ainda brinca com bonecas e bichinhos de pelúcia, transformar a vida real em um sonho digno de um filme de Walt Disney. Um filme mágico de fadas e final feliz.


Muito ainda vamos ver e ouvir sobre a Raissa Leal. Filmes e livros serão escritos sobre ela. A sua conquista, na primeira disputa olímpica do skate, está eternizada. E com 13 anos ainda terá muitas disputas pela frente, inclusive em olimpíadas. 

Ainda terá de carregar a maravilhosa imagem da "Fadinha" por algum tempo, mas na próxima olimpíada e deverá estar lá, em Paris, já terá 17 anos...

Coloco abaixo o vídeo que Nike produziu (com mais de 500.000 visualizações, em três dias) e que emociona por conseguir traduzir, em um minuto e meio, o sentimento que acendeu, nos brasileiros de todas as camadas sociais, aquela luz de alegria e esperança de que os sonhos podem ser, sim, realizados.


Nenhum comentário:

Postar um comentário