O Dia das Américas comemora a soberania e a unidade das nações das Américas. Este dia é comemorado no aniversário da fundação da União Internacional das Repúblicas Americanas, antigo nome da atual Organização dos Estados Americanos (OEA). Marca o principal objetivo que teve a organização desde a sua criação: criar uma ordem de paz e justiça no continente, defendendo a sua soberania, a sua integridade territorial e a sua independência. É importante notar que este dia é comemorado em 21 países das Américas. Embora o Dia das Américas é considerado um dia de celebração, as atividades de trabalho e escola ocorrem normalmente. Este dia é comemorado em 14 de Abril de cada ano.

 

14 DE ABRIL DE 2024 – DOMINGO - DIA DAS AMÉRICAS


FRASE DO DIA

FRASE DO DIA

FRASE COM AUTOR

FRASE COM AUTOR

domingo, 29 de agosto de 2021

A "Fadinha do Skate", Rayssa Leal, faz história novamente nos EUA

 


O que nos emociona nestes tempos? Emoção mesmo! Daquelas de marejar os olhos e não conseguir nem falar direito; respondo: é o esporte. Carentes como estamos, nós brasileiros, de ídolos e heróis nas várias camadas sociais faz-nos falta

Não é qualquer esporte. Não! Não é o futebol. Não somos mais os melhores do mundo, mesmo sendo campeões olímpicos.

Também não é o surf, que brilhou em Tóquio com o Ítalo Ferreira e nenhum de outros esportes conhecidos e populares no Brasil. Nada de vôlei, basquete, futebol de salão e outros.

Falo do skate. Não é de qualquer skate. É o Skate (com letra maiúscula) da “fadinha” Rayssa Leal. Meu Deus! Essa garota brasileira de apenas 13 anos fez história novamente hoje (29/8/2021).

Conquistou (e que conquista!) a primeira etapa da temporada 2021 da SLS(Street League Skateboarding) ou Liga Mundial de Skate Street (skate de rua) em Salt Lake City/Utah, nos Estados Unidos.

Na última volta ela estava em terceiro lugar e arriscou uma manobra quase impossível (de nome complicado) que lhe valeu a melhor nota da etapa – 8,5 - e a levou do bronze para o ouro de forma sensacional.

Veja abaixo o vídeo com toda a trajetória da Rayssa durante a competição. O final é de arrepiar:


Carentes de ídolos em todos os campos das atividades humanas (artes, esportes, ciências, política...) o Brasil começa a encontrar em uma menina de 13 anos a personagem para mexer com suas emoções mais puras.

Não há como assistir uma apresentação da Rayssa sem se sentir tocado pela magia dessa criança que nos empolga a todos. 

Torço, como é certo que todos os brasileiros também o fazem, para os espaços que já foram ocupados por Pelé, Ayrton Sena e pelo Guga possam ser preenchidos. Faz-nos falta, de forma contínua e repetida, a emoção que experimentamos algumas vezes, recentemente, nas Olimpíadas..



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Convido você, caro leitor, a se manifestar sobre os assuntos postados na Oficina de Gerência. Sua participação me incentiva e provoca. Obrigado.