18 de nov de 2008

Gravatas e seus nós - aprenda e alivie o tormento...


Ah! As gravatas!

Objetos de tortura para (quase) todos os homens - notadamente executivos - que são obrigados a usá-las. Bem, o tormento não é propriamente a gravata, mas os famosos nós que, necessariamente, as acompanham para "pendurá-las" no pescoço.

Já deu para perceber que me alinho entre os "anti-gravatistas". Usei-as (sempre sob protesto) durante muitos anos e hoje, livre da obrigação de servir-me dela (pensando bem, acho que é ela quem se serve de nós...) considero que é, talvez, o maior bônus da minha atual "dolce vita".

Entretanto, para aqueles que não têm a minha sorte, sinto-me na obrigação de trazer-lhes um pouco mais de informação a respeito dos ("profundos") mistérios que cercam os nós de gravatas.

Leiam e aprendam ou, para os (raros) "especialistas", revejam, os tipos mais conhecidos de nós e suas, digamos, identidades. Podem crer, é mais que simples "cultura inútil". Já ví muita gente com cargos importantes perder oportunidades por causa delas. Ou seja, pela falta ou pela os destroçados nós que apresentavam nos colarinhos de seus descuidados donos.

O resumo da ópera é o seguinte: se tiver que usar gravatas, faça-o com propriedade, discrição e elegância. Para iso é preciso conhecer seus "enigmas e segrêdos". O inverso é o caminho para o desastre da própria imagem. Falei e disse!

!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

2 comentários:

  1. Herbert, nao adianta eu nao aprendo, rs.

    Olha, só, eu estou transferindo os posts sobre o tema adocao tudo para um blog que fiz para o tema fica todo junto. Eu nao consegui pegar o embed do globo.com, do you tube nao foi problema.

    Vc poderia me enviar o embed do globo.com?

    saiajusta2@gmail.com

    Obrigada

    Caso vc queira ver o novo blog, já coloquei alguns posts por lá:

    http://blog-blogagem.blogspot.com/

    Obrigada

    ResponderExcluir
  2. Caro senhor,

    sequer consigo vestir a roupinha do meu cachorro salsicha
    durante o breve período
    de inverno aqui no Rio.

    Abraços

    Eliana

    ResponderExcluir